Fechar
Publicidade

Domingo, 27 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Weintraub diz que recebeu ajuda de 'dezenas de pessoas' para chegar aos EUA

Fotos Públicas Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Ele usou sua condição de ministro para desembarcar em Miami no sábado passado



22/06/2020 | 12:47


O ex-ministro da Educação Abraham Weintraub afirmou nesta segunda-feira, 22, por meio do Twitter, que recebeu a ajuda de "dezenas de pessoas" para chegar em segurança aos Estados Unidos. Ele usou sua condição de ministro para desembarcar em Miami no sábado passado e, assim, driblar as restrições de viagens para brasileiros em razão da pandemia de covid-19. Horas depois, o governo publicou edição extraordinária do Diário Oficial da União (DOU), exonerando-o do cargo.

"Agradeço a todos que me ajudaram a chegar em segurança aos EUA, seja aos que agiram diretamente (foram dezenas de pessoas) ou aos que oram por mim. Aproveito para dizer que estou bem. Quanto à culinária internacional, ontem fiquei tentado a comer uns tacos, acabou sendo KFC", postou o ex-ministro, que aparece em uma foto em frente a um restaurante de culinária mexicana.

A ida de Weintraub aos EUA ocorreu dois dias após ele anunciar em vídeo publicado nas redes sociais, ao lado do presidente Jair Bolsonaro, que sairia da pasta. O agora ex-ministro deve assumir o cargo de diretor executivo do Banco Mundial.

O jornal O Estado de S. Paulo revelara que apoiadores do ministro diziam nas redes sociais que ele tinha de fugir do País para não ser preso por ordem do Supremo Tribunal Federal (STF), que o investiga em dois inquéritos. "A prioridade total é que eu saia do País o quanto antes. Agora é evitar que me prendam, cadeião, e me matem", contou Weintraub em entrevista à CNN Brasil.

Weintraub chegou a se apresentar como ministro ao desembarcar em Miami, segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo. O Ministério da Educação afirmou que ele chegou aos EUA por Miami e que a viagem foi feita por meio de avião comercial e em classe econômica.

Apesar de ter anunciado sua demissão, Weintraub continuava como ministro até a manhã do sábado. Como titular do cargo, tinha direito a passaporte diplomático.

Na sexta-feira, antes de o ex-ministro deixar o Brasil, o senador Fabiano Contarato (Rede-ES) protocolou no Supremo Tribunal Federal um pedido para que o passaporte dele fosse apreendido.

Fake news

O ministro de Jair Bolsonaro é um dos alvos do inquérito das fake news por ter afirmado, em reunião ministerial, que os 11 ministros do Supremo deveriam ser presos e se referido a eles como "vagabundos". Dias depois, já investigado, repetiu que "já disse o que pensava desses vagabundos" num ato com apoiadores do governo na Esplanada dos Ministérios.

Ao determinar a liberação da gravação da reunião, Celso de Mello apontou para a "gravíssima aleivosia" feita por Weintraub em "um discurso contumelioso e aparentemente ofensivo ao patrimônio moral" dos ministros do Supremo. No entendimento do decano, as falas caracterizam possível delito contra a honra (como o crime de injúria).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Weintraub diz que recebeu ajuda de 'dezenas de pessoas' para chegar aos EUA

Ele usou sua condição de ministro para desembarcar em Miami no sábado passado


22/06/2020 | 12:47


O ex-ministro da Educação Abraham Weintraub afirmou nesta segunda-feira, 22, por meio do Twitter, que recebeu a ajuda de "dezenas de pessoas" para chegar em segurança aos Estados Unidos. Ele usou sua condição de ministro para desembarcar em Miami no sábado passado e, assim, driblar as restrições de viagens para brasileiros em razão da pandemia de covid-19. Horas depois, o governo publicou edição extraordinária do Diário Oficial da União (DOU), exonerando-o do cargo.

"Agradeço a todos que me ajudaram a chegar em segurança aos EUA, seja aos que agiram diretamente (foram dezenas de pessoas) ou aos que oram por mim. Aproveito para dizer que estou bem. Quanto à culinária internacional, ontem fiquei tentado a comer uns tacos, acabou sendo KFC", postou o ex-ministro, que aparece em uma foto em frente a um restaurante de culinária mexicana.

A ida de Weintraub aos EUA ocorreu dois dias após ele anunciar em vídeo publicado nas redes sociais, ao lado do presidente Jair Bolsonaro, que sairia da pasta. O agora ex-ministro deve assumir o cargo de diretor executivo do Banco Mundial.

O jornal O Estado de S. Paulo revelara que apoiadores do ministro diziam nas redes sociais que ele tinha de fugir do País para não ser preso por ordem do Supremo Tribunal Federal (STF), que o investiga em dois inquéritos. "A prioridade total é que eu saia do País o quanto antes. Agora é evitar que me prendam, cadeião, e me matem", contou Weintraub em entrevista à CNN Brasil.

Weintraub chegou a se apresentar como ministro ao desembarcar em Miami, segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo. O Ministério da Educação afirmou que ele chegou aos EUA por Miami e que a viagem foi feita por meio de avião comercial e em classe econômica.

Apesar de ter anunciado sua demissão, Weintraub continuava como ministro até a manhã do sábado. Como titular do cargo, tinha direito a passaporte diplomático.

Na sexta-feira, antes de o ex-ministro deixar o Brasil, o senador Fabiano Contarato (Rede-ES) protocolou no Supremo Tribunal Federal um pedido para que o passaporte dele fosse apreendido.

Fake news

O ministro de Jair Bolsonaro é um dos alvos do inquérito das fake news por ter afirmado, em reunião ministerial, que os 11 ministros do Supremo deveriam ser presos e se referido a eles como "vagabundos". Dias depois, já investigado, repetiu que "já disse o que pensava desses vagabundos" num ato com apoiadores do governo na Esplanada dos Ministérios.

Ao determinar a liberação da gravação da reunião, Celso de Mello apontou para a "gravíssima aleivosia" feita por Weintraub em "um discurso contumelioso e aparentemente ofensivo ao patrimônio moral" dos ministros do Supremo. No entendimento do decano, as falas caracterizam possível delito contra a honra (como o crime de injúria).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;