Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 21 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Diretor do US Open garante que Grand Slam em Nova York começará no fim de agosto

Reprodução/Instagram Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


15/06/2020 | 13:48


A edição de 2020 do US Open vai mesmo acontecer em Nova York, a cidade mais afetada em todo o mundo pelo novo coronavírus em termos de número de casos e vítimas mortais, a partir do próximo dia 31 de agosto, a data prevista para o início das chaves de simples. O anúncio oficial ainda não foi feito, mas Chris Widmaier, diretor de comunicações da USTA (Associação de Tênis dos Estados Unidos, na sigla em inglês), revelou essa informação.

"Estamos seguindo cada etapa do processo (de retorno), na grande esperança de podermos anunciar que o US Open em 2020 será disputado em sua data programada regularmente", disse o dirigente em entrevista à ESPN norte-americana. "Esperamos fazer um anúncio em um futuro muito próximo", complementou.

A USTA estaria prestes a anunciar o plano, uma vez que obteve um sinal verde das autoridades de saúde locais e estaduais de Nova York. A ATP e a WTA - entidades que comandam o tênis masculino e feminino, respectivamente - adotarão o plano da federação norte-americana, que virá junto com uma remodelação do calendário de agosto.

Devido à pandemia da covid-19, protocolos rígidos de saúde serão adotados para o US Open, com esquemas de testes e restrições aos movimentos e atividades dos jogadores enquanto estiverem em Nova York. Os torcedores serão proibidos no evento, que teria a sua final no dia 13 de setembro.

No entanto, mais da metade dos jogadores de alto nível já se mostrou contra a realização do US Open e alguns deles afirmaram que não estarão em Nova York. O sérvio Novak Djokovic, número 1 do mundo, é um dos principais críticos das normas criadas pela USTA. O suíço Roger Federer não vai mais jogar na temporada de 2020 após passar por mais uma artroscopia no joelho e o espanhol Rafael Nadal afirmou recentemente que não se sente seguro para viajar aos Estados Unidos.

É possível que os tenistas que optem por ficar na Europa tenham torneios da ATP e da WTA no saibro durante o mês de agosto. Os Masters 1000 de Madri, na Espanha, e de Roma, na Itália, deverão ser jogados entre o US Open e Roland Garros, que poderá ter seu início em 27 de setembro.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diretor do US Open garante que Grand Slam em Nova York começará no fim de agosto


15/06/2020 | 13:48


A edição de 2020 do US Open vai mesmo acontecer em Nova York, a cidade mais afetada em todo o mundo pelo novo coronavírus em termos de número de casos e vítimas mortais, a partir do próximo dia 31 de agosto, a data prevista para o início das chaves de simples. O anúncio oficial ainda não foi feito, mas Chris Widmaier, diretor de comunicações da USTA (Associação de Tênis dos Estados Unidos, na sigla em inglês), revelou essa informação.

"Estamos seguindo cada etapa do processo (de retorno), na grande esperança de podermos anunciar que o US Open em 2020 será disputado em sua data programada regularmente", disse o dirigente em entrevista à ESPN norte-americana. "Esperamos fazer um anúncio em um futuro muito próximo", complementou.

A USTA estaria prestes a anunciar o plano, uma vez que obteve um sinal verde das autoridades de saúde locais e estaduais de Nova York. A ATP e a WTA - entidades que comandam o tênis masculino e feminino, respectivamente - adotarão o plano da federação norte-americana, que virá junto com uma remodelação do calendário de agosto.

Devido à pandemia da covid-19, protocolos rígidos de saúde serão adotados para o US Open, com esquemas de testes e restrições aos movimentos e atividades dos jogadores enquanto estiverem em Nova York. Os torcedores serão proibidos no evento, que teria a sua final no dia 13 de setembro.

No entanto, mais da metade dos jogadores de alto nível já se mostrou contra a realização do US Open e alguns deles afirmaram que não estarão em Nova York. O sérvio Novak Djokovic, número 1 do mundo, é um dos principais críticos das normas criadas pela USTA. O suíço Roger Federer não vai mais jogar na temporada de 2020 após passar por mais uma artroscopia no joelho e o espanhol Rafael Nadal afirmou recentemente que não se sente seguro para viajar aos Estados Unidos.

É possível que os tenistas que optem por ficar na Europa tenham torneios da ATP e da WTA no saibro durante o mês de agosto. Os Masters 1000 de Madri, na Espanha, e de Roma, na Itália, deverão ser jogados entre o US Open e Roland Garros, que poderá ter seu início em 27 de setembro.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;