Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Pence comemora dado de emprego dos EUA e diz que Casa Branca discute estímulos



05/06/2020 | 12:44


O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, comemorou os números surpreendentes do relatório de emprego da economia americana, o payroll, divulgados mais cedo, e disse que a Casa Branca discute novos estímulos à economia do país, como cortes de impostos na folha de pagamentos. "Payroll de hoje indica que recuperação econômica já começou", declarou, elogiando, em seguida, as medidas de apoio às famílias e empresas tomadas pelo governo ao longo dos últimos meses.

Segundo dados divulgados nesta sexta-feira, 5, a economia americana criou 2,509 milhões de empregos em maio, enquanto a mediana de previsões de analistas consultados pelo Projeções Broadcast era de fechamento de 8 milhões de vagas. Os mercados internacionais responderam à notícia com disseminação acentuada do apetite por risco.

Em entrevista à emissora CNBC, Pence avaliou que o payroll de hoje mostra que a decisão de reabertura da economia dos EUA após o período de quarentena foi acertada. "Faremos o que for necessário para trazer economia de volta aos trilhos", declarou o vice-presidente, que também elogiou o governo local no combate ao coronavírus. "Sob liderança de Trump, conseguimos achatar a curva de contaminação do coronavírus."

Pence, contudo, manteve o tom firme da Casa Branca contra a China e contra os protestos que agitam o país desde o assassinato de George Floyd.

Para ele, a postura do país asiático em relação à covid-19 é prova de que Trump acertou ao elevar o tom contra Pequim desde o primeiro dia de seu mandato. "Vamos continuar atribuindo à China responsabilidade por coronavírus", declarou, na entrevista. "E nosso governo também não vai tolerar protestos violentos", completou.

O governo dos EUA tem ameaçado convocar a Força Nacional para conter as manifestações, o que tem sido alvo de críticas de parlamentares de oposição e da base.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Pence comemora dado de emprego dos EUA e diz que Casa Branca discute estímulos


05/06/2020 | 12:44


O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, comemorou os números surpreendentes do relatório de emprego da economia americana, o payroll, divulgados mais cedo, e disse que a Casa Branca discute novos estímulos à economia do país, como cortes de impostos na folha de pagamentos. "Payroll de hoje indica que recuperação econômica já começou", declarou, elogiando, em seguida, as medidas de apoio às famílias e empresas tomadas pelo governo ao longo dos últimos meses.

Segundo dados divulgados nesta sexta-feira, 5, a economia americana criou 2,509 milhões de empregos em maio, enquanto a mediana de previsões de analistas consultados pelo Projeções Broadcast era de fechamento de 8 milhões de vagas. Os mercados internacionais responderam à notícia com disseminação acentuada do apetite por risco.

Em entrevista à emissora CNBC, Pence avaliou que o payroll de hoje mostra que a decisão de reabertura da economia dos EUA após o período de quarentena foi acertada. "Faremos o que for necessário para trazer economia de volta aos trilhos", declarou o vice-presidente, que também elogiou o governo local no combate ao coronavírus. "Sob liderança de Trump, conseguimos achatar a curva de contaminação do coronavírus."

Pence, contudo, manteve o tom firme da Casa Branca contra a China e contra os protestos que agitam o país desde o assassinato de George Floyd.

Para ele, a postura do país asiático em relação à covid-19 é prova de que Trump acertou ao elevar o tom contra Pequim desde o primeiro dia de seu mandato. "Vamos continuar atribuindo à China responsabilidade por coronavírus", declarou, na entrevista. "E nosso governo também não vai tolerar protestos violentos", completou.

O governo dos EUA tem ameaçado convocar a Força Nacional para conter as manifestações, o que tem sido alvo de críticas de parlamentares de oposição e da base.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;