Fechar
Publicidade

Domingo, 9 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

BNDES diz esperar operadores estrangeiros e grupos em concessão de água no RJ

Reprodução/Instagram Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


19/06/2020 | 16:46


Executivos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) demonstraram confiança, em seminário online terminado nesta sexta-feira, 19, na participação de operadores estrangeiros do setor de saneamento básico e de grupos internacionais de investimento, como fundos soberanos e de pensão, na concessão dos serviços de água e esgoto no Estado do Rio. Caso não haja interesse privado por algum dos quatro blocos de concessão previstos na concessão, a Cedae, estatal de saneamento, seguirá prestando os serviços.

Colocado em consulta pública no último dia 9 pelo governo fluminense, o projeto, modelado pelo BNDES, prevê investimentos de R$ 33,5 bilhões em 35 anos. O leilão estava inicialmente previsto para dezembro, mas deverá atrasar.

A concessão foi desenhada no modelo de "filé e osso". Os 64 municípios atendidos atualmente pela Cedae foram divididos em quatro áreas. Incluída no grupo, a capital fluminense também foi dividida em quatro. Assim, os serviços serão concedidos em quatro blocos, cada um deles formado por um "filé" da capital e um "osso" das regiões mais pobres e com pior estrutura da saneamento.

A Cedae não será privatizada, continuará como estatal, responsável pela captação e tratamento da água. As futuras concessionárias, responsáveis pela distribuição da água tratada até os imóveis, pela coleta do esgoto e por seu tratamento, comprarão a água tratada da Cedae, prevê o modelo.

Um mesmo investidor poderá arrematar mais de um bloco de concessão. Caso não haja interessados por algum dos quatro blocos, a Cedae continuará prestando os serviços de distribuição de água e coleta de esgoto - além do tratamento da água - na área preterida, explicou o chefe do Departamento de Concessões e PPPs do BNDES, Guilherme Albuquerque.

O superintendente de Concessões do BNDES, Cleverson Aroeira, disse que o banco de fomento tem mantido contato com investidores em potencial, incluindo aí não só os "principais operadores do País", mas "muito mais do que eles", já que apenas 5% dos municípios brasileiros tem concessão à iniciativa privada dos serviços de água e esgoto.

"Precisamos atrair investidores muito capitalizados e interessados em prestar o serviço", afirmou Aroeira, em apresentação transmitida ao vivo pela internet, promovida pelo movimento Sanita Rio, dedicado a promover a necessidade de investimentos em saneamento básico.

O superintendente do BNDES citou "operadores espanhóis, franceses e asiáticos", além de "grandes grupos de investimento, como fundos soberanos e fundos de pensão", como investidores em potencial.

"Estamos buscando esses investidores, batendo na porta deles, mostrando que fizemos contrato com muita segurança jurídica", afirmou Aroeira.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

BNDES diz esperar operadores estrangeiros e grupos em concessão de água no RJ


19/06/2020 | 16:46


Executivos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) demonstraram confiança, em seminário online terminado nesta sexta-feira, 19, na participação de operadores estrangeiros do setor de saneamento básico e de grupos internacionais de investimento, como fundos soberanos e de pensão, na concessão dos serviços de água e esgoto no Estado do Rio. Caso não haja interesse privado por algum dos quatro blocos de concessão previstos na concessão, a Cedae, estatal de saneamento, seguirá prestando os serviços.

Colocado em consulta pública no último dia 9 pelo governo fluminense, o projeto, modelado pelo BNDES, prevê investimentos de R$ 33,5 bilhões em 35 anos. O leilão estava inicialmente previsto para dezembro, mas deverá atrasar.

A concessão foi desenhada no modelo de "filé e osso". Os 64 municípios atendidos atualmente pela Cedae foram divididos em quatro áreas. Incluída no grupo, a capital fluminense também foi dividida em quatro. Assim, os serviços serão concedidos em quatro blocos, cada um deles formado por um "filé" da capital e um "osso" das regiões mais pobres e com pior estrutura da saneamento.

A Cedae não será privatizada, continuará como estatal, responsável pela captação e tratamento da água. As futuras concessionárias, responsáveis pela distribuição da água tratada até os imóveis, pela coleta do esgoto e por seu tratamento, comprarão a água tratada da Cedae, prevê o modelo.

Um mesmo investidor poderá arrematar mais de um bloco de concessão. Caso não haja interessados por algum dos quatro blocos, a Cedae continuará prestando os serviços de distribuição de água e coleta de esgoto - além do tratamento da água - na área preterida, explicou o chefe do Departamento de Concessões e PPPs do BNDES, Guilherme Albuquerque.

O superintendente de Concessões do BNDES, Cleverson Aroeira, disse que o banco de fomento tem mantido contato com investidores em potencial, incluindo aí não só os "principais operadores do País", mas "muito mais do que eles", já que apenas 5% dos municípios brasileiros tem concessão à iniciativa privada dos serviços de água e esgoto.

"Precisamos atrair investidores muito capitalizados e interessados em prestar o serviço", afirmou Aroeira, em apresentação transmitida ao vivo pela internet, promovida pelo movimento Sanita Rio, dedicado a promover a necessidade de investimentos em saneamento básico.

O superintendente do BNDES citou "operadores espanhóis, franceses e asiáticos", além de "grandes grupos de investimento, como fundos soberanos e fundos de pensão", como investidores em potencial.

"Estamos buscando esses investidores, batendo na porta deles, mostrando que fizemos contrato com muita segurança jurídica", afirmou Aroeira.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;