Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 29 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Presidente chama Doria de 'bosta' e Witzel, de 'estrume'



23/05/2020 | 07:10


Ao criticar o isolamento social como medida de combate ao novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro chamou o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), de "bosta", e o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), de "estrume".

"O que esses caras fizeram com o vírus, esse bosta desse governador de São Paulo, esse estrume do Rio de Janeiro, entre outros, é exatamente isso", disse Bolsonaro durante a reunião ministerial do dia 22.

No Twitter, Doria criticou o tom da reunião ministerial e os ataques de Bolsonaro. "O Brasil está atônito com o nível da reunião ministerial. Palavrões, ofensas e ataques a governadores, prefeitos, parlamentares e ministros do Supremo demonstram descaso com a democracia, desprezo pela Nação e agressões à institucionalidade da Presidência da República", afirmou. "Lamentável exemplo em meio à maior crise da saúde da história do País e diante de milhares de vítimas."

Chamado de "estrume" por Bolsonaro, Witzel reagiu, também com mensagem postada nas redes sociais. Ele disse que o presidente o chama em vídeo do ele "próprio se vê." "A falta de respeito de Bolsonaro pelos poderes atinge a honra de todos. Sinto na pele seu desapreço pela independência dos poderes. E espero que num futuro breve o povo brasileiro entenda que, do que ele me chama, é essencialmente como ele próprio se vê."

Aliados durante a eleição de 2018, Witzel e Bolsonaro romperam no ano passado, depois que o presidente passou a dizer que o governador quer ser candidato em 2022.

Anteontem, Bolsonaro fez uma reunião com os 27 governadores para discutir a ajuda do socorro emergencial aos Estados e municípios. Ninguém falou sobre as medidas de isolamento. Na semana passada, no entanto, Bolsonaro havia pedido para empresários de São Paulo "jogarem pesado" contra Doria para o fim da quarentena.

Na reunião ministerial, o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSDB), também foi atacado por Bolsonaro. A capital do Amazonas teve um colapso no atendimento de Saúde pelo elevado número de casos da covid-19. "Aproveitaram o vírus, tá um bosta de um prefeito lá de Manaus agora, abrindo covas coletivas. Um bosta. Que quem não conhece a história dele, procura conhecer, que eu conheci dentro da Câmara, com ele do meu lado! Né?", disse o presidente.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Presidente chama Doria de 'bosta' e Witzel, de 'estrume'


23/05/2020 | 07:10


Ao criticar o isolamento social como medida de combate ao novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro chamou o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), de "bosta", e o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), de "estrume".

"O que esses caras fizeram com o vírus, esse bosta desse governador de São Paulo, esse estrume do Rio de Janeiro, entre outros, é exatamente isso", disse Bolsonaro durante a reunião ministerial do dia 22.

No Twitter, Doria criticou o tom da reunião ministerial e os ataques de Bolsonaro. "O Brasil está atônito com o nível da reunião ministerial. Palavrões, ofensas e ataques a governadores, prefeitos, parlamentares e ministros do Supremo demonstram descaso com a democracia, desprezo pela Nação e agressões à institucionalidade da Presidência da República", afirmou. "Lamentável exemplo em meio à maior crise da saúde da história do País e diante de milhares de vítimas."

Chamado de "estrume" por Bolsonaro, Witzel reagiu, também com mensagem postada nas redes sociais. Ele disse que o presidente o chama em vídeo do ele "próprio se vê." "A falta de respeito de Bolsonaro pelos poderes atinge a honra de todos. Sinto na pele seu desapreço pela independência dos poderes. E espero que num futuro breve o povo brasileiro entenda que, do que ele me chama, é essencialmente como ele próprio se vê."

Aliados durante a eleição de 2018, Witzel e Bolsonaro romperam no ano passado, depois que o presidente passou a dizer que o governador quer ser candidato em 2022.

Anteontem, Bolsonaro fez uma reunião com os 27 governadores para discutir a ajuda do socorro emergencial aos Estados e municípios. Ninguém falou sobre as medidas de isolamento. Na semana passada, no entanto, Bolsonaro havia pedido para empresários de São Paulo "jogarem pesado" contra Doria para o fim da quarentena.

Na reunião ministerial, o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSDB), também foi atacado por Bolsonaro. A capital do Amazonas teve um colapso no atendimento de Saúde pelo elevado número de casos da covid-19. "Aproveitaram o vírus, tá um bosta de um prefeito lá de Manaus agora, abrindo covas coletivas. Um bosta. Que quem não conhece a história dele, procura conhecer, que eu conheci dentro da Câmara, com ele do meu lado! Né?", disse o presidente.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;