Fechar
Publicidade

Sábado, 11 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Relator recua de propor remuneração de conteúdo no projeto das fake news



30/06/2020 | 15:00


O relator do projeto das fake news no Senado, Angelo Coronel (PSD-BA), desistiu da proposta de remuneração de conteúdo na internet. Inédita no País, medida obrigaria plataformas de internet a remunerar produtores de conteúdo, como empresas de comunicação, por aquilo que é publicado em redes como Facebook e Twitter.

Na semana passada, o relator chegou a incluir a remuneração em seu parecer, conforme o jornal O Estado de S. Paulo e o Broadcast Político (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) anteciparam.

Na versão mais recente do parecer, apresentada na noite de segunda-feira, 29, porém, ele recuou da proposta e prometeu discutir a medida em outro projeto de lei.

Esse tipo de pagamento é adotado em outros países, mas é um tema controverso entre a indústria criativa e as plataformas digitais. O texto previa remuneração por uso de conteúdos jornalísticos e artísticos nas redes sociais, sem um detalhamento, o que exigiria uma regulamentação para colocar em prática o pagamento das publicações.

No ano passado, o Parlamento europeu aprovou uma lei semelhante, obrigando as plataformas a pagar os produtores de conteúdo e instalar filtros para bloquear material protegido por direitos autorais.

No caso da França, a autoridade de defesa da concorrência no país decidiu, em abril deste ano, que o Google precisa pagar pela reutilização de seus conteúdos a companhias editoriais e agências de notícias.

A Associação Nacional de Jornais (ANJ) emitiu uma nota argumentando que a remuneração é recomendável diante do papel do jornalismo profissional para combater a desinformação.

Confira abaixo a nota na íntegra:

"A melhor forma de combater a desinformação é o reconhecimento do valor do jornalismo profissional. É a imprensa que faz de sua atividade central a verificação e checagem das informações, convertendo-se em anteparo à disseminação de mentiras e falsidades pelas redes sociais. As empresas jornalísticas em todo o mundo, Brasil inclusive, tiveram seu modelo econômico profundamente abalado pelos gigantes digitais, que também se valem da desinformação para obter mais audiência e assim vender mais publicidade. Assim, como já definido na França, Austrália e outros países, é justo e recomendável que as grandes plataformas remunerem adequadamente os veículos de comunicação pelo uso que fazem de seus conteúdos jornalísticos."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Relator recua de propor remuneração de conteúdo no projeto das fake news


30/06/2020 | 15:00


O relator do projeto das fake news no Senado, Angelo Coronel (PSD-BA), desistiu da proposta de remuneração de conteúdo na internet. Inédita no País, medida obrigaria plataformas de internet a remunerar produtores de conteúdo, como empresas de comunicação, por aquilo que é publicado em redes como Facebook e Twitter.

Na semana passada, o relator chegou a incluir a remuneração em seu parecer, conforme o jornal O Estado de S. Paulo e o Broadcast Político (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) anteciparam.

Na versão mais recente do parecer, apresentada na noite de segunda-feira, 29, porém, ele recuou da proposta e prometeu discutir a medida em outro projeto de lei.

Esse tipo de pagamento é adotado em outros países, mas é um tema controverso entre a indústria criativa e as plataformas digitais. O texto previa remuneração por uso de conteúdos jornalísticos e artísticos nas redes sociais, sem um detalhamento, o que exigiria uma regulamentação para colocar em prática o pagamento das publicações.

No ano passado, o Parlamento europeu aprovou uma lei semelhante, obrigando as plataformas a pagar os produtores de conteúdo e instalar filtros para bloquear material protegido por direitos autorais.

No caso da França, a autoridade de defesa da concorrência no país decidiu, em abril deste ano, que o Google precisa pagar pela reutilização de seus conteúdos a companhias editoriais e agências de notícias.

A Associação Nacional de Jornais (ANJ) emitiu uma nota argumentando que a remuneração é recomendável diante do papel do jornalismo profissional para combater a desinformação.

Confira abaixo a nota na íntegra:

"A melhor forma de combater a desinformação é o reconhecimento do valor do jornalismo profissional. É a imprensa que faz de sua atividade central a verificação e checagem das informações, convertendo-se em anteparo à disseminação de mentiras e falsidades pelas redes sociais. As empresas jornalísticas em todo o mundo, Brasil inclusive, tiveram seu modelo econômico profundamente abalado pelos gigantes digitais, que também se valem da desinformação para obter mais audiência e assim vender mais publicidade. Assim, como já definido na França, Austrália e outros países, é justo e recomendável que as grandes plataformas remunerem adequadamente os veículos de comunicação pelo uso que fazem de seus conteúdos jornalísticos."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;