Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 7 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar recua com exterior e após ata confirmar ajuste residual da Selic em agosto

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


23/06/2020 | 09:49


O dólar segue em queda nesta terça-feira, acompanhando a tendência global e precificando a ata do Copom, que repete que um eventual ajuste futuro na Selic será apenas "residual", como consta no comunicado da reunião da semana passada que cortou o juro básico do país de 3,0% para 2,25% ao ano.

De acordo com a ata, o comitê do Banco Central discutiu na reunião o potencial mínimo da Selic e avalia que a política monetária já estaria perto do nível em que redução adicional do juro pode gerar instabilidade, comprometer mercados e setores.

O mercado espera agora as falas do presidente do BC, Roberto Campos Neto, que participa de evento virtual (10h) e depois de coletiva sobre medidas referentes à covid-19 (14h).

Além disso, os investidores monitoram os desdobramentos de buscas do Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG) e do Batalhão de Choque da Polícia Militar na casa de parentes de Márcia Oliveira de Aguiar, esposa de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), que está foragida.

Márcia era funcionária fantasma da Alerj, de acordo com as investigações do MP-RJ, e Queiroz é apontado como operador financeiro do esquema da "rachadinha" no gabinete de Flávio, quando era deputado estadual do Rio de janeiro.

A Justiça quer saber, entre outras informações, quem financiou a permanência de Queiroz na casa do ex-advogado da família Bolsonaro, Frederic Wassef, em Atibaia, interior de São Paulo. O avanço das investigações está no radar em meio a preocupações de que possa acabar dentro do Palácio do Planalto.

No exterior, há pouco, a libra se fortaleceu ante o dólar, após o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, confirmar um novo relaxamento das medidas de restrição motivadas pelo coronavírus, como se especulava desde ontem. Além disso, a moeda americana é pressionada pela reafirmação do presidente americano, Donald Trump, de que o acordo comercial preliminar com a China continua em vigor.

Às 9h25 desta terça, o dólar no mercado à vista caía 1,02%, a R$ 5,2170. O dólar futuro para julho recuava 0,66%, a R$ 5,2210.

Mais cedo, o IPC-S subiu 0,09% na terceira quadrissemana de junho, após cair 0,13% na anterior. Já a expectativa de inflação dos consumidores brasileiros para os próximos 12 meses ficou estável no mês de junho, em 4,8%, seguindo no menor patamar histórico.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar recua com exterior e após ata confirmar ajuste residual da Selic em agosto


23/06/2020 | 09:49


O dólar segue em queda nesta terça-feira, acompanhando a tendência global e precificando a ata do Copom, que repete que um eventual ajuste futuro na Selic será apenas "residual", como consta no comunicado da reunião da semana passada que cortou o juro básico do país de 3,0% para 2,25% ao ano.

De acordo com a ata, o comitê do Banco Central discutiu na reunião o potencial mínimo da Selic e avalia que a política monetária já estaria perto do nível em que redução adicional do juro pode gerar instabilidade, comprometer mercados e setores.

O mercado espera agora as falas do presidente do BC, Roberto Campos Neto, que participa de evento virtual (10h) e depois de coletiva sobre medidas referentes à covid-19 (14h).

Além disso, os investidores monitoram os desdobramentos de buscas do Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG) e do Batalhão de Choque da Polícia Militar na casa de parentes de Márcia Oliveira de Aguiar, esposa de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), que está foragida.

Márcia era funcionária fantasma da Alerj, de acordo com as investigações do MP-RJ, e Queiroz é apontado como operador financeiro do esquema da "rachadinha" no gabinete de Flávio, quando era deputado estadual do Rio de janeiro.

A Justiça quer saber, entre outras informações, quem financiou a permanência de Queiroz na casa do ex-advogado da família Bolsonaro, Frederic Wassef, em Atibaia, interior de São Paulo. O avanço das investigações está no radar em meio a preocupações de que possa acabar dentro do Palácio do Planalto.

No exterior, há pouco, a libra se fortaleceu ante o dólar, após o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, confirmar um novo relaxamento das medidas de restrição motivadas pelo coronavírus, como se especulava desde ontem. Além disso, a moeda americana é pressionada pela reafirmação do presidente americano, Donald Trump, de que o acordo comercial preliminar com a China continua em vigor.

Às 9h25 desta terça, o dólar no mercado à vista caía 1,02%, a R$ 5,2170. O dólar futuro para julho recuava 0,66%, a R$ 5,2210.

Mais cedo, o IPC-S subiu 0,09% na terceira quadrissemana de junho, após cair 0,13% na anterior. Já a expectativa de inflação dos consumidores brasileiros para os próximos 12 meses ficou estável no mês de junho, em 4,8%, seguindo no menor patamar histórico.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;