Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 12 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Facebook derruba páginas ligadas à família Bolsonaro

Plataforma identificou que um dos operadores é assessor do deputado Coronel Nishikawa


Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

09/07/2020 | 00:01


Após derrubar páginas que disseminavam fake news ligadas à família Bolsonaro, o Facebook identificou dois supostos operadores ligados a políticos do PSL na região.

Um deles seria um dos assessores do deputado estadual Coronel Nishikawa (PSL), que tem domicílio eleitoral em São Bernardo, e o outro é Paulo Eduardo Lopes, o Paulo Chuchu, um dos assessores do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido). Chuchu chegou a ser presidente do PSL municipal, mas está no PRTB e deve ser candidato a vereador neste ano.

Ao todo foram removidas 35 contas do Facebook, 14 páginas e um grupo. Além disso, 38 perfis do Instagram também foram suspensos. Segundo a rede social, as páginas criavam pessoas fictícias que se passavam por jornalistas e que publicavam conteúdo vinculados a páginas que simulavam ser veículos de notícias.

“Parte do conteúdo postado por essa rede já havia sido retirada por violações dos padrões de comunidade, incluindo discurso de ódio”, diz a nota emitida pelo Facebook. A empresa ainda sustentou que a rede mantinha vários grupos com atividades conectadas que usavam combinação de contas duplicadas e falsas.

Paulo Chuchu confirmou que suas contas no Facebook, Instagram e Twitter estavam suspensas, mas não soube explicar por qual motivo. “Enviei e-mail para as plataformas pedindo explicações do que teria acontecido. Assim que receber posicionamento, me posicionarei”, alegou.

Já o deputado Coronel Nishikawa afirmou que conversou com seus assessores para que saíssem ou apagassem qualquer tipo de página que disseminasse “conteúdo radical”. Uma ex-assessora, Camila Abdo, pediu exoneração há mais ou menos seis meses exatamente por manter página com conteúdo polêmico. “A Camila viu que os conteúdos poderiam me prejudicar e eu pedi para que ela retirasse a página do ar. Como ela manteve as páginas, decidiu, por conta própria, pedir exoneração. Agora o John Bennetti (assessor cujo nome completo é Jonathan Willian Bennetti), eu desconheço que tenha página com conteúdo radical. Estou apurando”, disse. Camila chegou a fazer parte de inquérito da PF (Polícia Federal) que investigava conteúdo com ameaças ao STF (Supremo Tribunal Federal) e à democracia. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Facebook derruba páginas ligadas à família Bolsonaro

Plataforma identificou que um dos operadores é assessor do deputado Coronel Nishikawa

Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

09/07/2020 | 00:01


Após derrubar páginas que disseminavam fake news ligadas à família Bolsonaro, o Facebook identificou dois supostos operadores ligados a políticos do PSL na região.

Um deles seria um dos assessores do deputado estadual Coronel Nishikawa (PSL), que tem domicílio eleitoral em São Bernardo, e o outro é Paulo Eduardo Lopes, o Paulo Chuchu, um dos assessores do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido). Chuchu chegou a ser presidente do PSL municipal, mas está no PRTB e deve ser candidato a vereador neste ano.

Ao todo foram removidas 35 contas do Facebook, 14 páginas e um grupo. Além disso, 38 perfis do Instagram também foram suspensos. Segundo a rede social, as páginas criavam pessoas fictícias que se passavam por jornalistas e que publicavam conteúdo vinculados a páginas que simulavam ser veículos de notícias.

“Parte do conteúdo postado por essa rede já havia sido retirada por violações dos padrões de comunidade, incluindo discurso de ódio”, diz a nota emitida pelo Facebook. A empresa ainda sustentou que a rede mantinha vários grupos com atividades conectadas que usavam combinação de contas duplicadas e falsas.

Paulo Chuchu confirmou que suas contas no Facebook, Instagram e Twitter estavam suspensas, mas não soube explicar por qual motivo. “Enviei e-mail para as plataformas pedindo explicações do que teria acontecido. Assim que receber posicionamento, me posicionarei”, alegou.

Já o deputado Coronel Nishikawa afirmou que conversou com seus assessores para que saíssem ou apagassem qualquer tipo de página que disseminasse “conteúdo radical”. Uma ex-assessora, Camila Abdo, pediu exoneração há mais ou menos seis meses exatamente por manter página com conteúdo polêmico. “A Camila viu que os conteúdos poderiam me prejudicar e eu pedi para que ela retirasse a página do ar. Como ela manteve as páginas, decidiu, por conta própria, pedir exoneração. Agora o John Bennetti (assessor cujo nome completo é Jonathan Willian Bennetti), eu desconheço que tenha página com conteúdo radical. Estou apurando”, disse. Camila chegou a fazer parte de inquérito da PF (Polícia Federal) que investigava conteúdo com ameaças ao STF (Supremo Tribunal Federal) e à democracia. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;