Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 4 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Lista de candidatas a vice de Biden se divide entre moderadas e progressistas



02/08/2020 | 07:17


Se os estrategistas democratas quiserem sinalizar a união das diferentes alas do partido e garantir o voto de eleitores de esquerda, que se identificavam mais com o senador Bernie Sanders, Joe Biden pode escolher a senadora Elizabeth Warren, que também concorreu nas prévias. O aceno, no entanto, pode afastar eleitores independentes e de centro, com a perspectiva de que o futuro governo pode estar disposto a aderir a políticas mais radicais.

Da ala esquerda, a extensa lista de cotadas inclui estrelas em ascensão, como a governadora de Michigan, Gretchen Whitmer, a prefeita de Atlanta, Keisha Bottoms, e a deputada da Flórida, Val Demings.

Entre as cogitadas constam também Stacey Abrams, que perdeu por pouco a eleição para o governo da Geórgia, em 2018, as senadoras Tammy Baldwin e Tammy Duckworth, Michelle Lujan Grisham, a primeira governadora latina dos EUA, do Novo México, e a ex-governadora do Arizona Janet Napolitano.

Nomes do Meio-Oeste, como da governadora de Michigan, ganham força por serem ligados a Estados do Cinturão da Ferrugem, que trocaram Barack Obama por Donald Trump, em 2016.

A ideia de equilibrar a chapa com a escolha do vice - seja por razões geográficas ou ideológicas - fez parte da história americana. No livro Picking the Vice-President ("Escolhendo o vice-presidente", em tradução livre), Elaine Kamarck argumenta que a lógica durou até 1992, quando Bill Clinton mudou a forma de escolha e selecionou Al Gore com base na compatibilidade e parceria.

O novo modelo, segundo ela, foi repetido por George W. Bush, Obama e Trump.

A razão para a mudança é ligada a alterações no sistema de nomeação do candidato. O crescimento da relevância das primárias e o esvaziamento da convenção partidária diminuíram a pressão pela barganha em busca do equilíbrio da chapa, segundo a autora.

O ideal é encontrar um vice que seja capaz de equilibrar a chapa e seja um bom parceiro. Desde 1992, segundo Kamarck, o segundo quesito tem se sobreposto ao primeiro.

"Biden, melhor do que ninguém, sabe o quanto é importante ter alguém com quem ele possa trabalhar e seja um aliado leal. Ele era essa pessoa para Obama e foi um trunfo em negociações com o Congresso e aconselhamento sobre política externa. Biden entende o papel importante que o vice pode desempenhar", afirma Christopher Devine, professor de ciências políticas da Universidade de Dayton. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Lista de candidatas a vice de Biden se divide entre moderadas e progressistas


02/08/2020 | 07:17


Se os estrategistas democratas quiserem sinalizar a união das diferentes alas do partido e garantir o voto de eleitores de esquerda, que se identificavam mais com o senador Bernie Sanders, Joe Biden pode escolher a senadora Elizabeth Warren, que também concorreu nas prévias. O aceno, no entanto, pode afastar eleitores independentes e de centro, com a perspectiva de que o futuro governo pode estar disposto a aderir a políticas mais radicais.

Da ala esquerda, a extensa lista de cotadas inclui estrelas em ascensão, como a governadora de Michigan, Gretchen Whitmer, a prefeita de Atlanta, Keisha Bottoms, e a deputada da Flórida, Val Demings.

Entre as cogitadas constam também Stacey Abrams, que perdeu por pouco a eleição para o governo da Geórgia, em 2018, as senadoras Tammy Baldwin e Tammy Duckworth, Michelle Lujan Grisham, a primeira governadora latina dos EUA, do Novo México, e a ex-governadora do Arizona Janet Napolitano.

Nomes do Meio-Oeste, como da governadora de Michigan, ganham força por serem ligados a Estados do Cinturão da Ferrugem, que trocaram Barack Obama por Donald Trump, em 2016.

A ideia de equilibrar a chapa com a escolha do vice - seja por razões geográficas ou ideológicas - fez parte da história americana. No livro Picking the Vice-President ("Escolhendo o vice-presidente", em tradução livre), Elaine Kamarck argumenta que a lógica durou até 1992, quando Bill Clinton mudou a forma de escolha e selecionou Al Gore com base na compatibilidade e parceria.

O novo modelo, segundo ela, foi repetido por George W. Bush, Obama e Trump.

A razão para a mudança é ligada a alterações no sistema de nomeação do candidato. O crescimento da relevância das primárias e o esvaziamento da convenção partidária diminuíram a pressão pela barganha em busca do equilíbrio da chapa, segundo a autora.

O ideal é encontrar um vice que seja capaz de equilibrar a chapa e seja um bom parceiro. Desde 1992, segundo Kamarck, o segundo quesito tem se sobreposto ao primeiro.

"Biden, melhor do que ninguém, sabe o quanto é importante ter alguém com quem ele possa trabalhar e seja um aliado leal. Ele era essa pessoa para Obama e foi um trunfo em negociações com o Congresso e aconselhamento sobre política externa. Biden entende o papel importante que o vice pode desempenhar", afirma Christopher Devine, professor de ciências políticas da Universidade de Dayton. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;