Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 10 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Com mais 601 mortes, País tem 50.659 vítimas

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

O número ficou abaixo da média da semana passada - em torno de 1,2 mil mortes por dia



22/06/2020 | 07:00


Com o registro de 601 mortes nas 24 horas anteriores, o Brasil fechou este domingo, 21, com 50.659 vítimas da covid-19, conforme o levantamento do consórcio de veículos de imprensa formado por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL junto às secretarias estaduais de Saúde. O número ficou abaixo da média da semana passada - em torno de 1,2 mil mortes por dia -, mas isso costuma aconteceu nos fins de semana e não representa um recuo na epidemia no País.

O levantamento apontou ainda o registro de 16.851 casos, chegando a 1.086.990 no total. O Brasil superou a marca de 1 milhão de infectados na sexta-feira e de 50 mil mortos anteontem. O único outro país do mundo a ter superado essa marca foi os Estados Unidos. É como se uma população do tamanho de Campos do Jordão tivesse desaparecido em apenas três meses.

Manifestações

Neste domingo, 21, profissionais de saúde realizaram atos em homenagem a pacientes e médicos que morreram de covid-19 em várias capitais do País, entre elas São Paulo e Salvador. As manifestações foram coordenados pela Associação Brasileira de Médicas e Médicos pela Democracia e pela Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares.

Em São Paulo, o protesto ocorreu na Praça Roosevelt, na região central. Com máscaras de proteção, profissionais da saúde fizeram um ato silencioso, segurando cruzes que simbolizavam as vidas perdidas. Em manifesto, os organizadores afirmam que os atos servem para alertar que "a maior parte das mortes por covid-19 em nosso País seriam evitáveis, caso o governo federal não tivesse uma posição genocida frente à pandemia". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Com mais 601 mortes, País tem 50.659 vítimas

O número ficou abaixo da média da semana passada - em torno de 1,2 mil mortes por dia


22/06/2020 | 07:00


Com o registro de 601 mortes nas 24 horas anteriores, o Brasil fechou este domingo, 21, com 50.659 vítimas da covid-19, conforme o levantamento do consórcio de veículos de imprensa formado por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL junto às secretarias estaduais de Saúde. O número ficou abaixo da média da semana passada - em torno de 1,2 mil mortes por dia -, mas isso costuma aconteceu nos fins de semana e não representa um recuo na epidemia no País.

O levantamento apontou ainda o registro de 16.851 casos, chegando a 1.086.990 no total. O Brasil superou a marca de 1 milhão de infectados na sexta-feira e de 50 mil mortos anteontem. O único outro país do mundo a ter superado essa marca foi os Estados Unidos. É como se uma população do tamanho de Campos do Jordão tivesse desaparecido em apenas três meses.

Manifestações

Neste domingo, 21, profissionais de saúde realizaram atos em homenagem a pacientes e médicos que morreram de covid-19 em várias capitais do País, entre elas São Paulo e Salvador. As manifestações foram coordenados pela Associação Brasileira de Médicas e Médicos pela Democracia e pela Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares.

Em São Paulo, o protesto ocorreu na Praça Roosevelt, na região central. Com máscaras de proteção, profissionais da saúde fizeram um ato silencioso, segurando cruzes que simbolizavam as vidas perdidas. Em manifesto, os organizadores afirmam que os atos servem para alertar que "a maior parte das mortes por covid-19 em nosso País seriam evitáveis, caso o governo federal não tivesse uma posição genocida frente à pandemia". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;