Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 5 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Julinho Fuzari se irrita com base governista

Banco de dados Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Após ver proposta barrada, vereador aliado de Morando esbraveja com colegas: ‘Molecagem’


Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

15/07/2020 | 22:07


Recém-alçado à condição de aliado do governo Orlando Morando (PSDB), o vereador Julinho Fuzari (DEM) teve seu primeiro grande desentendimento público com a base de sustentação durante sessão extraordinária de ontem.

Ao ver uma de suas duas bandeiras ser barrada pelo líder de governo, vereador Pery Cartola (PSDB), Julinho ficou visivelmente alterado e passou a gritar com os colegas na Câmara, utilizando palavrões. “Eu não sou moleque. Eu não sou menino. Isso é uma molecagem do c...”, esbravejou o democrata, antes de se retirar do plenário, transtornado. Neste momento, com os vereadores confusos, o presidente da Câmara, Juarez Tudo Azul (PSDB), chegou a pedir mais atenção dos colegas na hora de votar as propostas.

Segundo vereadores da base, um dos projetos, do Executivo, seria apreciado ontem e dava o nome de Antônio Fuzari Filho – pai de Julinho Fuzari – a uma praça no bairro Demarchi. O outro texto denominava José Guilherme de Almeida uma viela e seu prolongamento no Jardim Jerusalém e também entrou em debate – era outra sugestão de Julinho. Mas Pery alegou aos aliados que não havia parecer favorável para votação.

Sem acordo, Julinho pediu para adiar, por três sessões, a análise das duas propostas. Não antes de praguejar contra os novos aliados. “Tem que adiar essa p... agora”, gritou.

Absorvido pela ala governista recentemente, Julinho é acusado pelos situacionstas de ter tratamento diferenciado por parte de Morando. Alguns vereadores relataram que o democrata tem tratado diretamente com o prefeito sobre seus projetos, sem consultá-los.

Parlamentares ouvidos pelo Diário disseram que se sentiram ofendidos pelas palavras e pela reação de Julinho, que, depois do episódio, não retornou ao plenário. Entretanto, ninguém se manifestou sobre acionar o setor jurídico da casa sobre eventual quebra de decoro parlamentar. Alex Mognon (PSDB), por exemplo, na tribuna, disse que é preciso que os vereadores respeitem as ações de seus colegas e que evitem reações intempestivas.

Ao Diário, Julinho alegou que não achou correta a atitude de Pery, que teria retirado a propositura da pauta sem ao menos dar explicações. “Estamos realizando sessões extraordinárias, para votar projetos importantes para a cidade. Se não for para votar, então não precisa ter sessão. Foi nesse sentido que usei o termo molecagem. Pois parece que estamos fazendo papel de moleques durante as sessões.”

Pery disse que a sessão ocorreu normalmente com os parlamentares aprovando projetos importantes. “Só deixamos alguns outros projetos para que o presidente da casa possa chamar a próxima sessão.”

Juarez avaliou que seria melhor se informar sobre o que aconteceu antes de se posicionar sobre o caso. 


Pery balança na liderança de governo

Horas depois do episódio em que o vereador governista Julinho Fuzari (DEM) se irritou com colegas da bancada de apoio ao prefeito Orlando Morando (PSDB) na Câmara, ganhou força a possibilidade de mudança na liderança do governo no Legislativo.

O Diário apurou que, ao saber do ocorrido, Morando deu razão a Julinho em vez do atual responsável pelos assuntos governistas na casa, o vereador Pery Cartola (PSDB). Tudo porque a votação dos dois projetos – homenagens sugeridas por Julinho – havia sido acordada em reunião de bancada ocorrida no início da semana.

Na hora da votação, entretanto, Pery argumentou que uma das propostas não havia recebido crivo das comissões e que necessitaria esperar pelo parecer, que viria somente na outra semana. Julinho não escondeu a irritação e, ainda no plenário, xingou os colegas.

Nos corredores do Paço e da Câmara, a informação que ganhou corpo foi sobre a saída de Pery da função e que Morando já estaria sondando alguns vereadores para ocupar o posto. Pery foi presidente da Câmara no primeiro biênio da atual legislatura (2017-2018). Depois, alçado à condição de líder do governo.

Sua atuação sempre foi alvo de questionamento por parte dos demais vereadores da sustentação. Algumas vezes houve sugestão de troca, mas nunca nenhum vereador se propôs a assumir a responsabilidade. Morando também sempre afastou essa discussão. Após entrevero com Julinho, porém, o assunto ganhou força.  (Colaborou Raphael Rocha)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Julinho Fuzari se irrita com base governista

Após ver proposta barrada, vereador aliado de Morando esbraveja com colegas: ‘Molecagem’

Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

15/07/2020 | 22:07


Recém-alçado à condição de aliado do governo Orlando Morando (PSDB), o vereador Julinho Fuzari (DEM) teve seu primeiro grande desentendimento público com a base de sustentação durante sessão extraordinária de ontem.

Ao ver uma de suas duas bandeiras ser barrada pelo líder de governo, vereador Pery Cartola (PSDB), Julinho ficou visivelmente alterado e passou a gritar com os colegas na Câmara, utilizando palavrões. “Eu não sou moleque. Eu não sou menino. Isso é uma molecagem do c...”, esbravejou o democrata, antes de se retirar do plenário, transtornado. Neste momento, com os vereadores confusos, o presidente da Câmara, Juarez Tudo Azul (PSDB), chegou a pedir mais atenção dos colegas na hora de votar as propostas.

Segundo vereadores da base, um dos projetos, do Executivo, seria apreciado ontem e dava o nome de Antônio Fuzari Filho – pai de Julinho Fuzari – a uma praça no bairro Demarchi. O outro texto denominava José Guilherme de Almeida uma viela e seu prolongamento no Jardim Jerusalém e também entrou em debate – era outra sugestão de Julinho. Mas Pery alegou aos aliados que não havia parecer favorável para votação.

Sem acordo, Julinho pediu para adiar, por três sessões, a análise das duas propostas. Não antes de praguejar contra os novos aliados. “Tem que adiar essa p... agora”, gritou.

Absorvido pela ala governista recentemente, Julinho é acusado pelos situacionstas de ter tratamento diferenciado por parte de Morando. Alguns vereadores relataram que o democrata tem tratado diretamente com o prefeito sobre seus projetos, sem consultá-los.

Parlamentares ouvidos pelo Diário disseram que se sentiram ofendidos pelas palavras e pela reação de Julinho, que, depois do episódio, não retornou ao plenário. Entretanto, ninguém se manifestou sobre acionar o setor jurídico da casa sobre eventual quebra de decoro parlamentar. Alex Mognon (PSDB), por exemplo, na tribuna, disse que é preciso que os vereadores respeitem as ações de seus colegas e que evitem reações intempestivas.

Ao Diário, Julinho alegou que não achou correta a atitude de Pery, que teria retirado a propositura da pauta sem ao menos dar explicações. “Estamos realizando sessões extraordinárias, para votar projetos importantes para a cidade. Se não for para votar, então não precisa ter sessão. Foi nesse sentido que usei o termo molecagem. Pois parece que estamos fazendo papel de moleques durante as sessões.”

Pery disse que a sessão ocorreu normalmente com os parlamentares aprovando projetos importantes. “Só deixamos alguns outros projetos para que o presidente da casa possa chamar a próxima sessão.”

Juarez avaliou que seria melhor se informar sobre o que aconteceu antes de se posicionar sobre o caso. 


Pery balança na liderança de governo

Horas depois do episódio em que o vereador governista Julinho Fuzari (DEM) se irritou com colegas da bancada de apoio ao prefeito Orlando Morando (PSDB) na Câmara, ganhou força a possibilidade de mudança na liderança do governo no Legislativo.

O Diário apurou que, ao saber do ocorrido, Morando deu razão a Julinho em vez do atual responsável pelos assuntos governistas na casa, o vereador Pery Cartola (PSDB). Tudo porque a votação dos dois projetos – homenagens sugeridas por Julinho – havia sido acordada em reunião de bancada ocorrida no início da semana.

Na hora da votação, entretanto, Pery argumentou que uma das propostas não havia recebido crivo das comissões e que necessitaria esperar pelo parecer, que viria somente na outra semana. Julinho não escondeu a irritação e, ainda no plenário, xingou os colegas.

Nos corredores do Paço e da Câmara, a informação que ganhou corpo foi sobre a saída de Pery da função e que Morando já estaria sondando alguns vereadores para ocupar o posto. Pery foi presidente da Câmara no primeiro biênio da atual legislatura (2017-2018). Depois, alçado à condição de líder do governo.

Sua atuação sempre foi alvo de questionamento por parte dos demais vereadores da sustentação. Algumas vezes houve sugestão de troca, mas nunca nenhum vereador se propôs a assumir a responsabilidade. Morando também sempre afastou essa discussão. Após entrevero com Julinho, porém, o assunto ganhou força.  (Colaborou Raphael Rocha)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;