Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 6 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

PAC ainda gera grandes expectativas no setor empresarial


Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

15/04/2007 | 07:08


Passados pouco mais de 100 dias do segundo mandato do governo de Luiz Inácio Lula da Silva, sua principal bandeira – o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) – avançou pouco, mas ainda gera grandes expectativas no setor empresarial da região.

Não é para menos. O pacote de medidas toca em questões importantes: investimentos em infra-estrutura que remontam R$ 504 bilhões até 2010 para eliminar gargalos e aumentar a produtividade das empresas, o estímulo ao crédito e ao financiamento, medidas para melhorar o ambiente de investimentos e para a desoneração tributária e medidas fiscais de longo prazo.

"É inegável que toda iniciativa do governo federal que tem a possibilidade de alavancar o crescimento é bem vinda”, afirmou o empresário e vice-presidente do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), Fausto Cestari.

O programa agradou especialmente ao setor da construção civil, que é contemplado com diversas medidas de estímulo, entre elas a concessão de crédito da União à Caixa Econômica Federal para aplicação em saneamento e habitação (R$ 5,2 bilhões).

"Aguardamos de braços abertos. A expectativa é das melhores”, afirmou o presidente da Acigabc (Associação das Construtoras, Imobiliárias e Administradoras do Grande ABC), Milton Bigucci. Para ele, é normal que haja alguma morosidade no início, já que vários pontos do PAC dependem de aprovação no Congresso.

Além da construção civil, diversos outros setores da economia devem se beneficiar. Segundo o presidente da Anfavea (Associação dos Fabricantes de Veículos Automotores), Rogelio Golfarb, o PAC é “uma ferramenta de competitividade”, por enfrentar gargalos logísticos – na região Sudeste estão previstos R$ 6,1 bilhões em investimentos em transportes, o que inclui o trecho Sul do Rodoanel e melhorias no Porto de Santos, por exemplo.

CRÍTICAS - As expectativas são boas, mas também há muitas críticas. Para o diretor adjunto do Ciesp de Santo André, Shotoku Yamamoto, pode haver dificuldade na captação de recursos. Dos R$ 504 bilhões previstos, mais de R$ 200 bilhões viriam do setor privado. “Como a taxa real de juros é muito alta, os setores preferem comprar títulos públicos”, disse.

Já Cestari avalia que faltam marcos regulatórios mais claros, que encorajem empresas a aportar capital em projetos com retorno após 20 anos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

PAC ainda gera grandes expectativas no setor empresarial

Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

15/04/2007 | 07:08


Passados pouco mais de 100 dias do segundo mandato do governo de Luiz Inácio Lula da Silva, sua principal bandeira – o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) – avançou pouco, mas ainda gera grandes expectativas no setor empresarial da região.

Não é para menos. O pacote de medidas toca em questões importantes: investimentos em infra-estrutura que remontam R$ 504 bilhões até 2010 para eliminar gargalos e aumentar a produtividade das empresas, o estímulo ao crédito e ao financiamento, medidas para melhorar o ambiente de investimentos e para a desoneração tributária e medidas fiscais de longo prazo.

"É inegável que toda iniciativa do governo federal que tem a possibilidade de alavancar o crescimento é bem vinda”, afirmou o empresário e vice-presidente do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), Fausto Cestari.

O programa agradou especialmente ao setor da construção civil, que é contemplado com diversas medidas de estímulo, entre elas a concessão de crédito da União à Caixa Econômica Federal para aplicação em saneamento e habitação (R$ 5,2 bilhões).

"Aguardamos de braços abertos. A expectativa é das melhores”, afirmou o presidente da Acigabc (Associação das Construtoras, Imobiliárias e Administradoras do Grande ABC), Milton Bigucci. Para ele, é normal que haja alguma morosidade no início, já que vários pontos do PAC dependem de aprovação no Congresso.

Além da construção civil, diversos outros setores da economia devem se beneficiar. Segundo o presidente da Anfavea (Associação dos Fabricantes de Veículos Automotores), Rogelio Golfarb, o PAC é “uma ferramenta de competitividade”, por enfrentar gargalos logísticos – na região Sudeste estão previstos R$ 6,1 bilhões em investimentos em transportes, o que inclui o trecho Sul do Rodoanel e melhorias no Porto de Santos, por exemplo.

CRÍTICAS - As expectativas são boas, mas também há muitas críticas. Para o diretor adjunto do Ciesp de Santo André, Shotoku Yamamoto, pode haver dificuldade na captação de recursos. Dos R$ 504 bilhões previstos, mais de R$ 200 bilhões viriam do setor privado. “Como a taxa real de juros é muito alta, os setores preferem comprar títulos públicos”, disse.

Já Cestari avalia que faltam marcos regulatórios mais claros, que encorajem empresas a aportar capital em projetos com retorno após 20 anos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;