Fechar
Publicidade

Domingo, 12 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Boris Johnson anuncia plano de 5 bilhões de libras para incentivar economia

Fotos Públicas Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


30/06/2020 | 15:46


O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirmou hoje que vai apresentar um plano de investimento de 5 bilhões de libras esterlinas (US$ 6,15 bilhões) com o objetivo de impulsionar a economia. Ele chamou o plano de "New Deal", um eco deliberado do programa de estímulo do ex-presidente dos EUA, Franklin D. Roosevelt, da década de 1930.

"Parece um New Deal", disse Johnson, "é assim que deve soar e ser, porque é isso que os tempos exigem", afirmou. "Estou consciente de como tudo isso parece uma quantidade prodigiosa de intervenção do governo", disse. Em um aceno aos eleitores conservadores tradicionais, ele acrescentou: "Eu não sou comunista. Também acredito que é função do governo criar as condições para o livre mercado". (Fonte: Dow Jones Newswires)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Boris Johnson anuncia plano de 5 bilhões de libras para incentivar economia


30/06/2020 | 15:46


O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirmou hoje que vai apresentar um plano de investimento de 5 bilhões de libras esterlinas (US$ 6,15 bilhões) com o objetivo de impulsionar a economia. Ele chamou o plano de "New Deal", um eco deliberado do programa de estímulo do ex-presidente dos EUA, Franklin D. Roosevelt, da década de 1930.

"Parece um New Deal", disse Johnson, "é assim que deve soar e ser, porque é isso que os tempos exigem", afirmou. "Estou consciente de como tudo isso parece uma quantidade prodigiosa de intervenção do governo", disse. Em um aceno aos eleitores conservadores tradicionais, ele acrescentou: "Eu não sou comunista. Também acredito que é função do governo criar as condições para o livre mercado". (Fonte: Dow Jones Newswires)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;