Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 28 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Hamilton diz que sentirá 'vazio muito grande' nas corridas da F-1 sem torcida

Reprodução/Instagram Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


09/05/2020 | 16:15


Acostumado a correr para milhares de fãs, o hexacampeão mundial Lewis Hamilton disse que sentirá um "vazio muito grande" ao dirigir pelas pistas da Fórmula 1 sem a presença dos torcedores nos arquibancadas, medida preventiva ao novo coronavírus que organizadores de algumas corridas já anunciaram, casos do GP da Inglaterra e da Áustria.

"Vai ficar um vazio muito grande", afirmou Hamilton, neste sábado, em entrevista ao canal da Mercedes no Youtube. O piloto britânico comparou a nova realidade das corridas neste ano sem torcida com um dia de testes.

"Para nós, será como um dia de teste, provavelmente ainda pior do que um dia de teste", lamentou o piloto da Mercedes. "Em um dia de teste, não há uma quantidade enorme de pessoas nos acompanhando em Barcelona. Só que agora vamos ficar sem ninguém nas arquibancadas, só vendo assentos vazios conforme andamos", acrescentou.

As 10 primeiras corridas desta temporada foram adiadas ou canceladas em meio à pandemia de coronavírus, com o icônico GP de Mônaco descartado pela primeira vez em 66 anos, e a Fórmula 1 foi obrigada a desenhar um novo calendário.

Hamilton lamentou o fato de não haver torcida principalmente no GP da Inglaterra, no circuito de Silverstone, onde é idolatrado e já venceu seis vezes. "Eu lamentei muito porque são os fãs que fazem valer essa corrida. Ao redor do mundo, em todas corridas, ter mais público significa ter uma atmosfera melhor. É por isso que temos lugares como Silverstone e Monza", ressaltou.

No entanto, Hamilton entende que o retorno das corridas, mesmo com portões fechados, pode ser um alívio para os fãs confinados em suas casas em um momento difícil.

"Estou recebendo mensagens de pessoas de todo o mundo que estão lutando durante esse período porque não estão assistindo esportes", revelou o piloto da Mercedes. "Isso mostra o quão significativo é o esporte na vida das pessoas, que nos une e é muito emocionante e cativante. Não sei o quão emocionante será para as pessoas assistindo na televisão, mas será melhor do que nada".

A Fórmula 1 está esperançosa de que a temporada possa começar no dia 5 de julho, com o GP da Áustria inaugurando o campeonato. O plano é que 15 a 18 das 22 corridas programadas ainda possam ser concluídas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Hamilton diz que sentirá 'vazio muito grande' nas corridas da F-1 sem torcida


09/05/2020 | 16:15


Acostumado a correr para milhares de fãs, o hexacampeão mundial Lewis Hamilton disse que sentirá um "vazio muito grande" ao dirigir pelas pistas da Fórmula 1 sem a presença dos torcedores nos arquibancadas, medida preventiva ao novo coronavírus que organizadores de algumas corridas já anunciaram, casos do GP da Inglaterra e da Áustria.

"Vai ficar um vazio muito grande", afirmou Hamilton, neste sábado, em entrevista ao canal da Mercedes no Youtube. O piloto britânico comparou a nova realidade das corridas neste ano sem torcida com um dia de testes.

"Para nós, será como um dia de teste, provavelmente ainda pior do que um dia de teste", lamentou o piloto da Mercedes. "Em um dia de teste, não há uma quantidade enorme de pessoas nos acompanhando em Barcelona. Só que agora vamos ficar sem ninguém nas arquibancadas, só vendo assentos vazios conforme andamos", acrescentou.

As 10 primeiras corridas desta temporada foram adiadas ou canceladas em meio à pandemia de coronavírus, com o icônico GP de Mônaco descartado pela primeira vez em 66 anos, e a Fórmula 1 foi obrigada a desenhar um novo calendário.

Hamilton lamentou o fato de não haver torcida principalmente no GP da Inglaterra, no circuito de Silverstone, onde é idolatrado e já venceu seis vezes. "Eu lamentei muito porque são os fãs que fazem valer essa corrida. Ao redor do mundo, em todas corridas, ter mais público significa ter uma atmosfera melhor. É por isso que temos lugares como Silverstone e Monza", ressaltou.

No entanto, Hamilton entende que o retorno das corridas, mesmo com portões fechados, pode ser um alívio para os fãs confinados em suas casas em um momento difícil.

"Estou recebendo mensagens de pessoas de todo o mundo que estão lutando durante esse período porque não estão assistindo esportes", revelou o piloto da Mercedes. "Isso mostra o quão significativo é o esporte na vida das pessoas, que nos une e é muito emocionante e cativante. Não sei o quão emocionante será para as pessoas assistindo na televisão, mas será melhor do que nada".

A Fórmula 1 está esperançosa de que a temporada possa começar no dia 5 de julho, com o GP da Áustria inaugurando o campeonato. O plano é que 15 a 18 das 22 corridas programadas ainda possam ser concluídas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;