Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 5 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Operação tenta prender supostos milicianos na zona oeste do Rio

Reprodução/Instagram Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


09/07/2020 | 18:29


A Polícia Civil e o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ) promoveram, na manhã desta quinta-feira, 9, uma operação para tentar prender 16 pessoas acusadas de integrar uma milícia que atua em bairros da zona oeste do Rio. Até o início da tarde, cinco haviam sido localizadas e detidas, entre elas um cabo da Polícia Militar que atua no programa Centro Presente, responsável pelo policiamento do centro da capital, e segundo a investigação, seria o vice-líder da quadrilha. Também são cumpridos 51 mandados de busca e apreensão.

As investigações começaram a partir da morte de Marcus Vinícius Calixto, assassinado em 2018, em Vargem Grande (zona oeste). Escutas telefônicas realizadas com autorização judicial durante a investigação revelaram que ele foi morto por contrariar interesses de um grupo de milicianos que atua no bairro e cujo líder, segundo o MP-RJ, é o capitão da PM Leonardo Magalhães Gomes da Silva, conhecido entre os comparsas por capitão Leo. Os investigadores identificaram também a participação do cabo Fernando Mendes Alves, conhecido como Biro, que seria responsável por garantir a proteção dos demais integrantes da milícia. Ele foi preso.

"A principal diferença dessa organização criminosa é que, além de cometerem os crimes tradicionais de milícia, como extorsões, ameaças e homicídios, eles também praticam o crime de tráfico de entorpecentes", afirmou o delegado Antônio Ricardo Nunes, que participou da operação, chamada Porto Firme.

O grupo é acusado por crimes como tráfico de drogas e de armas de fogo, extorsões, homicídios, agiotagem e corrupção ativa, e atua na região de Vargem Grande e Vargem Pequena. Os mandados foram expedidos pela 1ª Vara Criminal Especializada da capital, a pedido do MP-RJ.

O Estadão procurou representantes dos policiais militares acusados de integrar essa milícia, para que se manifestassem sobre a acusação, mas não localizou ninguém até a publicação desta reportagem.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Operação tenta prender supostos milicianos na zona oeste do Rio


09/07/2020 | 18:29


A Polícia Civil e o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ) promoveram, na manhã desta quinta-feira, 9, uma operação para tentar prender 16 pessoas acusadas de integrar uma milícia que atua em bairros da zona oeste do Rio. Até o início da tarde, cinco haviam sido localizadas e detidas, entre elas um cabo da Polícia Militar que atua no programa Centro Presente, responsável pelo policiamento do centro da capital, e segundo a investigação, seria o vice-líder da quadrilha. Também são cumpridos 51 mandados de busca e apreensão.

As investigações começaram a partir da morte de Marcus Vinícius Calixto, assassinado em 2018, em Vargem Grande (zona oeste). Escutas telefônicas realizadas com autorização judicial durante a investigação revelaram que ele foi morto por contrariar interesses de um grupo de milicianos que atua no bairro e cujo líder, segundo o MP-RJ, é o capitão da PM Leonardo Magalhães Gomes da Silva, conhecido entre os comparsas por capitão Leo. Os investigadores identificaram também a participação do cabo Fernando Mendes Alves, conhecido como Biro, que seria responsável por garantir a proteção dos demais integrantes da milícia. Ele foi preso.

"A principal diferença dessa organização criminosa é que, além de cometerem os crimes tradicionais de milícia, como extorsões, ameaças e homicídios, eles também praticam o crime de tráfico de entorpecentes", afirmou o delegado Antônio Ricardo Nunes, que participou da operação, chamada Porto Firme.

O grupo é acusado por crimes como tráfico de drogas e de armas de fogo, extorsões, homicídios, agiotagem e corrupção ativa, e atua na região de Vargem Grande e Vargem Pequena. Os mandados foram expedidos pela 1ª Vara Criminal Especializada da capital, a pedido do MP-RJ.

O Estadão procurou representantes dos policiais militares acusados de integrar essa milícia, para que se manifestassem sobre a acusação, mas não localizou ninguém até a publicação desta reportagem.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;