Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 5 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

China acusa EUA de 'distorcer fatos' sobre tratamento de minorias muçulmanas

Reprodução/Instagram Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


14/07/2020 | 12:17


O Ministério do Comércio da China disse que o alerta do Departamento de Estado dos Estados Unidos para "abusos de direitos humanos" em Xinjiang, no noroeste do país asiático, "distorce os fatos". Segundo um porta-voz da pasta, as medidas tomadas por Pequim contra minorias muçulmanas que vivem na região funcionam como ações de "antiterrorismo" e "antisseparatismo".

O representante do governo chinês acrescentou que os EUA "interferem nos assuntos internos" chineses e "oprimem" empresas do país. "A prática errada dos EUA interfere na cooperação normal entre empresas chinesas e americanas, prejudica a estabilidade da cadeia de suprimentos global, afeta a recuperação da economia mundial e prejudica os interesses comuns de todas as partes", destacou.

Em meio à deterioração das relações entre as duas maiores economias do planeta, Washington vêm aumentando a pressão por conta da situação em Xinjiang.

Na semana passada, o Departamento de Estado informou, em nota, que emitiu um alerta para todas empresas dependentes de cadeias produtivas que envolvam a região. O Partido Comunista Chinês é acusado de reprimir pelo menos três grupos islâmicos, com denúncias que incluem trabalhos forçados em campos de concentração.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

China acusa EUA de 'distorcer fatos' sobre tratamento de minorias muçulmanas


14/07/2020 | 12:17


O Ministério do Comércio da China disse que o alerta do Departamento de Estado dos Estados Unidos para "abusos de direitos humanos" em Xinjiang, no noroeste do país asiático, "distorce os fatos". Segundo um porta-voz da pasta, as medidas tomadas por Pequim contra minorias muçulmanas que vivem na região funcionam como ações de "antiterrorismo" e "antisseparatismo".

O representante do governo chinês acrescentou que os EUA "interferem nos assuntos internos" chineses e "oprimem" empresas do país. "A prática errada dos EUA interfere na cooperação normal entre empresas chinesas e americanas, prejudica a estabilidade da cadeia de suprimentos global, afeta a recuperação da economia mundial e prejudica os interesses comuns de todas as partes", destacou.

Em meio à deterioração das relações entre as duas maiores economias do planeta, Washington vêm aumentando a pressão por conta da situação em Xinjiang.

Na semana passada, o Departamento de Estado informou, em nota, que emitiu um alerta para todas empresas dependentes de cadeias produtivas que envolvam a região. O Partido Comunista Chinês é acusado de reprimir pelo menos três grupos islâmicos, com denúncias que incluem trabalhos forçados em campos de concentração.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;