Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolsas de NY fecham na maioria em baixa, em sessão volátil



04/06/2020 | 17:59


As bolsas de Nova York fecharam sem sinal único, com o Dow Jones ganhando fôlego na reta final dos negócios. O quadro majoritário, porém, foi negativo, em meio a declarações cautelosas da presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, das dúvidas sobre a pandemia de coronavírus e as tensões entre Estados Unidos e China e protestos em cidades americanas, embora continue a existir certo otimismo entre investidores com o ritmo da retomada econômica.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,05%, em 26.281,82 pontos, o Nasdaq recuou 0,69%, a 9.615,81 pontos, e o S&P 500 caiu 0,34%, a 3.112,35 pontos.

As declarações da presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, de que a economia da zona do euro deve encolher 8,7% neste ano ampararam certa cautela nas bolsas, no início do dia, mesmo que o BCE também tenha elevado estímulos. Ainda pela manhã, as bolsas de Nova York passaram ao território positivo, com otimismo diante da retomada econômica. Horas depois, porém, voltaram a recuar, com baixa em ações de tecnologia, mas também em outros setores.

Entre ações em foco, Boeing subiu 6,43%, após a Air Transport Services, empresa de leasing, informar sobre um acordo para arrendar 12 aeronaves de carga da Boeing para a Amazon. Bancos também se saíram bem, como Citigroup (+4,33%), Goldman Sachs (+2,02%) e Bank of America (+3,76%). Já Apple caiu 0,86%, Alphabet recuou 1,73%, Amazon cedeu 0,72%, Facebook caiu 1,68% e Microsoft, 1,32%.

Na avaliação da Capital Economics, os ativos de mais risco têm se saído melhor no último mês, mesmo diante das evidências do estrago econômico da pandemia, graças a medidas de apoio de governos e bancos centrais. Em relatório, a consultoria diz acreditar que esse cenário pode se estender por um tempo, já que é mais fácil o apoio ser estendido ou ampliado do que diminuir, no quadro atual.

Contato: gabriel.costa@estadao.com



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsas de NY fecham na maioria em baixa, em sessão volátil


04/06/2020 | 17:59


As bolsas de Nova York fecharam sem sinal único, com o Dow Jones ganhando fôlego na reta final dos negócios. O quadro majoritário, porém, foi negativo, em meio a declarações cautelosas da presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, das dúvidas sobre a pandemia de coronavírus e as tensões entre Estados Unidos e China e protestos em cidades americanas, embora continue a existir certo otimismo entre investidores com o ritmo da retomada econômica.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,05%, em 26.281,82 pontos, o Nasdaq recuou 0,69%, a 9.615,81 pontos, e o S&P 500 caiu 0,34%, a 3.112,35 pontos.

As declarações da presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, de que a economia da zona do euro deve encolher 8,7% neste ano ampararam certa cautela nas bolsas, no início do dia, mesmo que o BCE também tenha elevado estímulos. Ainda pela manhã, as bolsas de Nova York passaram ao território positivo, com otimismo diante da retomada econômica. Horas depois, porém, voltaram a recuar, com baixa em ações de tecnologia, mas também em outros setores.

Entre ações em foco, Boeing subiu 6,43%, após a Air Transport Services, empresa de leasing, informar sobre um acordo para arrendar 12 aeronaves de carga da Boeing para a Amazon. Bancos também se saíram bem, como Citigroup (+4,33%), Goldman Sachs (+2,02%) e Bank of America (+3,76%). Já Apple caiu 0,86%, Alphabet recuou 1,73%, Amazon cedeu 0,72%, Facebook caiu 1,68% e Microsoft, 1,32%.

Na avaliação da Capital Economics, os ativos de mais risco têm se saído melhor no último mês, mesmo diante das evidências do estrago econômico da pandemia, graças a medidas de apoio de governos e bancos centrais. Em relatório, a consultoria diz acreditar que esse cenário pode se estender por um tempo, já que é mais fácil o apoio ser estendido ou ampliado do que diminuir, no quadro atual.

Contato: gabriel.costa@estadao.com

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;