Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 12 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Índia diz que tropas do país e chinesas sairão de local de impasse na fronteira



11/07/2020 | 13:14


O ministro de Relações Exteriores da Índia, Subrahmanyam Jaishankar, disse neste sábado que tropas indianas e chinesas estão se retirando de ponto ao longo da fronteira não-demarcada dos países onde ocorria há meses um impasse. Confronto no mês passado entre soldados indianos e chineses deixou pelo menos 20 mortos.

Os comentários de Jaishankar vieram um dia após o embaixador da China na Índia afirmar que as tropas da linha de frente da Índia e da China se retirariam após um acordo alcançado por seus comandantes militares. "É um trabalho em andamento", disse Jaishankar, acrescentando que ambos os lados

concordaram com a necessidade de retirada porque as tropas estão posicionadas muito próximas. O embaixador chinês na Índia, Sun Weidong, disse na sexta-feira que os dois países deveriam ser parceiros em vez de rivais e lidar com suas diferenças corretamente para trazer seus laços de volta para o caminho certo.

Autoridades indianas afirmam que um impasse entre os dois Exércitos começou no início de maio, quando grandes contingentes de soldados chineses entraram em território controlado pela Índia em três locais da região de Ladakh. A situação piorou quando as tropas rivais entraram em combate no vale de Galwan, onde a Índia está construindo uma estrada estratégica conectando a região a uma pista de pouso próxima à China. A Índia diz que 20 de seus soldados foram mortos no confronto de 15 de junho e que houve baixas no lado chinês também. A China não confirmou nenhuma vítima do seu lado.

Por meio de videoconferência na sexta-feira, altos funcionários do Ministério das Relações Exteriores dos dois países analisaram os progressos alcançados no processo de desengajamento dos dois Exércitos na fronteira disputada, que cobre 3,5 mil quilômetros de Ladakh, no norte, até o Estado indiano de Sikkim, no

nordeste. Os dois países tentam resolver a disputa desde o início

década de 1990, sem sucesso. Fonte: Associated Press.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Índia diz que tropas do país e chinesas sairão de local de impasse na fronteira


11/07/2020 | 13:14


O ministro de Relações Exteriores da Índia, Subrahmanyam Jaishankar, disse neste sábado que tropas indianas e chinesas estão se retirando de ponto ao longo da fronteira não-demarcada dos países onde ocorria há meses um impasse. Confronto no mês passado entre soldados indianos e chineses deixou pelo menos 20 mortos.

Os comentários de Jaishankar vieram um dia após o embaixador da China na Índia afirmar que as tropas da linha de frente da Índia e da China se retirariam após um acordo alcançado por seus comandantes militares. "É um trabalho em andamento", disse Jaishankar, acrescentando que ambos os lados

concordaram com a necessidade de retirada porque as tropas estão posicionadas muito próximas. O embaixador chinês na Índia, Sun Weidong, disse na sexta-feira que os dois países deveriam ser parceiros em vez de rivais e lidar com suas diferenças corretamente para trazer seus laços de volta para o caminho certo.

Autoridades indianas afirmam que um impasse entre os dois Exércitos começou no início de maio, quando grandes contingentes de soldados chineses entraram em território controlado pela Índia em três locais da região de Ladakh. A situação piorou quando as tropas rivais entraram em combate no vale de Galwan, onde a Índia está construindo uma estrada estratégica conectando a região a uma pista de pouso próxima à China. A Índia diz que 20 de seus soldados foram mortos no confronto de 15 de junho e que houve baixas no lado chinês também. A China não confirmou nenhuma vítima do seu lado.

Por meio de videoconferência na sexta-feira, altos funcionários do Ministério das Relações Exteriores dos dois países analisaram os progressos alcançados no processo de desengajamento dos dois Exércitos na fronteira disputada, que cobre 3,5 mil quilômetros de Ladakh, no norte, até o Estado indiano de Sikkim, no

nordeste. Os dois países tentam resolver a disputa desde o início

década de 1990, sem sucesso. Fonte: Associated Press.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;