Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

'É preciso enfrentar o racismo e o fascismo', diz Giovanna Ewbank



02/06/2020 | 10:14


"Você está cansada? Eu também. Exausta. Assistimos diariamente a violação da vida, do respeito, da dignidade humana". Assim começa o desabafo de Giovanna Ewbank nas redes sociais.

Publicado o texto nesta segunda-feira, dia 1º, a modelo falou sobre os casos de violência contra negros que estão ocorrendo no Brasil e no mundo. "Um pai de família é estrangulado à luz do dia. Um casal é arrancado de seu carro e preso sem motivos. Um menino é fuzilado dentro de casa e seu corpo sequestrado. Um repórter é algemado ao vivo. Em comum a cor da pele e a ação violenta do Estado. As câmeras registram o racismo nosso de cada dia", afirma.

Giovanna e o ator Bruno Gagliasso são pais de Titi, de seis anos, e de Bless, cinco, ambos adotados no continente africano. Agora, eles estão a espera do terceiro filho, um menino, que se chamará Zyon. A modelo demonstra preocupação com a escalada do racismo e a segurança dos filhos.

"A preocupação com o futuro dos filhos é inevitável e um grito de revolta fica entalado na garganta. Quando conversamos com amigos e familiares, a sensação é a mesma. Todos fartos de ver uma estrutura que tortura pessoas pobres e pretas, que silencia ideias, que persegue e intimida cidadãos. Até o dia que o copo transborda e surge uma resposta à essa violência. O povo preto toma as ruas. As torcidas baixam bandeiras e se unem pela democracia. Em todo mundo, mais e mais pessoas compreendem o momento e se juntam à luta", afirma.

Para Giovanna, as pessoas precisam sair às ruas e enfrentar o racismo e o fascismo. "Cada um com as ferramentas de que dispõe e todos unidos por uma sociedade que respeite o cidadão e a vida. Somos muitos, somos diversos. O antifascismo é o que nos une. Lutar contra a opressão, contra o autoritarismo, contra o racismo, contra a política da morte é a nossa força. Acima de tudo, a vida. A revolução começou e nada será capaz de deter. Essa luta é de todos nós", conclui.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'É preciso enfrentar o racismo e o fascismo', diz Giovanna Ewbank


02/06/2020 | 10:14


"Você está cansada? Eu também. Exausta. Assistimos diariamente a violação da vida, do respeito, da dignidade humana". Assim começa o desabafo de Giovanna Ewbank nas redes sociais.

Publicado o texto nesta segunda-feira, dia 1º, a modelo falou sobre os casos de violência contra negros que estão ocorrendo no Brasil e no mundo. "Um pai de família é estrangulado à luz do dia. Um casal é arrancado de seu carro e preso sem motivos. Um menino é fuzilado dentro de casa e seu corpo sequestrado. Um repórter é algemado ao vivo. Em comum a cor da pele e a ação violenta do Estado. As câmeras registram o racismo nosso de cada dia", afirma.

Giovanna e o ator Bruno Gagliasso são pais de Titi, de seis anos, e de Bless, cinco, ambos adotados no continente africano. Agora, eles estão a espera do terceiro filho, um menino, que se chamará Zyon. A modelo demonstra preocupação com a escalada do racismo e a segurança dos filhos.

"A preocupação com o futuro dos filhos é inevitável e um grito de revolta fica entalado na garganta. Quando conversamos com amigos e familiares, a sensação é a mesma. Todos fartos de ver uma estrutura que tortura pessoas pobres e pretas, que silencia ideias, que persegue e intimida cidadãos. Até o dia que o copo transborda e surge uma resposta à essa violência. O povo preto toma as ruas. As torcidas baixam bandeiras e se unem pela democracia. Em todo mundo, mais e mais pessoas compreendem o momento e se juntam à luta", afirma.

Para Giovanna, as pessoas precisam sair às ruas e enfrentar o racismo e o fascismo. "Cada um com as ferramentas de que dispõe e todos unidos por uma sociedade que respeite o cidadão e a vida. Somos muitos, somos diversos. O antifascismo é o que nos une. Lutar contra a opressão, contra o autoritarismo, contra o racismo, contra a política da morte é a nossa força. Acima de tudo, a vida. A revolução começou e nada será capaz de deter. Essa luta é de todos nós", conclui.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;