Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 24 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar sobe com exterior, mas perde força com PIB dos EUA no radar

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


25/06/2020 | 09:55


O dólar volta a subir ante o real em linha com o exterior nesta quinta-feira, 25. Investidores monitoram o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) e o IPCA-15 de junho um pouco acima da mediana do mercado.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) ficou próximo da estabilidade, com alta de 0,02% em junho, após ter recuado 0,59% em maio, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A mediana do mercado era negativa de 0,05%.

"O RTI não trouxe novidades em relação à Ata do Copom e o Comunicado da última reunião, visto que as projeções de inflação não diferiram desses documentos, enquanto a projeção do PIB para o ano atual (-6,4%) ficou bem semelhante à do Focus mais recente", avaliam operadores. A tendência é que as taxas futuras continuem para cima até a coletiva sobre o RTI, que será dada pelo presidente do BC, Roberto Campos Neto, e leilão do Tesouro, ambos às 11h.

No câmbio, a moeda americana já devolveu parte dos ganhos iniciais com os investidores precificando a aprovação do marco do saneamento pelo Senado, que pode atrair investimentos privados e de players estrangeiros no setor, e os leilões de linha com recompra até US$ 1,5 bilhão nesta manhã, disse um operador de câmbio.

No radar externo está a terceira e última prévia do PIB dos Estados Unidos do primeiro trimestre (9h30), cuja expectativa dos analistas financeiros é de contração de 5%. O euro ampliou sua desvalorização ante o dólar e as bolsas europeias perderam força após a divulgação da última ata de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), em que a instituição avalia como "altamente incertas" a velocidade e escala da recuperação econômica da zona do euro após o choque do coronavírus.

Antes disso, o Banco Central Europeu (BCE) anunciou a criação de um instrumento de acordo de recompra (repo) para fornecer liquidez em euros a BCs fora da zona do euro em meio à crise do coronavírus, o que ajudou na recuperação das bolsas europeias e pressionou o euro para baixo também.

Às 9h24, o dólar no mercado à vista subia 0,61%, a R$ 5,3566. O dólar futuro para julho avançava 0,21%, a R$ 5,360.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar sobe com exterior, mas perde força com PIB dos EUA no radar


25/06/2020 | 09:55


O dólar volta a subir ante o real em linha com o exterior nesta quinta-feira, 25. Investidores monitoram o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) e o IPCA-15 de junho um pouco acima da mediana do mercado.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) ficou próximo da estabilidade, com alta de 0,02% em junho, após ter recuado 0,59% em maio, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A mediana do mercado era negativa de 0,05%.

"O RTI não trouxe novidades em relação à Ata do Copom e o Comunicado da última reunião, visto que as projeções de inflação não diferiram desses documentos, enquanto a projeção do PIB para o ano atual (-6,4%) ficou bem semelhante à do Focus mais recente", avaliam operadores. A tendência é que as taxas futuras continuem para cima até a coletiva sobre o RTI, que será dada pelo presidente do BC, Roberto Campos Neto, e leilão do Tesouro, ambos às 11h.

No câmbio, a moeda americana já devolveu parte dos ganhos iniciais com os investidores precificando a aprovação do marco do saneamento pelo Senado, que pode atrair investimentos privados e de players estrangeiros no setor, e os leilões de linha com recompra até US$ 1,5 bilhão nesta manhã, disse um operador de câmbio.

No radar externo está a terceira e última prévia do PIB dos Estados Unidos do primeiro trimestre (9h30), cuja expectativa dos analistas financeiros é de contração de 5%. O euro ampliou sua desvalorização ante o dólar e as bolsas europeias perderam força após a divulgação da última ata de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), em que a instituição avalia como "altamente incertas" a velocidade e escala da recuperação econômica da zona do euro após o choque do coronavírus.

Antes disso, o Banco Central Europeu (BCE) anunciou a criação de um instrumento de acordo de recompra (repo) para fornecer liquidez em euros a BCs fora da zona do euro em meio à crise do coronavírus, o que ajudou na recuperação das bolsas europeias e pressionou o euro para baixo também.

Às 9h24, o dólar no mercado à vista subia 0,61%, a R$ 5,3566. O dólar futuro para julho avançava 0,21%, a R$ 5,360.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;