Fechar
Publicidade

Sábado, 8 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Há notícias positivas sobre benefícios da dexametasona contra covid-19, diz OMS

Reprodução/Instagram Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


17/06/2020 | 14:20


O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, celebrou nesta quarta-feira, 17, notícias de "resultados iniciais positivos" no ensaio clínico Recuperação, do Reino Unido, sobre o uso da dexametasona contra a covid-19. Durante entrevista coletiva da entidade, ele disse que o medicamento, "um esteroide comum", mostrou efeito benéfico em pacientes graves com a doença, no estudo britânico.

Ghebreyesus disse que, de acordo com conclusões preliminares compartilhadas com a OMS, para pacientes que estavam no oxigênio apenas, o tratamento reduziu a mortalidade em cerca de um quinto. Para aqueles que já estavam com respirador, a mortalidade caiu em um terço. "A dexametasona, porém, não mostrou efeito benéfico para aqueles com sintomas mais leves da doença, que não precisavam de apoio respiratório", explicou, dizendo que ainda são necessárias mais terapias que possam ser usadas para enfrentar o vírus, inclusive para aqueles com sintomas leves.

De qualquer modo, Ghebreyesus afirmou que a notícia era "bem-vinda" para os pacientes em estado grave. De qualquer modo, enfatizou que ela só deve ser usada sob "supervisão clínica próxima". Também presente na coletiva, Janet Díaz, diretora de Cuidados Clínicos da OMS, ressaltou que no caso dos pacientes leves "não houve benefícios". O diretor executivo da entidade, Michael Ryan, disse que ela tampouco é um tratamento preventivo, servindo apenas para casos graves. Segundo Ryan, esse medicamento é um dos vários instrumentos de que será preciso lançar mão, ao enfrentar a doença, e ele também disse que a entidade aguarda dados mais detalhados sobre o estudo britânico com o remédio e também sua revisão por outros cientistas.

A OMS já começou a coordenar uma análise e a avaliar dados de vários ensaios clínicos com pacientes graves, para entender melhor o quadro. Ghebreyesus informou que em breve a organização atualizará sua diretriz clínica "para refletir como e quando a dexametasona deve ser usada para tratar a covid-19".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Há notícias positivas sobre benefícios da dexametasona contra covid-19, diz OMS


17/06/2020 | 14:20


O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, celebrou nesta quarta-feira, 17, notícias de "resultados iniciais positivos" no ensaio clínico Recuperação, do Reino Unido, sobre o uso da dexametasona contra a covid-19. Durante entrevista coletiva da entidade, ele disse que o medicamento, "um esteroide comum", mostrou efeito benéfico em pacientes graves com a doença, no estudo britânico.

Ghebreyesus disse que, de acordo com conclusões preliminares compartilhadas com a OMS, para pacientes que estavam no oxigênio apenas, o tratamento reduziu a mortalidade em cerca de um quinto. Para aqueles que já estavam com respirador, a mortalidade caiu em um terço. "A dexametasona, porém, não mostrou efeito benéfico para aqueles com sintomas mais leves da doença, que não precisavam de apoio respiratório", explicou, dizendo que ainda são necessárias mais terapias que possam ser usadas para enfrentar o vírus, inclusive para aqueles com sintomas leves.

De qualquer modo, Ghebreyesus afirmou que a notícia era "bem-vinda" para os pacientes em estado grave. De qualquer modo, enfatizou que ela só deve ser usada sob "supervisão clínica próxima". Também presente na coletiva, Janet Díaz, diretora de Cuidados Clínicos da OMS, ressaltou que no caso dos pacientes leves "não houve benefícios". O diretor executivo da entidade, Michael Ryan, disse que ela tampouco é um tratamento preventivo, servindo apenas para casos graves. Segundo Ryan, esse medicamento é um dos vários instrumentos de que será preciso lançar mão, ao enfrentar a doença, e ele também disse que a entidade aguarda dados mais detalhados sobre o estudo britânico com o remédio e também sua revisão por outros cientistas.

A OMS já começou a coordenar uma análise e a avaliar dados de vários ensaios clínicos com pacientes graves, para entender melhor o quadro. Ghebreyesus informou que em breve a organização atualizará sua diretriz clínica "para refletir como e quando a dexametasona deve ser usada para tratar a covid-19".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;