Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 30 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Startup Remessa Online levanta aporte de R$ 110 milhões



17/06/2020 | 07:03


A startup de transferências internacionais Remessa Online anunciou ontem que recebeu um aporte de R$ 110 milhões em rodada liderada pelo fundo Kaszek, que já fez investimentos em algumas das principais startups do País, como o Nubank, Loggi e QuintoAndar. Participaram também da rodada o fundo Bewater Ventures e Kevin Efrusy, sócio do fundo americano Accel Partners, que já investiu em empresas como Facebook e Dropbox.

Fundada em 2016 pelos veteranos do mercado financeiro Alexandre Liuzzi (ex-Santander e JP Morgan) e Fernando Pavani (ex-Itaú e Franklin Templeton), a startup permite que brasileiros recebam pagamentos do exterior e que enviem dinheiro para fora do Brasil. Com o novo investimento, o objetivo é expandir o serviço para pequenas e médias empresas, diz Liuzzi.

Segundo o executivo, a nova rodada de aportes estava sendo negociada desde fevereiro, antes que a pandemia do novo coronavírus virasse o mundo de cabeça para baixo. Na visão do executivo, porém, o período de isolamento social acelerou as oportunidades da empresa para atender pequenos empresários, que passaram a vender mais pela internet em momentos de crise.

"Grandes corporações têm uma assistência razoável de bancos tradicionais para realizar transações no exterior. O mesmo não acontece para os pequenos", afirma Liuzzi. "Para eles fazerem transações internacionais é doloroso e não há previsibilidade." Com um time de 200 pessoas, a Remessa Online promete cobranças de taxas até dez vezes mais baratas em alguns casos - a plataforma cobra 1,3% de custo sobre a operação, IOF e taxa bancária, que são obrigatórios.

Com processos digitais mais acessíveis e o barateamento da mão de obra brasileira causado pelo atual patamar do dólar, a Remessa Online consegue imaginar um cenário no qual pequenos empreendedores realizarão mais trabalhos para contratantes internacionais. "A pandemia afetou o volume de operações feitos pelos clientes pessoa física, mas o segmento de pessoa jurídica impulsionou nossos negócios", afirma o executivo.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;