Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Cesta básica custa R$ 90 a mais do que no ano passado

Denis Maciel/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Compras de maio saem por R$ 726,50 na região, alta de 13,53% em relação a 2019


Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

30/05/2020 | 04:37


Com a pandemia do novo coronavírus, desvalorização cambial e incertezas em relação ao futuro, a economia vem sofrendo quedas em todo o mundo. Porém, o cenário também se reverteu na alta das compras do mês e acabou pesando ainda mais no bolso do consumidor. A cesta básica de maio ficou em R$ 726,50 no Grande ABC, praticamente R$ 90 a mais em relação ao mesmo período do ano passado (R$ 86,57), alta de 13,53%.

Os dados são de pesquisa da Craisa (Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André), que considera a cotação de 34 itens em mercados da região, baseada no consumo de uma família de quatro pessoas, com dois adultos e duas crianças.

A alta dos preços representa quase seis vezes a inflação nos últimos 12 meses – terminados em abril –, que ficou em 2,40%. No último mês, o IPCA
(Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) chegou à deflação – queda de preços – de 0,31%, a menor desde agosto de 1998 (-0,51%). Neste ano, índice está em 0,22%.

De acordo com o engenheiro agrônomo responsável pelo levantamento, Fábio Vezzá De Benedetto, o aumento da maioria dos preços é resultado de diversos fatores. Do total dos 34 produtos com preços coletados, 20 tiveram alta, um permaneceu estável e 13 caíram. A alta foi de 3,70%, ou R$ 26,06 em relação a abril.

“Acho que é uma soma de incerteza econômica, com toda essa especulação de como as coisas ficarão após a pandemia, inclusive a questão política, tudo isso dá uma bagunçada. As pessoas estão comendo mais em casa e diminuiu o consumo nos restaurantes, então os consumidores estão se abastecendo mais no mercado e uma demanda maior pode ter influenciado nos preços. Também tem a questão da desvalorização do real frente ao dólar, que impacta em diversos produtos”, disse o especialista.

A questão cambial foi uma das principais a influenciar no preço da ‘vilã’ da cesta deste mês. A cebola teve alta de 39,63% em relação a abril, chegando à média de R$ 5,99 o quilo (veja na arte ao lado).

O produto, que atualmente é importado da Argentina, tem um dos maiores preços de toda a série histórica, desde 2015, quando chegou à média de R$ 7,99 o quilo, já que precisou ser importada da Holanda. “Além do dólar alto, o processo também está mais demorado. A Argentina está restringindo essa questão por causa da pandemia”, afirmou o engenheiro agrônomo.

O câmbio influencia nos preços dos produtos que são classificados como commodities, ou seja, bens classificados como matérias-primas e que têm o preço determinado pela oferta e procura internacional. Entre eles está o boi gordo, que interfere no preço da carne (a de segunda teve alta de 9,20%, com o preço do quilo do acém em R$ 21,82, e o de primeira subiu 6,52%, com o quilo do coxão mole a R$ 28,52), do arroz (alta de 6,10%, com o pacote de cinco quilos a R$ 16,53) e da farinha de trigo (aumento de 16,06%, com o valor de R$ 4,46 a embalagem com um quilo).

A batata, que teve alta de 19,16% e custa em média R$ 6,32 o quilo, sofreu influência do tempo seco. Aliás, a onda de frente fria pode piorar ainda mais a situação do valor da cesta. “O dólar pode até recuar um pouco, assim como o consumo das famílias, mas as pessoas precisam comer. A nossa cesta é baseada no preço de alimentos e, dependendo de como será o período de inverno, teremos entressafra em muitos produtos, como o feijão (alta de 11,59%, a R$ 8,49 o quilo). As famílias pobres são as mais impactadas e estão em uma sinuca de bico, sem alternativas. O que dá para fazer é tentar ao máximo incluir frutas de estação, como a laranja”, afirmou.

Outras opções de mistura, como o frango e o ovo, também registraram alta neste mês. O primeiro, de 16,70% (R$ 7,68 o quilo) e, o segundo, de 2,10% (R$ 7,40 a dúzia). 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cesta básica custa R$ 90 a mais do que no ano passado

Compras de maio saem por R$ 726,50 na região, alta de 13,53% em relação a 2019

Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

30/05/2020 | 04:37


Com a pandemia do novo coronavírus, desvalorização cambial e incertezas em relação ao futuro, a economia vem sofrendo quedas em todo o mundo. Porém, o cenário também se reverteu na alta das compras do mês e acabou pesando ainda mais no bolso do consumidor. A cesta básica de maio ficou em R$ 726,50 no Grande ABC, praticamente R$ 90 a mais em relação ao mesmo período do ano passado (R$ 86,57), alta de 13,53%.

Os dados são de pesquisa da Craisa (Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André), que considera a cotação de 34 itens em mercados da região, baseada no consumo de uma família de quatro pessoas, com dois adultos e duas crianças.

A alta dos preços representa quase seis vezes a inflação nos últimos 12 meses – terminados em abril –, que ficou em 2,40%. No último mês, o IPCA
(Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) chegou à deflação – queda de preços – de 0,31%, a menor desde agosto de 1998 (-0,51%). Neste ano, índice está em 0,22%.

De acordo com o engenheiro agrônomo responsável pelo levantamento, Fábio Vezzá De Benedetto, o aumento da maioria dos preços é resultado de diversos fatores. Do total dos 34 produtos com preços coletados, 20 tiveram alta, um permaneceu estável e 13 caíram. A alta foi de 3,70%, ou R$ 26,06 em relação a abril.

“Acho que é uma soma de incerteza econômica, com toda essa especulação de como as coisas ficarão após a pandemia, inclusive a questão política, tudo isso dá uma bagunçada. As pessoas estão comendo mais em casa e diminuiu o consumo nos restaurantes, então os consumidores estão se abastecendo mais no mercado e uma demanda maior pode ter influenciado nos preços. Também tem a questão da desvalorização do real frente ao dólar, que impacta em diversos produtos”, disse o especialista.

A questão cambial foi uma das principais a influenciar no preço da ‘vilã’ da cesta deste mês. A cebola teve alta de 39,63% em relação a abril, chegando à média de R$ 5,99 o quilo (veja na arte ao lado).

O produto, que atualmente é importado da Argentina, tem um dos maiores preços de toda a série histórica, desde 2015, quando chegou à média de R$ 7,99 o quilo, já que precisou ser importada da Holanda. “Além do dólar alto, o processo também está mais demorado. A Argentina está restringindo essa questão por causa da pandemia”, afirmou o engenheiro agrônomo.

O câmbio influencia nos preços dos produtos que são classificados como commodities, ou seja, bens classificados como matérias-primas e que têm o preço determinado pela oferta e procura internacional. Entre eles está o boi gordo, que interfere no preço da carne (a de segunda teve alta de 9,20%, com o preço do quilo do acém em R$ 21,82, e o de primeira subiu 6,52%, com o quilo do coxão mole a R$ 28,52), do arroz (alta de 6,10%, com o pacote de cinco quilos a R$ 16,53) e da farinha de trigo (aumento de 16,06%, com o valor de R$ 4,46 a embalagem com um quilo).

A batata, que teve alta de 19,16% e custa em média R$ 6,32 o quilo, sofreu influência do tempo seco. Aliás, a onda de frente fria pode piorar ainda mais a situação do valor da cesta. “O dólar pode até recuar um pouco, assim como o consumo das famílias, mas as pessoas precisam comer. A nossa cesta é baseada no preço de alimentos e, dependendo de como será o período de inverno, teremos entressafra em muitos produtos, como o feijão (alta de 11,59%, a R$ 8,49 o quilo). As famílias pobres são as mais impactadas e estão em uma sinuca de bico, sem alternativas. O que dá para fazer é tentar ao máximo incluir frutas de estação, como a laranja”, afirmou.

Outras opções de mistura, como o frango e o ovo, também registraram alta neste mês. O primeiro, de 16,70% (R$ 7,68 o quilo) e, o segundo, de 2,10% (R$ 7,40 a dúzia). 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;