Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 12 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Presidente da Aciscs minimiza suspeitas no cartão corporativo

Banco de dados Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Moacir Passador diz ‘não estar preocupado’ com denúncia de usar dinheiro para bancar cruzeiro


Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

02/07/2020 | 00:01


Alvo de suspeitas de uso irregular do cartão corporativo da Aciscs (Associação Comercial e Industrial de São Caetano), o presidente da entidade, Moacir Passador Júnior, declarou não estar preocupado com a situação, indicando não haver irregularidade no caso.

O Diário mostrou ontem que Marcelo Beja, vice-presidente de administração e finanças da entidade, encaminhou mensagens aos associados apontando gastos pessoais de Passador custeados com dinheiro da instituição.

Passador, que preside a associação desde fevereiro de 2019, em sucessão ao advogado Walter Estevam Junior (Republicanos), relatou que pediu ao conselho fiscal, composto por três contadores, relatório completo das despesas com esse cartão de crédito corporativo. O documento deve ficar pronto até o fim da semana. “Posso adiantar, porém, que preocupado eu não estou em nada com isso”, sintetizou o dirigente.

Na avaliação de Beja, consta uso do cartão na Padaria Cepam (no dia 18 de dezembro, no valor de R$ 760,32), em loja de material de construção (no dia 19 de fevereiro, no valor de R$ 177,17) e com o cruzeiro marítimo da MSC (no dia 4 de março, dez parcelas de R$ 472).

Beja alertou, em mensagem aos associados, que todas as despesas da Aciscs precisam ter assinatura do presidente e do vice de finanças. Mas que esses gastos, em débito na conta-corrente da entidade, “passaram por cima do procedimento padrão”. Beja classificou o expediente utilizado por Passador como “atalho”.

O assunto foi pauta de reunião ontem à noite na Aciscs. Associados cobraram explicações de Passador sobre os apontamentos feitos por Marcelo Beja. Houve também sugestão de alguns para que fosse apreciada a deposição de Passador. Nenhuma definição foi tirada, porém. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Presidente da Aciscs minimiza suspeitas no cartão corporativo

Moacir Passador diz ‘não estar preocupado’ com denúncia de usar dinheiro para bancar cruzeiro

Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

02/07/2020 | 00:01


Alvo de suspeitas de uso irregular do cartão corporativo da Aciscs (Associação Comercial e Industrial de São Caetano), o presidente da entidade, Moacir Passador Júnior, declarou não estar preocupado com a situação, indicando não haver irregularidade no caso.

O Diário mostrou ontem que Marcelo Beja, vice-presidente de administração e finanças da entidade, encaminhou mensagens aos associados apontando gastos pessoais de Passador custeados com dinheiro da instituição.

Passador, que preside a associação desde fevereiro de 2019, em sucessão ao advogado Walter Estevam Junior (Republicanos), relatou que pediu ao conselho fiscal, composto por três contadores, relatório completo das despesas com esse cartão de crédito corporativo. O documento deve ficar pronto até o fim da semana. “Posso adiantar, porém, que preocupado eu não estou em nada com isso”, sintetizou o dirigente.

Na avaliação de Beja, consta uso do cartão na Padaria Cepam (no dia 18 de dezembro, no valor de R$ 760,32), em loja de material de construção (no dia 19 de fevereiro, no valor de R$ 177,17) e com o cruzeiro marítimo da MSC (no dia 4 de março, dez parcelas de R$ 472).

Beja alertou, em mensagem aos associados, que todas as despesas da Aciscs precisam ter assinatura do presidente e do vice de finanças. Mas que esses gastos, em débito na conta-corrente da entidade, “passaram por cima do procedimento padrão”. Beja classificou o expediente utilizado por Passador como “atalho”.

O assunto foi pauta de reunião ontem à noite na Aciscs. Associados cobraram explicações de Passador sobre os apontamentos feitos por Marcelo Beja. Houve também sugestão de alguns para que fosse apreciada a deposição de Passador. Nenhuma definição foi tirada, porém. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;