Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 4 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

diarinho@dgabc.com.br | 4435-8396

Mudanças de hábitos e horários para dormir na pandemia têm impactado vida das crianças


Luís Felipe Soares

01/08/2020 | 23:59


As mudanças de hábitos causadas pela pandemia da Covid-19 desde o primeiro semestre têm impactado o sono das crianças. Análises mundiais mostram que a falta de rotina fixa e diferentes horários para dormir acabam por refletir em perturbações no descanso nesses jovens.

Entre as mudanças ocorridas desde março, destaque para o fato de que os mais novos estão especialmente sendo mais afetados no descanso, indo para a cama mais tarde do que de costume e dormindo por mais tempo para compensar. 

Segundo dados de pesquisa internacional, 70% das crianças com menos de 16 anos estão com problemas em manter horários para descanso de noite, sendo que é alto o potencial de que a complicação piore com o tempo, até mesmo após o fim da quarentena contra o novo coronavírus. A ansiedade é apontada por especialistas como um dos fatores dessa desorganização do sono.

A Sociedade Brasileira de Pediatria afirma que a quantidade adequada de sono é aquela que faz a criança ou adolescente acordar sem dificuldades, não apresentando sonolência excessiva durante o dia. Não é recomendado dormir menos de sete horas ou mais de 12 horas. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mudanças de hábitos e horários para dormir na pandemia têm impactado vida das crianças

Luís Felipe Soares

01/08/2020 | 23:59


As mudanças de hábitos causadas pela pandemia da Covid-19 desde o primeiro semestre têm impactado o sono das crianças. Análises mundiais mostram que a falta de rotina fixa e diferentes horários para dormir acabam por refletir em perturbações no descanso nesses jovens.

Entre as mudanças ocorridas desde março, destaque para o fato de que os mais novos estão especialmente sendo mais afetados no descanso, indo para a cama mais tarde do que de costume e dormindo por mais tempo para compensar. 

Segundo dados de pesquisa internacional, 70% das crianças com menos de 16 anos estão com problemas em manter horários para descanso de noite, sendo que é alto o potencial de que a complicação piore com o tempo, até mesmo após o fim da quarentena contra o novo coronavírus. A ansiedade é apontada por especialistas como um dos fatores dessa desorganização do sono.

A Sociedade Brasileira de Pediatria afirma que a quantidade adequada de sono é aquela que faz a criança ou adolescente acordar sem dificuldades, não apresentando sonolência excessiva durante o dia. Não é recomendado dormir menos de sete horas ou mais de 12 horas. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;