Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 4 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Cenógrafo e figurinista, Carlos Colabone morre aos 60 anos

Reprodução Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Jurado do Prêmio Shell de Teatro foi vítima de parada cardíaca



28/05/2020 | 08:15


O cenógrafo e figurinista Carlos Colabone morreu na madrugada desta quarta-feira, dia 27, vítima de parada cardíaca, aos 60 anos. Nascido em Rio Claro, no interior paulista o corpo do artista seguiu para a cidade, onde foi sepultado.

Os trabalhos na capital começaram ainda nos anos 1980, quando Colabone assinou cenografias para as peças do Teatro de Arena, na direção de Fauzi Arap (1938-2013), entre elas, Risco e Paixão (1989) e A História Acabou (1991).

Em 1994, criou a cenografia de Vestido de Noiva, peça de Nelson Rodrigues, para a produção do Grupo Tapa, dirigida por Eduardo Tolentino de Araújo. O trabalho de Colabone recebeu o extinto Prêmio Molière. No ano passado, voltou aos palco atuando em Reflexo Guimarães, de Gonzaga Pedrosa. Colabone também foi jurado do Prêmio Shell de Teatro - São Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cenógrafo e figurinista, Carlos Colabone morre aos 60 anos

Jurado do Prêmio Shell de Teatro foi vítima de parada cardíaca


28/05/2020 | 08:15


O cenógrafo e figurinista Carlos Colabone morreu na madrugada desta quarta-feira, dia 27, vítima de parada cardíaca, aos 60 anos. Nascido em Rio Claro, no interior paulista o corpo do artista seguiu para a cidade, onde foi sepultado.

Os trabalhos na capital começaram ainda nos anos 1980, quando Colabone assinou cenografias para as peças do Teatro de Arena, na direção de Fauzi Arap (1938-2013), entre elas, Risco e Paixão (1989) e A História Acabou (1991).

Em 1994, criou a cenografia de Vestido de Noiva, peça de Nelson Rodrigues, para a produção do Grupo Tapa, dirigida por Eduardo Tolentino de Araújo. O trabalho de Colabone recebeu o extinto Prêmio Molière. No ano passado, voltou aos palco atuando em Reflexo Guimarães, de Gonzaga Pedrosa. Colabone também foi jurado do Prêmio Shell de Teatro - São Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;