Fechar
Publicidade

Domingo, 12 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

diarinho@dgabc.com.br | 4435-8396

O que é preconceito?

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Hábito ruim precede a compreensão sobre uma pessoa ou um fato em especial


Luís Felipe Soares

13/06/2020 | 23:59


O preconceito existe a partir do julgamento baseado na aparência ou características de uma pessoa ou um grupo para tentar saber quem realmente é esse indivíduo ou a comunidade. Basicamente, acaba ligado ao ditado popular de que não se deve julgar um livro pela capa, ou seja, é preciso descobrir bem mais do que os olhos veem de imediato. Infelizmente, essa avaliação geralmente está conectada a coisas ruins ou não desejáveis, sendo elas sem qualquer comprovação anterior por meio de pesquisas científicas ou análises especiais, apenas ‘fofoca’.

Ele aparece em situações em que o julgamento precede a compreensão, com uma ‘certeza’ sendo criada mesmo não havendo conhecimento sobre a pessoa ou o fato em especial. Acaba por ser mau hábito que ocorre em diferentes ambientes, incluindo o universo escolar. Na sala de aula, por exemplo, novo aluno surge e apresenta certos traços, como balançar as mãos quando fica feliz, ser muito tímido ou ter características físicas chamativas. Pode ser que ele seja erroneamente um motivo de deboche entre a turma, sendo que ninguém o procurou para tentar uma aproximação e conhecê-lo melhor. Entre outros exemplos de atitudes preconceituosas desse problema estão associar meninas à fraqueza e comentar que uma criança preta tem cabelo ‘ruim’.

A discriminação acontece quando o preconceito é colocado em prática e tem impacto sobre a vida de pessoas que são atacadas, muitas vezes na forma de racismo (por causa de etnia ou cor), machismo (enaltecimento dos homens sobre as mulheres) e discursos de ódio. Já a segregação é uma separação, sendo ela geográfica ou não, de grupos considerados indesejáveis em determinada sociedade, assim como no chamado Apartheid (separação, em tradução livre para o português), entre os anos 1940 e 1990, com pessoas pretas tendo sido separadas das pessoas brancas na África do Sul.

As complicações motivadas por comportamento preconceituoso precisam ser combatidas, incluindo com questionamentos e posicionamentos contrários no dia a dia. É preciso compreender que existe certa parcela da população que ocupa posições de privilégio e que esse tipo de divisão cria uma estrutura desigual na sociedade. Uma sociedade equilibrada busca por maior inclusão e menor desigualdade entre as pessoas.

Consultoria de Gabriela Bandeira, professora de sociologia e criadora de conteúdo do canal ''''Sociologia Com a Gabi'''', no YouTube. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

O que é preconceito?

Hábito ruim precede a compreensão sobre uma pessoa ou um fato em especial

Luís Felipe Soares

13/06/2020 | 23:59


O preconceito existe a partir do julgamento baseado na aparência ou características de uma pessoa ou um grupo para tentar saber quem realmente é esse indivíduo ou a comunidade. Basicamente, acaba ligado ao ditado popular de que não se deve julgar um livro pela capa, ou seja, é preciso descobrir bem mais do que os olhos veem de imediato. Infelizmente, essa avaliação geralmente está conectada a coisas ruins ou não desejáveis, sendo elas sem qualquer comprovação anterior por meio de pesquisas científicas ou análises especiais, apenas ‘fofoca’.

Ele aparece em situações em que o julgamento precede a compreensão, com uma ‘certeza’ sendo criada mesmo não havendo conhecimento sobre a pessoa ou o fato em especial. Acaba por ser mau hábito que ocorre em diferentes ambientes, incluindo o universo escolar. Na sala de aula, por exemplo, novo aluno surge e apresenta certos traços, como balançar as mãos quando fica feliz, ser muito tímido ou ter características físicas chamativas. Pode ser que ele seja erroneamente um motivo de deboche entre a turma, sendo que ninguém o procurou para tentar uma aproximação e conhecê-lo melhor. Entre outros exemplos de atitudes preconceituosas desse problema estão associar meninas à fraqueza e comentar que uma criança preta tem cabelo ‘ruim’.

A discriminação acontece quando o preconceito é colocado em prática e tem impacto sobre a vida de pessoas que são atacadas, muitas vezes na forma de racismo (por causa de etnia ou cor), machismo (enaltecimento dos homens sobre as mulheres) e discursos de ódio. Já a segregação é uma separação, sendo ela geográfica ou não, de grupos considerados indesejáveis em determinada sociedade, assim como no chamado Apartheid (separação, em tradução livre para o português), entre os anos 1940 e 1990, com pessoas pretas tendo sido separadas das pessoas brancas na África do Sul.

As complicações motivadas por comportamento preconceituoso precisam ser combatidas, incluindo com questionamentos e posicionamentos contrários no dia a dia. É preciso compreender que existe certa parcela da população que ocupa posições de privilégio e que esse tipo de divisão cria uma estrutura desigual na sociedade. Uma sociedade equilibrada busca por maior inclusão e menor desigualdade entre as pessoas.

Consultoria de Gabriela Bandeira, professora de sociologia e criadora de conteúdo do canal ''''Sociologia Com a Gabi'''', no YouTube. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;