Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 29 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

'Quem não aceitar as minhas maneiras, está no governo errado', disse Bolsonaro em vídeo

Reprodução/Instagram Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Presidente também xinga prefeitos em reunião ministerial, cuja divulgação foi autorizada nesta sexta-feira


Do Diário do Grande ABC

22/05/2020 | 17:09


Atualizado às 18h56

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Celso de Mello decidiu, nesta sexta-feira (22), a favor da divulgação do vídeo que mostra a reunião ministerial de 22 de abril com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), na qual o ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, acusa o presidente a interferir politicamente na Polícia Federal. Em um trecho, Bolsonaro xinga prefeitos e diz que "quem não aceitar as minhas maneiras, minha família, Deus, Brasil, liberdade de expressão, está no governo errado".

Horas após a divulgação, Bolsonaro afirmou que "mais uma farsa (foi) desmontada" com a divulgação do vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril, divulgada nesta sexta-feira pelo ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal. "Nenhum indício de interferência na Polícia Federal", acrescentou, em publicação no Facebook, junto com um trecho de 21 minutos da reunião.

Houve cortes no vídeo, por parte de Celso de Mello, em trechos que mencionam outros países. “Assinalo que o sigilo que anteriormente decretei somente subsistirá quanto às poucas passagens do vídeo e da respectiva de gravação nas quais há referência a determinados Estados estrangeiros”, destacou. A AGU (Advocacia Geral da União) alega que divulgar o conteúdo completo do vídeo poderia comprometer o governo. Já a defesa de Moro defende que a gravação não possui "qualquer assunto pertinente a Segredo de Estado ou que possa gerar incidente diplomático, muito menos colocar em risco a Segurança Nacional".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'Quem não aceitar as minhas maneiras, está no governo errado', disse Bolsonaro em vídeo

Presidente também xinga prefeitos em reunião ministerial, cuja divulgação foi autorizada nesta sexta-feira

Do Diário do Grande ABC

22/05/2020 | 17:09


Atualizado às 18h56

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Celso de Mello decidiu, nesta sexta-feira (22), a favor da divulgação do vídeo que mostra a reunião ministerial de 22 de abril com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), na qual o ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, acusa o presidente a interferir politicamente na Polícia Federal. Em um trecho, Bolsonaro xinga prefeitos e diz que "quem não aceitar as minhas maneiras, minha família, Deus, Brasil, liberdade de expressão, está no governo errado".

Horas após a divulgação, Bolsonaro afirmou que "mais uma farsa (foi) desmontada" com a divulgação do vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril, divulgada nesta sexta-feira pelo ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal. "Nenhum indício de interferência na Polícia Federal", acrescentou, em publicação no Facebook, junto com um trecho de 21 minutos da reunião.

Houve cortes no vídeo, por parte de Celso de Mello, em trechos que mencionam outros países. “Assinalo que o sigilo que anteriormente decretei somente subsistirá quanto às poucas passagens do vídeo e da respectiva de gravação nas quais há referência a determinados Estados estrangeiros”, destacou. A AGU (Advocacia Geral da União) alega que divulgar o conteúdo completo do vídeo poderia comprometer o governo. Já a defesa de Moro defende que a gravação não possui "qualquer assunto pertinente a Segredo de Estado ou que possa gerar incidente diplomático, muito menos colocar em risco a Segurança Nacional".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;