Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 5 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

CGU permitiu revogar R$ 2 bi em licitações na saúde, diz ministro em audiência



14/07/2020 | 12:44


O ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, afirmou nesta terça-feira, 14, que o órgão permitiu a revogação de cerca de R$ 2 bilhões em licitações do Ministério da Saúde, avaliadas como frágeis. Rosário destacou em audiência com deputados e senadores que a análise de irregularidades em contratos da pasta foi a prioridade inicial da CGU após o início da pandemia da covid-19 no Brasil.

A compra com dispensa de licitação temporária para ações de enfrentamento do novo coronavírus está autorizada por lei, sancionada no início de fevereiro e alterada por medida provisória editada em março. "Fizemos um trabalho prévio de análise de risco das contratações que permitiu analisar R$ 6,4 bilhões em contratações diretas com o Ministério da Saúde", explicou. "Isso permitiu a revogação de quase R$ 2 bilhões em licitação através de identificação de fragilidades na licitação que poderiam trazer problemas futuros para o governo federal."

O ministro participou nesta terça-feira de debate sobre a transparência na execução orçamentária do governo durante a pandemia. Ele prestou esclarecimentos sobre a atuação da CGU para a comissão mista do Congresso que acompanha as ações de combate do governo à pandemia da covid-19.

Auxílio Emergencial

Além da análise de licitações, Rosário informou que a CGU também atua na análise e cruzamento de dados envolvidos na distribuição dos recursos destinados ao programa do auxílio emergencial. "As fraudes já acontecem no Brasil mesmo sem situação de emergência", acrescentou.

Em maio, o Broadcast/Estadão mostrou que a CGU identificou mais de 160 mil possíveis fraudes no recebimento do auxílio emergencial de R$ 600 destinado a trabalhadores informais. De acordo com o ministro, a CGU também está acompanhando de perto a liberação das parcelas do socorro fiscal de R$ 60, 1 bilhões concedidos a Estados e municípios.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

CGU permitiu revogar R$ 2 bi em licitações na saúde, diz ministro em audiência


14/07/2020 | 12:44


O ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, afirmou nesta terça-feira, 14, que o órgão permitiu a revogação de cerca de R$ 2 bilhões em licitações do Ministério da Saúde, avaliadas como frágeis. Rosário destacou em audiência com deputados e senadores que a análise de irregularidades em contratos da pasta foi a prioridade inicial da CGU após o início da pandemia da covid-19 no Brasil.

A compra com dispensa de licitação temporária para ações de enfrentamento do novo coronavírus está autorizada por lei, sancionada no início de fevereiro e alterada por medida provisória editada em março. "Fizemos um trabalho prévio de análise de risco das contratações que permitiu analisar R$ 6,4 bilhões em contratações diretas com o Ministério da Saúde", explicou. "Isso permitiu a revogação de quase R$ 2 bilhões em licitação através de identificação de fragilidades na licitação que poderiam trazer problemas futuros para o governo federal."

O ministro participou nesta terça-feira de debate sobre a transparência na execução orçamentária do governo durante a pandemia. Ele prestou esclarecimentos sobre a atuação da CGU para a comissão mista do Congresso que acompanha as ações de combate do governo à pandemia da covid-19.

Auxílio Emergencial

Além da análise de licitações, Rosário informou que a CGU também atua na análise e cruzamento de dados envolvidos na distribuição dos recursos destinados ao programa do auxílio emergencial. "As fraudes já acontecem no Brasil mesmo sem situação de emergência", acrescentou.

Em maio, o Broadcast/Estadão mostrou que a CGU identificou mais de 160 mil possíveis fraudes no recebimento do auxílio emergencial de R$ 600 destinado a trabalhadores informais. De acordo com o ministro, a CGU também está acompanhando de perto a liberação das parcelas do socorro fiscal de R$ 60, 1 bilhões concedidos a Estados e municípios.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;