Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Lojistas dos EUA fecham as portas por temer onda de protestos



31/05/2020 | 21:29


Os atos após o assassinato de George Floyd, um homem negro, por um policial branco na cidade de Minneapolis, nos Estados Unidos, afetaram o funcionamento de grandes redes de lojas e de pequenos comerciantes em diversas cidades americanas. Isso porque os protestos têm sido acompanhados de depredação e vandalismo, o que levou dezenas de cidades a pedirem ajuda da Guarda Nacional.

Neste domingo, grandes companhias como Target, CVS, Apple e Walmart anunciaram que estão fechando temporariamente suas lojas por motivos de segurança, já que algumas de suas unidades já foram incendiadas e depredadas. A Amazon disse hoje que vai alterar ou até suspender entregas de mercadorias em cidades diversas, incluindo Chicago, Los Angeles, Seattle e Minneapolis.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, atribui a onda violência a manifestantes da "extrema-esquerda" e ligados a grupos antifascismo, os quais serão vistos pelo governo como "organizações terroristas", segundo escreveu o político republicano em sua conta no Twitter. Entre os conteúdos que tem publicado para criticar os manifestantes, Trump tuitou o vídeo de um homem, dono de um pequeno comércio, que acaba espancado por supostos militantes ao tentar impedir que sua loja fosse depredada.

Na noite de sábado para domingo, centenas de pessoas foram presas por todo o país, muitas em confronto com as polícias locais. Em Nova York, a polícia local informou que 47 viaturas foram vandalizadas, algumas foram incendiadas.

Grandes cidades americanas decretaram toque de recolher para tentar conter a fúria dos manifestantes. A medida foi adotada em cidades como Boston, São Francisco, Chicago, Atlanta e Filadélfia. Às 21h (de Brasília) deste domingo, a manchete do site do The New York Times era "Cidades por todo o país se preparam para outra noite de agitação". (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Lojistas dos EUA fecham as portas por temer onda de protestos


31/05/2020 | 21:29


Os atos após o assassinato de George Floyd, um homem negro, por um policial branco na cidade de Minneapolis, nos Estados Unidos, afetaram o funcionamento de grandes redes de lojas e de pequenos comerciantes em diversas cidades americanas. Isso porque os protestos têm sido acompanhados de depredação e vandalismo, o que levou dezenas de cidades a pedirem ajuda da Guarda Nacional.

Neste domingo, grandes companhias como Target, CVS, Apple e Walmart anunciaram que estão fechando temporariamente suas lojas por motivos de segurança, já que algumas de suas unidades já foram incendiadas e depredadas. A Amazon disse hoje que vai alterar ou até suspender entregas de mercadorias em cidades diversas, incluindo Chicago, Los Angeles, Seattle e Minneapolis.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, atribui a onda violência a manifestantes da "extrema-esquerda" e ligados a grupos antifascismo, os quais serão vistos pelo governo como "organizações terroristas", segundo escreveu o político republicano em sua conta no Twitter. Entre os conteúdos que tem publicado para criticar os manifestantes, Trump tuitou o vídeo de um homem, dono de um pequeno comércio, que acaba espancado por supostos militantes ao tentar impedir que sua loja fosse depredada.

Na noite de sábado para domingo, centenas de pessoas foram presas por todo o país, muitas em confronto com as polícias locais. Em Nova York, a polícia local informou que 47 viaturas foram vandalizadas, algumas foram incendiadas.

Grandes cidades americanas decretaram toque de recolher para tentar conter a fúria dos manifestantes. A medida foi adotada em cidades como Boston, São Francisco, Chicago, Atlanta e Filadélfia. Às 21h (de Brasília) deste domingo, a manchete do site do The New York Times era "Cidades por todo o país se preparam para outra noite de agitação". (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;