Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 25 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Região tem mais mortes de Covid do que Portugal

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Mesmo com um quarto da população, Grande ABC registra 1.761 óbitos, 23 a mais do que no país europeu


Flavia Kurotori
Do Diário do Grande ABC

04/08/2020 | 00:01


O Grande ABC totaliza 1.761 mortes causadas pelo novo coronavírus. O número supera o registro de Portugal, onde 1.738 morreram desde o início da pandemia – ontem o país europeu viveu o primeiro dia sem óbitos depois de cinco meses. Chama atenção que a região possui cerca de 2,8 milhões de habitantes, equivalentes a um quarto dos 10,6 milhões de portugueses, assim, a proporção de óbitos a cada 100 mil moradores é de 63 vítimas nas sete cidades e de 16 pessoas no país europeu.

Ainda que a região tenha 42.913 casos, 17% menos do que os 51.542 diagnósticos de Portugal, a proporção de testes positivos a cada 100 mil habitantes é de 1.538 ante 485. No Grande ABC, 4,1% dos infectados faleceram, ao mesmo tempo em que 3,37% das confirmações portuguesas evoluíram a óbito. Os dados foram compilados pelo Diário com base em boletins epidemiológicos das prefeituras e da Universidade Johns Hopkins.

“Portugal é um país com a população mais velha e, ainda sim, controlou a pandemia”, observou Paulo Rezende, infectologista do Hospital Santa Ana, de São Caetano. “Os casos no Grande ABC estão crescendo, mas o que não estamos vendo é o incentivo ao isolamento físico. Muito disso depende do (governo do) Estado, que determina a flexibilização conforme o número de leitos disponíveis e a região conta com boa estrutura na saúde”, explicou.

Na sexta-feira, o governo estadual informou que a média móvel das internações no Grande ABC cresceu 15%, indo de 1.040 para 1.188. A tendência vai na contramão do Estado, onde as internações reduziram cerca de 1%. A administração afirmou que o indicador acende o alerta para o avanço da pandemia na região, que está na Fase 3 (amarela) do Plano São Paulo, responsável pelas diretrizes da reabertura econômica.

Na avaliação de Rezende, boa notícia é que cidades da região, como Santo André, São Bernardo e São Caetano, estão testando em massa, o que permite traçar estratégias de enfrentamento.

ATUALIZAÇÃO
Dos 42.913 casos confirmados na região, 19.577 são moradores de São Bernardo, 11.743 de Santo André, 5.755 de Diadema, 2.660 de São Caetano, 2.082 de Mauá, 755 de Ribeirão Pires e 341 de Rio Grande da Serra.

Entre os 1.761 óbitos, 628 foram registrados em São Bernardo, 379 em Santo André, 339 em Diadema, 207 em Mauá, 135 em São Caetano, 56 em Ribeirão Pires e 17 em Rio Grande da Serra.

Apesar dos altos números, as mortes pelo coronavírus desaceleraram no Grande ABC na última semana, quando 83 vítimas fatais foram registradas. Na semana anterior, entre os dias 19 e 25 de julho, 156 óbitos foram confirmados. O mesmo ocorreu com o número de casos, cujas confirmações nos sete dias encerrados no sábado totalizaram 4.998 ante 5.278 no período anterior.

Até ontem, 21.107 pacientes da região haviam se recuperado. Outras 43.677 pessoas estão com o quadro de saúde sob investigação. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Região tem mais mortes de Covid do que Portugal

Mesmo com um quarto da população, Grande ABC registra 1.761 óbitos, 23 a mais do que no país europeu

Flavia Kurotori
Do Diário do Grande ABC

04/08/2020 | 00:01


O Grande ABC totaliza 1.761 mortes causadas pelo novo coronavírus. O número supera o registro de Portugal, onde 1.738 morreram desde o início da pandemia – ontem o país europeu viveu o primeiro dia sem óbitos depois de cinco meses. Chama atenção que a região possui cerca de 2,8 milhões de habitantes, equivalentes a um quarto dos 10,6 milhões de portugueses, assim, a proporção de óbitos a cada 100 mil moradores é de 63 vítimas nas sete cidades e de 16 pessoas no país europeu.

Ainda que a região tenha 42.913 casos, 17% menos do que os 51.542 diagnósticos de Portugal, a proporção de testes positivos a cada 100 mil habitantes é de 1.538 ante 485. No Grande ABC, 4,1% dos infectados faleceram, ao mesmo tempo em que 3,37% das confirmações portuguesas evoluíram a óbito. Os dados foram compilados pelo Diário com base em boletins epidemiológicos das prefeituras e da Universidade Johns Hopkins.

“Portugal é um país com a população mais velha e, ainda sim, controlou a pandemia”, observou Paulo Rezende, infectologista do Hospital Santa Ana, de São Caetano. “Os casos no Grande ABC estão crescendo, mas o que não estamos vendo é o incentivo ao isolamento físico. Muito disso depende do (governo do) Estado, que determina a flexibilização conforme o número de leitos disponíveis e a região conta com boa estrutura na saúde”, explicou.

Na sexta-feira, o governo estadual informou que a média móvel das internações no Grande ABC cresceu 15%, indo de 1.040 para 1.188. A tendência vai na contramão do Estado, onde as internações reduziram cerca de 1%. A administração afirmou que o indicador acende o alerta para o avanço da pandemia na região, que está na Fase 3 (amarela) do Plano São Paulo, responsável pelas diretrizes da reabertura econômica.

Na avaliação de Rezende, boa notícia é que cidades da região, como Santo André, São Bernardo e São Caetano, estão testando em massa, o que permite traçar estratégias de enfrentamento.

ATUALIZAÇÃO
Dos 42.913 casos confirmados na região, 19.577 são moradores de São Bernardo, 11.743 de Santo André, 5.755 de Diadema, 2.660 de São Caetano, 2.082 de Mauá, 755 de Ribeirão Pires e 341 de Rio Grande da Serra.

Entre os 1.761 óbitos, 628 foram registrados em São Bernardo, 379 em Santo André, 339 em Diadema, 207 em Mauá, 135 em São Caetano, 56 em Ribeirão Pires e 17 em Rio Grande da Serra.

Apesar dos altos números, as mortes pelo coronavírus desaceleraram no Grande ABC na última semana, quando 83 vítimas fatais foram registradas. Na semana anterior, entre os dias 19 e 25 de julho, 156 óbitos foram confirmados. O mesmo ocorreu com o número de casos, cujas confirmações nos sete dias encerrados no sábado totalizaram 4.998 ante 5.278 no período anterior.

Até ontem, 21.107 pacientes da região haviam se recuperado. Outras 43.677 pessoas estão com o quadro de saúde sob investigação. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;