Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 29 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Impacto da Covid-19 para distribuidoras de energia soma R$ 4,623 bi desde março

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Maior parte desse valor, ou R$ 3,478 bilhões, se refere ao aumento da inadimplência



12/05/2020 | 11:03


O impacto da pandemia de covid-19 nas distribuidoras de energia elétrica até agora, desde a adoção de medidas de isolamento social, em 18 de março, é estimado em R$ 4,623 bilhões, segundo informou o Ministério de Minas e Energia, em boletim semanal sobre o impacto da covid-19 no setor. A maior parte desse valor, ou R$ 3,478 bilhões, se refere ao aumento da inadimplência.

Segundo o MME, a inadimplência acumulada desde março alcançou 15,08%, ante média mensal de 3,27% no primeiro semestre de 2019.

Considerando somente a inadimplência dos últimos 30 dias, o índice chegou a 14,74% no início de maio, levando em conta os dados de 41 concessionárias de distribuição.

O impacto estimado da covid-19 para os últimos 30 dias foi de R$ 4,1 bilhões, dos quais R$ 2,048 bilhões devido ao maior volume de contas de luz em atraso.

Há também um impacto estimado de R$ 2,057 bilhões decorrente da redução do faturamento por causa da pandemia. O MME aponta que somente no último domingo a carga média de energia do Sistema Interligado Nacional foi 17,16% menor em relação à curva típica anterior às medidas de restrição.).

No total, as distribuidoras consultadas indicaram um faturamento de R$ 15,213 bilhões nos últimos 30 dias, ante a média mensal de R$ 19,318 bilhões observada no primeiro semestre do ano passado.

O governo vem estruturando um empréstimo para socorrer o setor elétrico. O valor atualmente estimado para operação é de R$ 10 bilhões a R$ 12 bilhões, com custos que deverão ser divididos entre consumidores e empresas.

A expectativa é de que um eventual financiamento para cobrir essa inadimplência maior não gere impacto nas tarifas, ou seja, que as distribuidoras assumam seus custos integralmente. O decreto que detalhara a operação deve ser publicado nesta semana.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Impacto da Covid-19 para distribuidoras de energia soma R$ 4,623 bi desde março

Maior parte desse valor, ou R$ 3,478 bilhões, se refere ao aumento da inadimplência


12/05/2020 | 11:03


O impacto da pandemia de covid-19 nas distribuidoras de energia elétrica até agora, desde a adoção de medidas de isolamento social, em 18 de março, é estimado em R$ 4,623 bilhões, segundo informou o Ministério de Minas e Energia, em boletim semanal sobre o impacto da covid-19 no setor. A maior parte desse valor, ou R$ 3,478 bilhões, se refere ao aumento da inadimplência.

Segundo o MME, a inadimplência acumulada desde março alcançou 15,08%, ante média mensal de 3,27% no primeiro semestre de 2019.

Considerando somente a inadimplência dos últimos 30 dias, o índice chegou a 14,74% no início de maio, levando em conta os dados de 41 concessionárias de distribuição.

O impacto estimado da covid-19 para os últimos 30 dias foi de R$ 4,1 bilhões, dos quais R$ 2,048 bilhões devido ao maior volume de contas de luz em atraso.

Há também um impacto estimado de R$ 2,057 bilhões decorrente da redução do faturamento por causa da pandemia. O MME aponta que somente no último domingo a carga média de energia do Sistema Interligado Nacional foi 17,16% menor em relação à curva típica anterior às medidas de restrição.).

No total, as distribuidoras consultadas indicaram um faturamento de R$ 15,213 bilhões nos últimos 30 dias, ante a média mensal de R$ 19,318 bilhões observada no primeiro semestre do ano passado.

O governo vem estruturando um empréstimo para socorrer o setor elétrico. O valor atualmente estimado para operação é de R$ 10 bilhões a R$ 12 bilhões, com custos que deverão ser divididos entre consumidores e empresas.

A expectativa é de que um eventual financiamento para cobrir essa inadimplência maior não gere impacto nas tarifas, ou seja, que as distribuidoras assumam seus custos integralmente. O decreto que detalhara a operação deve ser publicado nesta semana.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;