Fechar
Publicidade

Sábado, 11 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Colégio vira palco de ato para criticar gestão federal na crise da Covid

André Henriques/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

29/06/2020 | 23:16


Protesto realizado em frente à EE Américo Brasiliense, no Centro de Santo André, criticou a gestão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na condução sanitária durante a crise do novo coronavírus. Cruzes foram colocadas no jardim do colégio para lembrar as 1.109 mortes por Covid-19 no Grande ABC.

O ato foi conduzido pelo MBL (Movimento Brasil Livre), que ganhou corpo durante o impeachment de Dilma Rousseff (PT). Os integrantes do grupo pregaram mais de 200 cruzes em frente à escola, além de faixas com críticas ao governo federal.

Conforme uma das lideranças do MBL no Grande ABC e pré-candidato a vereador em Santo André pelo PSDB, Márcio Colombo, a manifestação segue as ações realizadas pelo MBL em todo o Brasil e que tiveram início na semana passada. “O objetivo é chamar a atenção da classe política, principalmente daqueles que minimizam a pandemia e não tratam com seriedade que a situação merece ser tratada. Incentivar prefeitos e governadores que estão tomando medidas enérgicas (nos casos de isolamento físico), para que eles continuem nesse combate”, afirmou Colombo.

O líder do grupo sustentou que os prefeitos do Grande ABC, em especial os chefes do Executivo de Santo André, Paulo Serra (PSDB), de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), e de São Caetano, José Auricchio Júnior (PSDB), têm conduzido a situação da pandemia da Covid-19 de maneira favorável. “Embora Santo André tenha um grande número de infectados, e a região já ter batido 1.000 mortos, poderia ter sido muito pior se os prefeitos não tivessem adotado medidas para combater a doença”, disse.

A região, além das 1.109 mortes pelo vírus, contabiliza 21.349 casos confirmados de Covid-19. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Colégio vira palco de ato para criticar gestão federal na crise da Covid

Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

29/06/2020 | 23:16


Protesto realizado em frente à EE Américo Brasiliense, no Centro de Santo André, criticou a gestão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na condução sanitária durante a crise do novo coronavírus. Cruzes foram colocadas no jardim do colégio para lembrar as 1.109 mortes por Covid-19 no Grande ABC.

O ato foi conduzido pelo MBL (Movimento Brasil Livre), que ganhou corpo durante o impeachment de Dilma Rousseff (PT). Os integrantes do grupo pregaram mais de 200 cruzes em frente à escola, além de faixas com críticas ao governo federal.

Conforme uma das lideranças do MBL no Grande ABC e pré-candidato a vereador em Santo André pelo PSDB, Márcio Colombo, a manifestação segue as ações realizadas pelo MBL em todo o Brasil e que tiveram início na semana passada. “O objetivo é chamar a atenção da classe política, principalmente daqueles que minimizam a pandemia e não tratam com seriedade que a situação merece ser tratada. Incentivar prefeitos e governadores que estão tomando medidas enérgicas (nos casos de isolamento físico), para que eles continuem nesse combate”, afirmou Colombo.

O líder do grupo sustentou que os prefeitos do Grande ABC, em especial os chefes do Executivo de Santo André, Paulo Serra (PSDB), de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), e de São Caetano, José Auricchio Júnior (PSDB), têm conduzido a situação da pandemia da Covid-19 de maneira favorável. “Embora Santo André tenha um grande número de infectados, e a região já ter batido 1.000 mortos, poderia ter sido muito pior se os prefeitos não tivessem adotado medidas para combater a doença”, disse.

A região, além das 1.109 mortes pelo vírus, contabiliza 21.349 casos confirmados de Covid-19. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;