Fechar
Publicidade

Domingo, 9 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar cai a R$ 5,27 em dia de queda generalizada da moeda americana no exterior

Reprodução/Instagram Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


22/06/2020 | 18:09


O dólar teve novo dia de queda nesta segunda-feira, 22, embora tenha diminuído o ritmo nos negócios da tarde. O real acompanhou as moedas emergentes, em dia marcado por enfraquecimento generalizado no mercado internacional, refletindo por um lado a elevada liquidez e a expectativa de reabertura das economias, hoje com Nova York iniciando nova fase, o que estimulou a busca por risco nas bolsas americanas. Ao mesmo tempo, há o temor de uma segunda onda de coronavírus, com casos crescendo na Califórnia e Arizona.

Operadores relataram entrada de recursos externos no mercado doméstico, com o noticiário político sem maiores surpresas hoje, mas com as mesas monitorando os desdobramentos da prisão de Fabrício Queiróz. Na B3, junho pode ser o primeiro mês com fluxo positivo desde setembro de 2019. Nesta segunda-feira, o real teve o melhor desempenho no mercado internacional, em uma cesta de 34 moedas. No final do dia, o dólar à vista terminou em baixa de 0,89%, cotado em R$ 5,2706. Na mínima do dia, chegou a operar pela manhã abaixo de R$ 5,20. O dólar futuro para julho era negociado em queda de 0,84%, a R$ 5,2745 às 17h, mas a liquidez estava fraca, somando apenas US$ 12 bilhões em negócios, abaixo da média de US$ 18 bilhões de dias com bom volume.

O economista e operador da Advanced Corretora de Câmbio Alessandro Faganello observa que o mercado tem se movido por movimentos diferentes. Por um lado, o receio de uma segunda onda de coronavírus após relatos de aumentos de casos nos EUA. Por outros, ampla liquidez e apostas de recuperação nas economias que estão reabrindo.

Faganello lembra que a Casa Branca minimizou hoje os riscos de uma segunda onda, enquanto cresce no mercado a perspectiva de novo pacote de estímulos fiscais de Donald Trump. No mercado doméstico, com relação a atividade, o economista destaca que a prévia de índice de confiança de junho sinaliza que o indicador deve ter boa recuperação. O Índice de Confiança da Indústria (ICI) apurado na prévia de junho teve um avanço de 15,2 pontos em relação ao resultado fechado de maio. Se confirmado, o avanço será o mais acentuado da série histórica.

Sobre a atividade, o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, disse hoje que a volta da economia em maio foi muito forte e abril foi mesmo o fundo do poço. Ele também prometeu que daqui a "dez ou doze dias" a agenda de reformas vai "vir forte" no Congresso.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar cai a R$ 5,27 em dia de queda generalizada da moeda americana no exterior


22/06/2020 | 18:09


O dólar teve novo dia de queda nesta segunda-feira, 22, embora tenha diminuído o ritmo nos negócios da tarde. O real acompanhou as moedas emergentes, em dia marcado por enfraquecimento generalizado no mercado internacional, refletindo por um lado a elevada liquidez e a expectativa de reabertura das economias, hoje com Nova York iniciando nova fase, o que estimulou a busca por risco nas bolsas americanas. Ao mesmo tempo, há o temor de uma segunda onda de coronavírus, com casos crescendo na Califórnia e Arizona.

Operadores relataram entrada de recursos externos no mercado doméstico, com o noticiário político sem maiores surpresas hoje, mas com as mesas monitorando os desdobramentos da prisão de Fabrício Queiróz. Na B3, junho pode ser o primeiro mês com fluxo positivo desde setembro de 2019. Nesta segunda-feira, o real teve o melhor desempenho no mercado internacional, em uma cesta de 34 moedas. No final do dia, o dólar à vista terminou em baixa de 0,89%, cotado em R$ 5,2706. Na mínima do dia, chegou a operar pela manhã abaixo de R$ 5,20. O dólar futuro para julho era negociado em queda de 0,84%, a R$ 5,2745 às 17h, mas a liquidez estava fraca, somando apenas US$ 12 bilhões em negócios, abaixo da média de US$ 18 bilhões de dias com bom volume.

O economista e operador da Advanced Corretora de Câmbio Alessandro Faganello observa que o mercado tem se movido por movimentos diferentes. Por um lado, o receio de uma segunda onda de coronavírus após relatos de aumentos de casos nos EUA. Por outros, ampla liquidez e apostas de recuperação nas economias que estão reabrindo.

Faganello lembra que a Casa Branca minimizou hoje os riscos de uma segunda onda, enquanto cresce no mercado a perspectiva de novo pacote de estímulos fiscais de Donald Trump. No mercado doméstico, com relação a atividade, o economista destaca que a prévia de índice de confiança de junho sinaliza que o indicador deve ter boa recuperação. O Índice de Confiança da Indústria (ICI) apurado na prévia de junho teve um avanço de 15,2 pontos em relação ao resultado fechado de maio. Se confirmado, o avanço será o mais acentuado da série histórica.

Sobre a atividade, o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, disse hoje que a volta da economia em maio foi muito forte e abril foi mesmo o fundo do poço. Ele também prometeu que daqui a "dez ou doze dias" a agenda de reformas vai "vir forte" no Congresso.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;