Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 4 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Trump coloca o Cristo Redentor na campanha

Fotos Públicas Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

E foi pelas mãos do próprio presidente Donald Trump, que prometeu defendê-la dos "vândalos" que vêm decapitando os heróis da história americana



07/07/2020 | 07:07


A estátua do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, entrou na campanha eleitoral dos EUA. E foi pelas mãos do próprio presidente Donald Trump, que prometeu defendê-la dos "vândalos" que vêm decapitando os heróis da história americana.

Durante os protestos contra a morte de George Floyd, os manifestantes incluíram no roteiro da insatisfação ataques a estátuas de figuras históricas apontadas como racistas. Nesse meio tempo, monumentos de generais confederados da Guerra Civil dos EUA e até de Cristóvão Colombo sofreram atos de vandalismo.

Pressionado pelas pesquisas, que apontam o democrata Joe Biden na liderança da corrida presidencial, Trump resolveu reagir. Há algumas semanas, ele vem atacando os "vândalos" que querem "apagar a história dos EUA". Mas, na sexta-feira, sua campanha cruzou fronteiras e divulgou banners em redes sociais com a promessa de proteger o Cristo Redentor.

Na postagem patrocinada, a imagem do monumento era acompanhada pela frase: "Nós vamos proteger isso". O texto que vinha com uma foto do cartão postal carioca pedia ainda que eleitores de Trump assinassem uma lista contra a "extrema esquerda", que estaria por trás da destruição das estátuas pelo mundo, segundo o presidente.

De acordo com o jornal The Daily Beast, os anúncios da campanha de Trump foram postados nas páginas do presidente e também de seu vice, Mike Pence, no Facebook e no Instagram. "O presidente quer saber quem está ao lado dele contra a esquerda radical", diz a mensagem. Segundo o jornal, a foto parece ter sido retirada de algum banco de imagens gratuitas disponível na internet.

Segundo a imprensa americana, no entanto, ninguém sabe como o presidente poderia proteger o Cristo Redentor. "Ao contrário das estátuas que Trump e sua equipe prometeram proteger, o Cristo Redentor não está nos EUA", afirmou o Daily Beast. "Não está claro por que o presidente acredita que ele pode proteger um monumento em um país estrangeiro", escreveu o Business Insider.

Em um discurso recente, o presidente alertou que manifestantes radicais nos EUA estariam planejado atacar estátuas de Jesus - e prometeu impedir que isso acontecesse. No entanto, na ocasião, a menção ao Cristo parecia mais uma entre tantas hipérboles usadas por Trump.

No dia 23, na sua cruzada contra os destruidores de estátuas, Trump assinou uma ordem que autoriza a prisão por até 10 anos de qualquer um que "vandalize ou destrua" monumentos ou estátuas em terrenos que pertençam ao governo americano.

No feriado do Dia da Independência, no sábado, o presidente anunciou a criação de um "jardim nacional" de estátuas de heróis americanos, que incluiria esculturas de personagens importantes da história dos EUA, como os ex-presidentes George Washington, Thomas Jefferson e Abraham Lincoln, mas também de figuras conservadoras, como o juiz Antonin Scalia.

Além de proteger estátuas, Trump resolveu defender também a bandeira dos Confederados - escravagistas do Sul dos EUA que declararam guerra aos unionistas do Norte, no século 19. Ontem, ele postou uma série de tuítes criticando Bubba Wallace, único piloto negro da Nascar, categoria mais popular do automobilismo americano, que baniu a bandeira confederada de suas corridas.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Trump coloca o Cristo Redentor na campanha

E foi pelas mãos do próprio presidente Donald Trump, que prometeu defendê-la dos "vândalos" que vêm decapitando os heróis da história americana


07/07/2020 | 07:07


A estátua do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, entrou na campanha eleitoral dos EUA. E foi pelas mãos do próprio presidente Donald Trump, que prometeu defendê-la dos "vândalos" que vêm decapitando os heróis da história americana.

Durante os protestos contra a morte de George Floyd, os manifestantes incluíram no roteiro da insatisfação ataques a estátuas de figuras históricas apontadas como racistas. Nesse meio tempo, monumentos de generais confederados da Guerra Civil dos EUA e até de Cristóvão Colombo sofreram atos de vandalismo.

Pressionado pelas pesquisas, que apontam o democrata Joe Biden na liderança da corrida presidencial, Trump resolveu reagir. Há algumas semanas, ele vem atacando os "vândalos" que querem "apagar a história dos EUA". Mas, na sexta-feira, sua campanha cruzou fronteiras e divulgou banners em redes sociais com a promessa de proteger o Cristo Redentor.

Na postagem patrocinada, a imagem do monumento era acompanhada pela frase: "Nós vamos proteger isso". O texto que vinha com uma foto do cartão postal carioca pedia ainda que eleitores de Trump assinassem uma lista contra a "extrema esquerda", que estaria por trás da destruição das estátuas pelo mundo, segundo o presidente.

De acordo com o jornal The Daily Beast, os anúncios da campanha de Trump foram postados nas páginas do presidente e também de seu vice, Mike Pence, no Facebook e no Instagram. "O presidente quer saber quem está ao lado dele contra a esquerda radical", diz a mensagem. Segundo o jornal, a foto parece ter sido retirada de algum banco de imagens gratuitas disponível na internet.

Segundo a imprensa americana, no entanto, ninguém sabe como o presidente poderia proteger o Cristo Redentor. "Ao contrário das estátuas que Trump e sua equipe prometeram proteger, o Cristo Redentor não está nos EUA", afirmou o Daily Beast. "Não está claro por que o presidente acredita que ele pode proteger um monumento em um país estrangeiro", escreveu o Business Insider.

Em um discurso recente, o presidente alertou que manifestantes radicais nos EUA estariam planejado atacar estátuas de Jesus - e prometeu impedir que isso acontecesse. No entanto, na ocasião, a menção ao Cristo parecia mais uma entre tantas hipérboles usadas por Trump.

No dia 23, na sua cruzada contra os destruidores de estátuas, Trump assinou uma ordem que autoriza a prisão por até 10 anos de qualquer um que "vandalize ou destrua" monumentos ou estátuas em terrenos que pertençam ao governo americano.

No feriado do Dia da Independência, no sábado, o presidente anunciou a criação de um "jardim nacional" de estátuas de heróis americanos, que incluiria esculturas de personagens importantes da história dos EUA, como os ex-presidentes George Washington, Thomas Jefferson e Abraham Lincoln, mas também de figuras conservadoras, como o juiz Antonin Scalia.

Além de proteger estátuas, Trump resolveu defender também a bandeira dos Confederados - escravagistas do Sul dos EUA que declararam guerra aos unionistas do Norte, no século 19. Ontem, ele postou uma série de tuítes criticando Bubba Wallace, único piloto negro da Nascar, categoria mais popular do automobilismo americano, que baniu a bandeira confederada de suas corridas.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;