Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 4 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Líderes mundiais falam de vacina e coronavírus em evento para levantar US$ 7,4 bi

Reprodução/Instagram                                                            Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

O dinheiro é considerado vital não apenas para proteger as crianças de doenças mortais



04/06/2020 | 11:32


Representantes de mais de 50 países, incluindo 35 chefes de Estado ou de governo, participaram do Global Vaccine Summit (Cúpula Global de Vacinas), um evento capitaneado pelo primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, para arrecadar US$ 7,4 bilhões em recursos que serão destinados à vacinação de crianças em todo o mundo. Os recursos serão destinados à Gavi, a Aliança da Vacina, uma organização internacional criada em 2000 para melhorar o acesso à vacinação nos países mais pobres do mundo.

O dinheiro é considerado vital não apenas para proteger as crianças de doenças mortais como poliomielite, difteria e sarampo, com a previsão de que até 8 milhões de vidas sejam salvas, mas também para ajudar a garantir a recuperação global da pandemia de coronavírus. Há o início de uma constatação de que por causa da covid-19 a imunização em crianças diminuiu de ritmo em países com menos recursos.

Em sua participação, a chanceler alemã, Angela Merkel, por exemplo, salientou que há o risco de doenças dadas como controladas voltarem. "Temos que ter vacinação em massa no mundo todo", afirmou. Da França, o presidente Emmanuel Macron disse esperar que a vacina contra covid-19 esteja pronta e a preço acessível "em breve".

O líder espanhol Pedro Sanchez congratulou o evento, disse que esperava que a vacina contra a covid-19 possa chegar ao mesmo tempo para os países em desenvolvimento e disse que precisava aproveitar a ocasião para falar sobre a América Latina, cujos países são próximos do seu. "É uma das regiões com os maiores índices de desigualdade no mundo, com muita gente vivendo abaixo da linha da pobreza. Ninguém estará protegido até que todos estejam protegidos", afirmou.

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, afirmou que a Olimpíada em seu país, que foi transferida de 2020 para o ano que vem por causa da pandemia, mostrará que o mundo conseguiu combater a covid-19. Também deram declarações os líderes da Turquia, da Islândia, e da Nova Zelândia. Jacinda Ardern disse que "este é o momento de encontrarmos uma solução global para a covid-19".

Assim como vários outros países, que até doaram montantes mais elevados, o primeiro-ministro da China, Li Keqiang, aproveitou o momento para anunciar a doação de US$ 20 milhões até 2025 para a entidade. Da mesma forma, a Coreia do Sul disse que enviará US$ 30 milhões para a Gavi.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que vacina era sinônimo de "afastamento do medo", também anunciou doação e disse que "em tempos extraordinários, precisamos de ações extraordinárias".

Também falaram os primeiros-ministros da Índia, da Irlanda, da Holanda. O evento contou ainda com o apoio de vários líderes à Organização Mundial de Saúde (OMS), que vem sendo atacada pelos Estados Unidos. Uma das líderes que mostrou solidariedade com a instituição multilateral foi a presidente suíça, Simonetta Sommaruga. "O momento é de solidariedade no mundo, com a OMS no centro", afirmou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Líderes mundiais falam de vacina e coronavírus em evento para levantar US$ 7,4 bi

O dinheiro é considerado vital não apenas para proteger as crianças de doenças mortais


04/06/2020 | 11:32


Representantes de mais de 50 países, incluindo 35 chefes de Estado ou de governo, participaram do Global Vaccine Summit (Cúpula Global de Vacinas), um evento capitaneado pelo primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, para arrecadar US$ 7,4 bilhões em recursos que serão destinados à vacinação de crianças em todo o mundo. Os recursos serão destinados à Gavi, a Aliança da Vacina, uma organização internacional criada em 2000 para melhorar o acesso à vacinação nos países mais pobres do mundo.

O dinheiro é considerado vital não apenas para proteger as crianças de doenças mortais como poliomielite, difteria e sarampo, com a previsão de que até 8 milhões de vidas sejam salvas, mas também para ajudar a garantir a recuperação global da pandemia de coronavírus. Há o início de uma constatação de que por causa da covid-19 a imunização em crianças diminuiu de ritmo em países com menos recursos.

Em sua participação, a chanceler alemã, Angela Merkel, por exemplo, salientou que há o risco de doenças dadas como controladas voltarem. "Temos que ter vacinação em massa no mundo todo", afirmou. Da França, o presidente Emmanuel Macron disse esperar que a vacina contra covid-19 esteja pronta e a preço acessível "em breve".

O líder espanhol Pedro Sanchez congratulou o evento, disse que esperava que a vacina contra a covid-19 possa chegar ao mesmo tempo para os países em desenvolvimento e disse que precisava aproveitar a ocasião para falar sobre a América Latina, cujos países são próximos do seu. "É uma das regiões com os maiores índices de desigualdade no mundo, com muita gente vivendo abaixo da linha da pobreza. Ninguém estará protegido até que todos estejam protegidos", afirmou.

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, afirmou que a Olimpíada em seu país, que foi transferida de 2020 para o ano que vem por causa da pandemia, mostrará que o mundo conseguiu combater a covid-19. Também deram declarações os líderes da Turquia, da Islândia, e da Nova Zelândia. Jacinda Ardern disse que "este é o momento de encontrarmos uma solução global para a covid-19".

Assim como vários outros países, que até doaram montantes mais elevados, o primeiro-ministro da China, Li Keqiang, aproveitou o momento para anunciar a doação de US$ 20 milhões até 2025 para a entidade. Da mesma forma, a Coreia do Sul disse que enviará US$ 30 milhões para a Gavi.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que vacina era sinônimo de "afastamento do medo", também anunciou doação e disse que "em tempos extraordinários, precisamos de ações extraordinárias".

Também falaram os primeiros-ministros da Índia, da Irlanda, da Holanda. O evento contou ainda com o apoio de vários líderes à Organização Mundial de Saúde (OMS), que vem sendo atacada pelos Estados Unidos. Uma das líderes que mostrou solidariedade com a instituição multilateral foi a presidente suíça, Simonetta Sommaruga. "O momento é de solidariedade no mundo, com a OMS no centro", afirmou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;