Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 26 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Banespa pára de financiar imóvel


Luciana Sereno
Do Diário do Grande ABC

05/09/2001 | 00:08


Os bancos Banespa e Santander anunciaram terça a suspensão temporária das operações de crédito imobiliário para a classe média, seguindo a decisão da Caixa Econômica Federal que, desde a última sexta-feira, 31, deixou de aprovar financiamentos para mutuários com renda superior a R$ 2 mil e que utilizam operações de crédito imobiliário com recursos próprios.

Segundo a assessoria de imprensa dos bancos, a suspensão é geral e independe da renda familiar, o objetivo é readequar a capacidade de atendimento dos financiamentos, uma vez que a demanda aumentou muito. Os financiamentos com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) – mais utilizados pelos mutuários de baixa renda – continuarão em operação. Os bancos não têm previsão de quando os financiamentos serão retomados. No entanto, fontes ligadas ao setor informam que todos os pedidos de financiamento aprovados ou que entraram em análise até a última sexta-feira serão atendidos.

Durante o período de suspensão, o Banespa/Santander irá revisar todas as linhas de financiamento habitacional. Para especialistas do mercado imobiliário, após o período de análise e revisão das linhas de crédito as taxas de financiamento deverão sofrer elevação. Itaú, Nossa Caixa e Bradesco continuam operando normalmente as linhas de crédito do Sistema Financeiro da Habitação.

Novas regras – Quinta, o governo deve anunciar as novas regras do Sistema Financeiro Imobiliário voltadas aos mutuários que solicitarem financiamento após a decisão dos bancos. Entretanto, antecipa que os contratos assinados entre os bancos privados e os mutuários continuarão valendo.

O sistema de aprovação de crédito para a habitação deverá ficar mais rigoroso porque os bancos concederão o crédito somente aos mutuários que comprovem capacidade para pagamento. As pessoas que oferecerem risco de inadimplência terão o pedido de financiamento negado. Quem negocia financiamento imobiliário, no momento, ainda pode se enquadrar à regra de 12% ao ano mais TR, da CEF. Já os mutuários em negociação com os bancos privados devem fechar o contrato antes que as normas fiquem mais rígidas.

Proposta – O presidente da Caixa, Emílio Carazzai, sugeriu nesta terça a utilização de parte dos recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) para o financiamento imobiliário. Segundo ele, a instituição tem recorrido a verbas do Tesouro Nacional para poder financiar mais imóveis. Esta proposta, para o presidente da Social Democracia Sindical (SDS), Enílson Simões de Moura, não tem lógica. “Dinheiro para financiamentos imobiliários existe. O problema é a má aplicação dos recursos.” Segundo Moura, não se pode permitir que a Caixa faça com o FAT o mesmo que fez com o FGTS.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;