Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 31 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Israel adota medidas tímidas para aliviar bloqueios


Da AFP

29/10/2003 | 14:05


O governo de Israel adotou nesta quarta-feira tímidas medidas para aliviar o bloqueio dos territórios ocupados. As ações só foram tomadas diante de pressões de altas autoridades militares, as quais argumentam que a severidade do cerco só reforça o extremismo palestino.

Por outra parte, o exército israelense matou um palestino, membro do movimento radical Jihad Islâmica, perto de Gaza, segundo fontes médicas e de segurança palestinas.

Uma fonte militar israelense confirmou a morte do palestino, acrescentando que a vítima foi baleada em um setor na zona leste da cidade de Gaza, a algumas centenas de metros do kibbutz Nahal Oz, em território israelense.

Outro palestino, atingido durante um ataque aéreo israelense no último dia 2 no campo de refugiados de Nuseirat, na Faixa de Gaza, morreu devido aos ferimentos recebidos.

Cerca de quatro mil comerciantes palestinos da Cisjordânia foram autorizados a entrar em Israel e 1,5 mil operários palestinos da região receberam sinal verde para dirigir-se às fábricas nas quais trabalham no setor industrial de Ataroz, na zona norte de Jerusalém, informou a rádio militar israelense.

Além disso, os transportes públicos entre as diferentes cidades palestinas, até agora isoladas por um bloqueio interno, devem ser facilitados, acrescentou. Estas medidas de alívio ocorrem quando o mundo muçulmano celebra o mês de jejum do Ramadã.

Segundo o jornal israelense Yediot Aharonot, muitos oficiais superiores israelenses, entre eles o chefe do estado maior, o general Moshe Yaalon, aconselharam medidas de flexibilização na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, com o objetivo de reduzir a crescente influência dos movimentos radicais Hamas e Jihad Islâmica nesses territórios.

O general Yaalon se manifestou a favor de levantar o toque de recolher nos setores dos territórios palestinos nos quais não foi organizada nenhuma tentativa de atentado antiisraelens.

Os oficiais superiores de Israel destacaram ainda que o bloqueio dos territórios e das cidades palestinas, além das incessantes operações do exércitom, favorecem o aumento do extremismo.

O bloqueio total dos territórios palestinos foi instaurado no início de outubro, na véspera do Yom Kippur, o dia mais sagrado do calendário judeu. A medida se manteve depois do atentado suicida, no dia 4 de outubro, contra um restaurante de Haifa (Norte de Israel), que causou 21 mortos, além de sua autora, uma advogada da Jihad Islâmica.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Israel adota medidas tímidas para aliviar bloqueios

Da AFP

29/10/2003 | 14:05


O governo de Israel adotou nesta quarta-feira tímidas medidas para aliviar o bloqueio dos territórios ocupados. As ações só foram tomadas diante de pressões de altas autoridades militares, as quais argumentam que a severidade do cerco só reforça o extremismo palestino.

Por outra parte, o exército israelense matou um palestino, membro do movimento radical Jihad Islâmica, perto de Gaza, segundo fontes médicas e de segurança palestinas.

Uma fonte militar israelense confirmou a morte do palestino, acrescentando que a vítima foi baleada em um setor na zona leste da cidade de Gaza, a algumas centenas de metros do kibbutz Nahal Oz, em território israelense.

Outro palestino, atingido durante um ataque aéreo israelense no último dia 2 no campo de refugiados de Nuseirat, na Faixa de Gaza, morreu devido aos ferimentos recebidos.

Cerca de quatro mil comerciantes palestinos da Cisjordânia foram autorizados a entrar em Israel e 1,5 mil operários palestinos da região receberam sinal verde para dirigir-se às fábricas nas quais trabalham no setor industrial de Ataroz, na zona norte de Jerusalém, informou a rádio militar israelense.

Além disso, os transportes públicos entre as diferentes cidades palestinas, até agora isoladas por um bloqueio interno, devem ser facilitados, acrescentou. Estas medidas de alívio ocorrem quando o mundo muçulmano celebra o mês de jejum do Ramadã.

Segundo o jornal israelense Yediot Aharonot, muitos oficiais superiores israelenses, entre eles o chefe do estado maior, o general Moshe Yaalon, aconselharam medidas de flexibilização na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, com o objetivo de reduzir a crescente influência dos movimentos radicais Hamas e Jihad Islâmica nesses territórios.

O general Yaalon se manifestou a favor de levantar o toque de recolher nos setores dos territórios palestinos nos quais não foi organizada nenhuma tentativa de atentado antiisraelens.

Os oficiais superiores de Israel destacaram ainda que o bloqueio dos territórios e das cidades palestinas, além das incessantes operações do exércitom, favorecem o aumento do extremismo.

O bloqueio total dos territórios palestinos foi instaurado no início de outubro, na véspera do Yom Kippur, o dia mais sagrado do calendário judeu. A medida se manteve depois do atentado suicida, no dia 4 de outubro, contra um restaurante de Haifa (Norte de Israel), que causou 21 mortos, além de sua autora, uma advogada da Jihad Islâmica.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;