Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 23 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Opas: sem controlar transmissão, reabrir escolas pode causar novos surtos



04/08/2020 | 13:44


Diretor-assistente da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), Jarbas Barbosa afirmou nesta terça-feira, 4, que a reabertura das escolas "pode ser um fator de risco para novos surtos" da covid-19, em Estados ou regiões nos quais a doença não está ainda sob controle.

"É muito importante primeiro ter o controle da transmissão e, quando for o momento, reabrir com todo o protocolo para garantir a segurança de meninos e meninas e dos professores", disse ele, durante entrevista coletiva virtual da entidade. No processo de reabertura, ele citou a importância de medidas como o distanciamento físico e o acesso à lavagem de mãos para todos no ambiente escolar.

Situação no Brasil continua crítica , mas há esperança

Diretor do Departamento de Doenças Transmissíveis da Opas, Marcos Espinal afirmou que a situação da pandemia da covid-19 no Brasil "continua a ser crítica". Durante entrevista coletiva virtual da entidade, ele disse que "ainda não se pode cantar vitória" na luta contra a doença no País e insistiu na necessidade de se continuar a implementar o "pacote de medidas não farmacêuticas" com eficácia comprovada, como o uso de máscaras, o distanciamento social, testes e isolamento dos casos e a higiene das mãos.

Espinal disse haver um "sinal que nos dá esperança": "Em 29 de julho, o Brasil reportava uns 70 mil casos diários e esse número baixou um pouco, nos últimos cinco ou seis dias". Ele mesmo ponderou, contudo, que se trata de um território vasto. "Apesar de que a testagem aumentou, há ainda áreas remotas e nas quais o vírus continua a fazer estragos, não devemos pensar que já estejamos achatando a curva" de novos casos, comentou. O diretor do departamento da OMS disse que continua a haver comunidades, "como o Distrito Federal, São Paulo, Bahia, reportando grandes quantidades de casos e de mortes" no País.

Por outro lado, ele citou durante a coletiva a Argentina como um "exemplo de boa prática em tomar medidas cedo" para conter a disseminação da doença, sendo um dos primeiros a impor "uma quarentena total" em março. De acordo com Espinal, a mortalidade da doença no país é baixa, similar a outras nações que adotaram medidas mais duras logo para conter a situação. Ele ainda citou o fato de que tem havido "uma mensagem única" à população por parte dos governantes argentinos, nesse combate ao vírus.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Opas: sem controlar transmissão, reabrir escolas pode causar novos surtos


04/08/2020 | 13:44


Diretor-assistente da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), Jarbas Barbosa afirmou nesta terça-feira, 4, que a reabertura das escolas "pode ser um fator de risco para novos surtos" da covid-19, em Estados ou regiões nos quais a doença não está ainda sob controle.

"É muito importante primeiro ter o controle da transmissão e, quando for o momento, reabrir com todo o protocolo para garantir a segurança de meninos e meninas e dos professores", disse ele, durante entrevista coletiva virtual da entidade. No processo de reabertura, ele citou a importância de medidas como o distanciamento físico e o acesso à lavagem de mãos para todos no ambiente escolar.

Situação no Brasil continua crítica , mas há esperança

Diretor do Departamento de Doenças Transmissíveis da Opas, Marcos Espinal afirmou que a situação da pandemia da covid-19 no Brasil "continua a ser crítica". Durante entrevista coletiva virtual da entidade, ele disse que "ainda não se pode cantar vitória" na luta contra a doença no País e insistiu na necessidade de se continuar a implementar o "pacote de medidas não farmacêuticas" com eficácia comprovada, como o uso de máscaras, o distanciamento social, testes e isolamento dos casos e a higiene das mãos.

Espinal disse haver um "sinal que nos dá esperança": "Em 29 de julho, o Brasil reportava uns 70 mil casos diários e esse número baixou um pouco, nos últimos cinco ou seis dias". Ele mesmo ponderou, contudo, que se trata de um território vasto. "Apesar de que a testagem aumentou, há ainda áreas remotas e nas quais o vírus continua a fazer estragos, não devemos pensar que já estejamos achatando a curva" de novos casos, comentou. O diretor do departamento da OMS disse que continua a haver comunidades, "como o Distrito Federal, São Paulo, Bahia, reportando grandes quantidades de casos e de mortes" no País.

Por outro lado, ele citou durante a coletiva a Argentina como um "exemplo de boa prática em tomar medidas cedo" para conter a disseminação da doença, sendo um dos primeiros a impor "uma quarentena total" em março. De acordo com Espinal, a mortalidade da doença no país é baixa, similar a outras nações que adotaram medidas mais duras logo para conter a situação. Ele ainda citou o fato de que tem havido "uma mensagem única" à população por parte dos governantes argentinos, nesse combate ao vírus.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;