Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 14 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar sobe com cautela sobre China e EUA



30/06/2020 | 09:44


O dólar sobe com investidores atentos à cautela no exterior, após o parlamento chinês aprovar uma lei de segurança nacional para Hong Kong. A nova lei passa a valer a partir de amanhã e agrava as já tensas relações com os EUA. Por isso, ficam em segundo plano os dados de atividade industrial e de serviços na China melhores que o esperado em junho. Analistas avaliam como negativa também a notícia de que as exportações de carnes de quatro frigoríficos brasileiros para a China foram suspensas.

A taxa de desocupação no Brasil de 12,9% no trimestre encerrado em maio, divulgada mais cedo, veio pouco abaixo da mediana do mercado (13,0%) e dentro do intervalo das expectativas dos analistas (entre 12,3% e 14,8%). O dado fica em segundo plano no câmbio. Em igual período de 2019, a taxa de desemprego medida pela Pnad Contínua estava em 12,3%. No trimestre até abril de 2020, a taxa de desocupação estava em 12,6%.

Já disputa técnica em torno da definição da última Ptax de junho, do segundo trimestre e do primeiro semestre pode trazer pressão adicional até o início da tarde. A tendência é que os investidores vendidos em contratos cambiais (apostaram na baixa) pressionem o dólar à vista para baixo perto das horas cheias até às 13h.

Às 9h20 desta terça-feira, o dólar no mercado à vista subia 0,41%, a R$ 5,4480. O dólar para agosto, contrato mais negociado no mercado futuro a partir de hoje, avançava 0,81%, a R$ 5,4495.

Mais cedo, o Índice de Confiança de Serviços (ICS) subiu 11,2 pontos na passagem de maio para junho, na série com ajuste sazonal, alcançando 71,7 pontos, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). Apesar da melhora de 20,6 pontos nos últimos dois meses, o índice recuperou apenas 48% das perdas sofridas em março e abril.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar sobe com cautela sobre China e EUA


30/06/2020 | 09:44


O dólar sobe com investidores atentos à cautela no exterior, após o parlamento chinês aprovar uma lei de segurança nacional para Hong Kong. A nova lei passa a valer a partir de amanhã e agrava as já tensas relações com os EUA. Por isso, ficam em segundo plano os dados de atividade industrial e de serviços na China melhores que o esperado em junho. Analistas avaliam como negativa também a notícia de que as exportações de carnes de quatro frigoríficos brasileiros para a China foram suspensas.

A taxa de desocupação no Brasil de 12,9% no trimestre encerrado em maio, divulgada mais cedo, veio pouco abaixo da mediana do mercado (13,0%) e dentro do intervalo das expectativas dos analistas (entre 12,3% e 14,8%). O dado fica em segundo plano no câmbio. Em igual período de 2019, a taxa de desemprego medida pela Pnad Contínua estava em 12,3%. No trimestre até abril de 2020, a taxa de desocupação estava em 12,6%.

Já disputa técnica em torno da definição da última Ptax de junho, do segundo trimestre e do primeiro semestre pode trazer pressão adicional até o início da tarde. A tendência é que os investidores vendidos em contratos cambiais (apostaram na baixa) pressionem o dólar à vista para baixo perto das horas cheias até às 13h.

Às 9h20 desta terça-feira, o dólar no mercado à vista subia 0,41%, a R$ 5,4480. O dólar para agosto, contrato mais negociado no mercado futuro a partir de hoje, avançava 0,81%, a R$ 5,4495.

Mais cedo, o Índice de Confiança de Serviços (ICS) subiu 11,2 pontos na passagem de maio para junho, na série com ajuste sazonal, alcançando 71,7 pontos, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). Apesar da melhora de 20,6 pontos nos últimos dois meses, o índice recuperou apenas 48% das perdas sofridas em março e abril.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;