Fechar
Publicidade

Domingo, 25 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

dmais@dgabc.com.br | 4435-8396

Adair Cardoso veio para ficar


Juliana Ravelli
Do Diário do Grande ABC

01/05/2011 | 07:01


Como grande parte dos cantores de música sertaneja, Adair Cardoso, 17 anos, tem origem humilde e talento de sobra. Dos barzinhos de Tangará da Serra, em Mato Grosso, despontou ainda na infância como calouro do Programa Raul Gil. Agora, o artista de fala breve e objetiva se prepara para alçar voos mais altos. Confira o bate-papo com o novo fenômeno sertanejo, que está bombando com a canção Que se Dane o Mundo, trilha da novela Malhação.

 

D+: Quando começou a cantar?

Adair: Aos 3 anos, aprendi a tocar uma sanfoninha que meu pai me deu no Natal. Aí, surgiu o interesse pela música. Comecei a cantar aos 5 e já tocava teclado nessa época.

 

D+: Como aprendeu a tocar oito instrumentos?

Adair: A maioria foi arranhando sozinho. Aos 8 anos, via duplas sertanejas com o violão, então, quis tocar também. Depois foi a viola. Quando passei a fazer shows com banda, tinha vontade de aprender outros instrumentos, como baixo e bateria. Então, fui atrás.

 

D+: Como começou a se apresentar?

Adair: Aos 8 anos tocava em barzinhos. Com 11, meu pai conseguiu marcar teste no Programa Raul Gil. Fui para São Paulo, fiz e me chamaram para gravar na semana seguinte.

 

D+: Seus pais sempre te apoiaram?

Adair: Sempre. Meus pais (a mãe era empregada doméstica e o pai, furador de poço) me carregavam para todo lugar e davam instrumentos.

 

D+: Por que se mudou para Divinópolis, em Minas Gerais?

Adair: Tangará da Serra (onde nasceu) é longe de São Paulo e do Rio de Janeiro. Em Divinópolis é mais tranquilo, minha equipe toda está aqui. Vim com a família inteira.

 

D+: Você imaginava que sua música estaria em Malhação?

Adair: Não tinha ideia. Tomei um susto quando meu empresário me contou. Foi um presente.

 

D+: Mesmo com a correria, dá para ter vida social?

Adair: Sim. No meio da semana sempre saio. Gosto de praticar esportes, como futebol.

 

D+: Qual sua opinião sobre a nova fase da música sertaneja?

Adair: É muito legal porque levou de novo o sertanejo ao topo. Muitos que não curtiam passaram a gostar.

 

D+: O que pensa sobre compararem você com Luan Santana?

Adair: Não há mal nisso. Estamos dentro do mesmo padrão e estilo. Sou novo e ele também. Nesse ponto, a comparação é inevitável. Gosto muito dele e de suas músicas.

 

D+: O que a música é para você?

Adair: É a minha vida. Tudo gira em torno dela.

 

D+: Qual é o seu maior sonho?

Adair: Continuar crescendo e permanecer no mercado, lançando novos trabalhos.

 

 

* O CD Que Se Dane o Mundo acaba de chegar às lojas com 11 músicas, todas compostas por Adair. Em setembro, ele deve gravar DVD; o local ainda não foi definido.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Adair Cardoso veio para ficar

Juliana Ravelli
Do Diário do Grande ABC

01/05/2011 | 07:01


Como grande parte dos cantores de música sertaneja, Adair Cardoso, 17 anos, tem origem humilde e talento de sobra. Dos barzinhos de Tangará da Serra, em Mato Grosso, despontou ainda na infância como calouro do Programa Raul Gil. Agora, o artista de fala breve e objetiva se prepara para alçar voos mais altos. Confira o bate-papo com o novo fenômeno sertanejo, que está bombando com a canção Que se Dane o Mundo, trilha da novela Malhação.

 

D+: Quando começou a cantar?

Adair: Aos 3 anos, aprendi a tocar uma sanfoninha que meu pai me deu no Natal. Aí, surgiu o interesse pela música. Comecei a cantar aos 5 e já tocava teclado nessa época.

 

D+: Como aprendeu a tocar oito instrumentos?

Adair: A maioria foi arranhando sozinho. Aos 8 anos, via duplas sertanejas com o violão, então, quis tocar também. Depois foi a viola. Quando passei a fazer shows com banda, tinha vontade de aprender outros instrumentos, como baixo e bateria. Então, fui atrás.

 

D+: Como começou a se apresentar?

Adair: Aos 8 anos tocava em barzinhos. Com 11, meu pai conseguiu marcar teste no Programa Raul Gil. Fui para São Paulo, fiz e me chamaram para gravar na semana seguinte.

 

D+: Seus pais sempre te apoiaram?

Adair: Sempre. Meus pais (a mãe era empregada doméstica e o pai, furador de poço) me carregavam para todo lugar e davam instrumentos.

 

D+: Por que se mudou para Divinópolis, em Minas Gerais?

Adair: Tangará da Serra (onde nasceu) é longe de São Paulo e do Rio de Janeiro. Em Divinópolis é mais tranquilo, minha equipe toda está aqui. Vim com a família inteira.

 

D+: Você imaginava que sua música estaria em Malhação?

Adair: Não tinha ideia. Tomei um susto quando meu empresário me contou. Foi um presente.

 

D+: Mesmo com a correria, dá para ter vida social?

Adair: Sim. No meio da semana sempre saio. Gosto de praticar esportes, como futebol.

 

D+: Qual sua opinião sobre a nova fase da música sertaneja?

Adair: É muito legal porque levou de novo o sertanejo ao topo. Muitos que não curtiam passaram a gostar.

 

D+: O que pensa sobre compararem você com Luan Santana?

Adair: Não há mal nisso. Estamos dentro do mesmo padrão e estilo. Sou novo e ele também. Nesse ponto, a comparação é inevitável. Gosto muito dele e de suas músicas.

 

D+: O que a música é para você?

Adair: É a minha vida. Tudo gira em torno dela.

 

D+: Qual é o seu maior sonho?

Adair: Continuar crescendo e permanecer no mercado, lançando novos trabalhos.

 

 

* O CD Que Se Dane o Mundo acaba de chegar às lojas com 11 músicas, todas compostas por Adair. Em setembro, ele deve gravar DVD; o local ainda não foi definido.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;