Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 5 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Após um mês em casa, pelo menos 120 funcionários da Bridgestone são demitidos

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Trabalhadores teriam estabilidade porque haviam aderido à suspensão de contrato


Tauana Marin
do Diário do Grande ABC

08/07/2020 | 00:12


Pelo menos 120 trabalhadores da Bridgestone, em Santo André, foram demitidos entre segunda-feira e ontem. A estimativa é de ex-colaboradores, que acabam de voltar dos 30 dias de suspensão de contrato de trabalho, alternativa oferecida pela MP (Medida Provisória) 936 como forma de garantir empregos. Até o início de abril, eram 3.200 funcionários.

“Ao aceitar a suspensão de contrato em assembleia no início de junho foi acordado que teríamos estabilidade até setembro. E quando a gente volta, a empresa simplesmente nos manda embora. Mesmo pagando os salários até setembro, ela agiu de forma errada e desonesta com a gente”, afirma um dos ex-funcionários.

De acordo com Márcio Ferreira, presidente do Sindicato dos Borracheiros da Grande São Paulo, a entidade não foi informada pela empresa sobre os deligamentos. “Eles agiram de má-fé. Iremos nos reunir ainda nesta semana para conversamos com a companhia.”

Ele adianta que a empresa parou de fabricar os aros 13 e 14 para veículos. “O nível de produção caiu, reflexo da retração nas vendas no segmento de tratores e caminhões, diante da pandemia. A situação está se estreitando e foi por isso que a empresa optou por colocá-los em casa (suspensão de contrato). Desde maio, a fábrica passou a trabalhar com quadro reduzido de colaboradores.”

Segundo outro profissional que foi demitido, trabalhadores com problemas de saúde também estão na lista de demitidos, inclusive ele. “A situação do nosso setor já não é das melhores. Trabalho na Bridgestone há 16 anos e não sei como vou me recolocar, ainda mais com os problemas que tenho nos ombros. Muita gente nessa situação está sendo dispensada. Não tenho perspectiva.” As homologações foram marcadas para o fim deste mês.

Por meio de nota, a empresa informou que “não comenta processos de contratações ou demissões. A companhia reforça seu compromisso com o cumprimento integral da legislação vigente, bem como a continuidade de seu esforço para manter a sustentabilidade de suas operações no desafiador cenário econômico atual.” 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Após um mês em casa, pelo menos 120 funcionários da Bridgestone são demitidos

Trabalhadores teriam estabilidade porque haviam aderido à suspensão de contrato

Tauana Marin
do Diário do Grande ABC

08/07/2020 | 00:12


Pelo menos 120 trabalhadores da Bridgestone, em Santo André, foram demitidos entre segunda-feira e ontem. A estimativa é de ex-colaboradores, que acabam de voltar dos 30 dias de suspensão de contrato de trabalho, alternativa oferecida pela MP (Medida Provisória) 936 como forma de garantir empregos. Até o início de abril, eram 3.200 funcionários.

“Ao aceitar a suspensão de contrato em assembleia no início de junho foi acordado que teríamos estabilidade até setembro. E quando a gente volta, a empresa simplesmente nos manda embora. Mesmo pagando os salários até setembro, ela agiu de forma errada e desonesta com a gente”, afirma um dos ex-funcionários.

De acordo com Márcio Ferreira, presidente do Sindicato dos Borracheiros da Grande São Paulo, a entidade não foi informada pela empresa sobre os deligamentos. “Eles agiram de má-fé. Iremos nos reunir ainda nesta semana para conversamos com a companhia.”

Ele adianta que a empresa parou de fabricar os aros 13 e 14 para veículos. “O nível de produção caiu, reflexo da retração nas vendas no segmento de tratores e caminhões, diante da pandemia. A situação está se estreitando e foi por isso que a empresa optou por colocá-los em casa (suspensão de contrato). Desde maio, a fábrica passou a trabalhar com quadro reduzido de colaboradores.”

Segundo outro profissional que foi demitido, trabalhadores com problemas de saúde também estão na lista de demitidos, inclusive ele. “A situação do nosso setor já não é das melhores. Trabalho na Bridgestone há 16 anos e não sei como vou me recolocar, ainda mais com os problemas que tenho nos ombros. Muita gente nessa situação está sendo dispensada. Não tenho perspectiva.” As homologações foram marcadas para o fim deste mês.

Por meio de nota, a empresa informou que “não comenta processos de contratações ou demissões. A companhia reforça seu compromisso com o cumprimento integral da legislação vigente, bem como a continuidade de seu esforço para manter a sustentabilidade de suas operações no desafiador cenário econômico atual.” 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;