Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 21 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Kátia Abreu: Desenvolvimento não pode ser a qualquer preço, a qualquer custo

Reprodução/Instagram Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


24/06/2020 | 19:16


A senadora Kátia Abreu (PP-TO) disse nesta quarta-feira (24) em debate sobre desenvolvimento econômico que mesmo os economistas mais liberais, formados na Escola de Chicago, estão revendo conceitos de livre mercado diante de uma desigualdade que se aprofundou em meio a problemas ambientais.

"Hoje, temos problema ambiental com desigualdade aumentando, fazendo prêmios Nobel, economistas de Chicago, reverem seus conceitos de livre mercado, começam a direcionar conceitos para a questão de desigualdade. É um sinal de que coisas boas virão", disse a ex-ministra da Agricultura.

"A natureza não se vinga de ninguém, simplesmente faz sua autodefesa. Desenvolvimento não pode ser a qualquer preço, a qualquer custo", acrescentou a senadora.

Ao dar a sua visão sobre o que é desenvolvimento num painel do Brazil Forum UK, seminário organizado por estudantes no Reino Unido e transmitido pelo Estadão, Kátia Abreu observou que o PIB não é a única métrica de desenvolvimento de um país. "País só pode dizer que é desenvolvido se for país sem fome."

A parlamentar assinalou ainda que o desenvolvimento duradouro, ou sustentável, passa pela preservação da água, do solo e da biodiversidade, ao mesmo tempo em que o agronegócio precisa desenvolver tecnologias para conviver com a alteração climática sem agravá-la.

Ao participar do mesmo seminário, o ex-presidente do BNDES e ex-ministro da Fazenda Joaquim Levy, atualmente diretor de estratégia econômica do banco Safra, foi na mesma linha de Kátia, ao frisar que o desenvolvimento econômico deve ter como premissa o aproveitamento e preservação da diversidade, em busca de melhor qualidade de vida para a sociedade. "Desenvolvimento tem que abranger todo mundo, sem deixar gente para trás", comentou Levy.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Kátia Abreu: Desenvolvimento não pode ser a qualquer preço, a qualquer custo


24/06/2020 | 19:16


A senadora Kátia Abreu (PP-TO) disse nesta quarta-feira (24) em debate sobre desenvolvimento econômico que mesmo os economistas mais liberais, formados na Escola de Chicago, estão revendo conceitos de livre mercado diante de uma desigualdade que se aprofundou em meio a problemas ambientais.

"Hoje, temos problema ambiental com desigualdade aumentando, fazendo prêmios Nobel, economistas de Chicago, reverem seus conceitos de livre mercado, começam a direcionar conceitos para a questão de desigualdade. É um sinal de que coisas boas virão", disse a ex-ministra da Agricultura.

"A natureza não se vinga de ninguém, simplesmente faz sua autodefesa. Desenvolvimento não pode ser a qualquer preço, a qualquer custo", acrescentou a senadora.

Ao dar a sua visão sobre o que é desenvolvimento num painel do Brazil Forum UK, seminário organizado por estudantes no Reino Unido e transmitido pelo Estadão, Kátia Abreu observou que o PIB não é a única métrica de desenvolvimento de um país. "País só pode dizer que é desenvolvido se for país sem fome."

A parlamentar assinalou ainda que o desenvolvimento duradouro, ou sustentável, passa pela preservação da água, do solo e da biodiversidade, ao mesmo tempo em que o agronegócio precisa desenvolver tecnologias para conviver com a alteração climática sem agravá-la.

Ao participar do mesmo seminário, o ex-presidente do BNDES e ex-ministro da Fazenda Joaquim Levy, atualmente diretor de estratégia econômica do banco Safra, foi na mesma linha de Kátia, ao frisar que o desenvolvimento econômico deve ter como premissa o aproveitamento e preservação da diversidade, em busca de melhor qualidade de vida para a sociedade. "Desenvolvimento tem que abranger todo mundo, sem deixar gente para trás", comentou Levy.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;