Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Brasil tem recorde de infecções em um dia e já é o 4º em mortes por coronavírus

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


30/05/2020 | 19:36


Um dia após ultrapassar a Espanha, o Brasil superou neste sábado, 30, a França em número de mortes por coronavírus e agora é o quarto país no mundo com a maior quantidade de óbitos. Segundo dados da Universidade Johns Hopkins, o país europeu tem 28.717 mil mortes. Já o Brasil acumula o saldo total de 28.834 com os 956 óbitos registrados nas últimas 24 horas. A taxa de letalidade é de 5,8%, ou 13,7 mortes a cada 100 mil habitantes.

O Brasil está atrás apenas dos Estados Unidos (103,4 mil mortes), Reino Unido (38,4 mil) e Itália (33,3 mil), mas estes dois últimos já passaram pelo pico da doença e apresentam números cada vez menores.

Além disso, de acordo com o balanço do Ministério da Saúde divulgado neste sábado, o País registrou de sexta para sábado o recorde de 33.274 novos casos de infecção, elevando o total de contaminados para 498.440. Em números absolutos, o Brasil ocupa o segundo lugar no ranking mundial de infecção por covid-19, atrás apenas dos Estados Unidos, que somam 1,7 milhão.

Mais de 268,7 mil casos ainda aguardam resultado de exame. Os laboratórios públicos e privados realizaram 930 mil testes no total, um número muito baixo em relação ao tamanho da população e aos outros países com muitos casos positivos. A testagem é considerada uma das principais ferramentas de combate ao coronavírus, pois é possível detectar as pessoas infectadas, mesmo aquelas que são assintomáticas, e isolá-las, a fim de evitar a propagação.

O secretário substituto de Vigilância em Saúde, Eduardo Macário, voltou a dizer na coletiva realizada na sexta-feira que o Ministério da Saúde não trabalha com estimativa de pico do coronavírus, pois "somos um país continental" e as doenças se comportam de forma distinta nas regiões, disse.

"A gente está trabalhando com doença nova com certo nível de complexidade. Muitas pessoas têm sintomas leves, acabam não procurando o sistema de saúde e podem transmitir o vírus para outras pessoas. A maioria dos casos que aparecem é de sintomas mais pronunciados", explicou.

O Brasil está perto de ter meio milhão de infectados, mas Estados como São Paulo e Ceará já falam em uma retomada gradual das atividades. O governador do Distrito Federal Ibaneis Rocha (MDB) decretou neste sábado a reabertura de igrejas e parques na região.

O Estado de São Paulo, que desde o início é o epicentro da doença, anunciou um programa de relaxamento das medidas distanciamento social, o Plano São Paulo, que passa a vigorar a partir do dia 1º. De ontem para hoje, a região teve 5,5 mil novos casos de contaminação e 257 mortes, elevando o total para 107,1 mil e 7,5 mil respectivamente. Os três maiores recordes de número de novos casos por dia da pandemia, desde março, foram atingidos, nesta quinta (6,3 mil), sexta (5,6 mil) e sábado.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Brasil tem recorde de infecções em um dia e já é o 4º em mortes por coronavírus


30/05/2020 | 19:36


Um dia após ultrapassar a Espanha, o Brasil superou neste sábado, 30, a França em número de mortes por coronavírus e agora é o quarto país no mundo com a maior quantidade de óbitos. Segundo dados da Universidade Johns Hopkins, o país europeu tem 28.717 mil mortes. Já o Brasil acumula o saldo total de 28.834 com os 956 óbitos registrados nas últimas 24 horas. A taxa de letalidade é de 5,8%, ou 13,7 mortes a cada 100 mil habitantes.

O Brasil está atrás apenas dos Estados Unidos (103,4 mil mortes), Reino Unido (38,4 mil) e Itália (33,3 mil), mas estes dois últimos já passaram pelo pico da doença e apresentam números cada vez menores.

Além disso, de acordo com o balanço do Ministério da Saúde divulgado neste sábado, o País registrou de sexta para sábado o recorde de 33.274 novos casos de infecção, elevando o total de contaminados para 498.440. Em números absolutos, o Brasil ocupa o segundo lugar no ranking mundial de infecção por covid-19, atrás apenas dos Estados Unidos, que somam 1,7 milhão.

Mais de 268,7 mil casos ainda aguardam resultado de exame. Os laboratórios públicos e privados realizaram 930 mil testes no total, um número muito baixo em relação ao tamanho da população e aos outros países com muitos casos positivos. A testagem é considerada uma das principais ferramentas de combate ao coronavírus, pois é possível detectar as pessoas infectadas, mesmo aquelas que são assintomáticas, e isolá-las, a fim de evitar a propagação.

O secretário substituto de Vigilância em Saúde, Eduardo Macário, voltou a dizer na coletiva realizada na sexta-feira que o Ministério da Saúde não trabalha com estimativa de pico do coronavírus, pois "somos um país continental" e as doenças se comportam de forma distinta nas regiões, disse.

"A gente está trabalhando com doença nova com certo nível de complexidade. Muitas pessoas têm sintomas leves, acabam não procurando o sistema de saúde e podem transmitir o vírus para outras pessoas. A maioria dos casos que aparecem é de sintomas mais pronunciados", explicou.

O Brasil está perto de ter meio milhão de infectados, mas Estados como São Paulo e Ceará já falam em uma retomada gradual das atividades. O governador do Distrito Federal Ibaneis Rocha (MDB) decretou neste sábado a reabertura de igrejas e parques na região.

O Estado de São Paulo, que desde o início é o epicentro da doença, anunciou um programa de relaxamento das medidas distanciamento social, o Plano São Paulo, que passa a vigorar a partir do dia 1º. De ontem para hoje, a região teve 5,5 mil novos casos de contaminação e 257 mortes, elevando o total para 107,1 mil e 7,5 mil respectivamente. Os três maiores recordes de número de novos casos por dia da pandemia, desde março, foram atingidos, nesta quinta (6,3 mil), sexta (5,6 mil) e sábado.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;