Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 26 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

PM faz treinamento intensivo para uso de armas em situação real

Celso Luiz/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Com novas pistolas, efetivo passará por adaptação extra nesse ano


Bia Moço
Do Diário do Grande ABC

23/07/2020 | 00:01


A PM (Polícia Militar) do Grande ABC está passando por adaptação intensiva durante esta semana para pôr em uso as pistolas da marca austríaca Glock, que foram recebidas em todo o Estado e substituirão as armas de fogo da marca Taurus, usadas até então pela corporação. No entanto, quem vê os agentes atuando nas ruas não imagina como é a preparação feita para que ele possam, de fato, estar em campo.

A equipe do Diário acompanhou um dia de treinamento dos policiais militares, em estande localizado no Jardim Santo André, no município andreense. O espaço, que conta com cerca de 1.300 metros quadrados, divididos em dois ambientes – um de treinamento de tiros e outro que simula cenário de atuação –, recebe policiais para estágio de atualização profissional ao longo de todo o ano. Como o Grande ABC conta atualmente com cerca de 3.200 agentes no efetivo, as escalas reúnem em torno de 25 policiais por dia de treino, que chega a levar até 15 horas.

Comandante do CPAM/6 (Comando de Policiamento de Área Metropolitana 6) – que responde pelo Grande ABC –, o coronel Renato Nery Machado explicou que, no mínimo, uma vez por ano o policial militar sai da atividade operacional para treinamento. “Em alguns casos podemos até mesmo agendar estes intensivos intermediários ao longo do ano, tanto técnico, como de legislação, tiro e rigidez física”, sintetizou o comandante.

Durante o treinamento de técnica de tiro, o policial passa por diversas etapas, que vão desde o disparo simples até os mais elaborados. Na sequência, em ambiente que simula uma cena de crime, a dupla que trabalha junta nas ruas é submetida a atuar em situação que procura estimular a mesma adrenalina sentida em ocorrência, utilizando sons de fundo, imagens de alvos, vítimas, obstáculos e até mesmo a pressão dos instrutores. “Forçamos o policial a tomar uma decisão rápida e precisa durante a estimulação de uma situação que pode ser real”, explicou o coronel, destacando que o objetivo é sempre cessar a agressão do oponente, utilizando o método Giraldi, que utiliza o tiro defensivo na preservação da vida.

O comandante explicou que a arma de fogo é, normalmente, o último recurso que deve ser utilizado pelo agente policial, mas para que estejam preparados para enfrentar a criminalidade, a preparação busca ser severa. Desta vez, a adaptação com as pistolas Glocks tem objetivo de o policial se familiarizar com a nova arma, que é vista por eles como um marco para a segurança pública do Estado.

“Destaco dois aspectos importantes, sendo o primeiro deles a segurança do policial militar, tendo em vista a tecnologia da Glock. Além disso, ofertar o melhor serviço possível para a comunidade”, comemorou o comandante Nery, reforçando que insiste “muito em treinamento” para o sucesso da corporação, sobretudo em usar o poder dado a eles pelo Estado “da melhor forma e mais correta possível”, afirmou o chefe do CPA/M. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

PM faz treinamento intensivo para uso de armas em situação real

Com novas pistolas, efetivo passará por adaptação extra nesse ano

Bia Moço
Do Diário do Grande ABC

23/07/2020 | 00:01


A PM (Polícia Militar) do Grande ABC está passando por adaptação intensiva durante esta semana para pôr em uso as pistolas da marca austríaca Glock, que foram recebidas em todo o Estado e substituirão as armas de fogo da marca Taurus, usadas até então pela corporação. No entanto, quem vê os agentes atuando nas ruas não imagina como é a preparação feita para que ele possam, de fato, estar em campo.

A equipe do Diário acompanhou um dia de treinamento dos policiais militares, em estande localizado no Jardim Santo André, no município andreense. O espaço, que conta com cerca de 1.300 metros quadrados, divididos em dois ambientes – um de treinamento de tiros e outro que simula cenário de atuação –, recebe policiais para estágio de atualização profissional ao longo de todo o ano. Como o Grande ABC conta atualmente com cerca de 3.200 agentes no efetivo, as escalas reúnem em torno de 25 policiais por dia de treino, que chega a levar até 15 horas.

Comandante do CPAM/6 (Comando de Policiamento de Área Metropolitana 6) – que responde pelo Grande ABC –, o coronel Renato Nery Machado explicou que, no mínimo, uma vez por ano o policial militar sai da atividade operacional para treinamento. “Em alguns casos podemos até mesmo agendar estes intensivos intermediários ao longo do ano, tanto técnico, como de legislação, tiro e rigidez física”, sintetizou o comandante.

Durante o treinamento de técnica de tiro, o policial passa por diversas etapas, que vão desde o disparo simples até os mais elaborados. Na sequência, em ambiente que simula uma cena de crime, a dupla que trabalha junta nas ruas é submetida a atuar em situação que procura estimular a mesma adrenalina sentida em ocorrência, utilizando sons de fundo, imagens de alvos, vítimas, obstáculos e até mesmo a pressão dos instrutores. “Forçamos o policial a tomar uma decisão rápida e precisa durante a estimulação de uma situação que pode ser real”, explicou o coronel, destacando que o objetivo é sempre cessar a agressão do oponente, utilizando o método Giraldi, que utiliza o tiro defensivo na preservação da vida.

O comandante explicou que a arma de fogo é, normalmente, o último recurso que deve ser utilizado pelo agente policial, mas para que estejam preparados para enfrentar a criminalidade, a preparação busca ser severa. Desta vez, a adaptação com as pistolas Glocks tem objetivo de o policial se familiarizar com a nova arma, que é vista por eles como um marco para a segurança pública do Estado.

“Destaco dois aspectos importantes, sendo o primeiro deles a segurança do policial militar, tendo em vista a tecnologia da Glock. Além disso, ofertar o melhor serviço possível para a comunidade”, comemorou o comandante Nery, reforçando que insiste “muito em treinamento” para o sucesso da corporação, sobretudo em usar o poder dado a eles pelo Estado “da melhor forma e mais correta possível”, afirmou o chefe do CPA/M. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;