Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 28 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Petrobras reduzirá em 15% gastos corporativos e em 10% custos gerais em 2020

FUP/Fptos Públicas  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


08/05/2020 | 17:28


A Petrobras informou nesta sexta-feira, 8, que vai reduzir em 15% os gastos corporativos (custos e despesas, excluindo-se matéria-prima) e em 10% os custos de forma geral, como forma de enfrentar as adversidades do setor de petróleo trazida pela pandemia do novo coronavírus (covid-19).

A medida faz parte de cinco pontos estratégicos divulgados pela companhia para enfrentar a crise, que inclui ainda o foco no aumento de retornos da base de ativos, priorizando o pré-sal; redução do endividamento, do custo de capital e aumento da resiliência; gestão do portfólio viabilizando grandes investimentos; e manutenção de estratégia de longo prazo para geração de valor.

"Reduzir nossas despesas corporativas já era uma meta que estávamos perseguindo. O programa de desligamento voluntário, os cortes de despesas, como publicidade e patrocínio, e a otimização do uso de prédios administrativos são algumas iniciativas em andamento que já contribuíram para a redução de custos em 2019", disse a empresa em nota nesta sexta-feira.

Em comparação com outras petroleiras, a Petrobras informou que tem o maior endividamento e também o maior gasto com vendas, despesa gerais e administrativas (SG&A, na sigla em inglês).

Segundo a estatal, na relação SG&A sobre a receita somada dos segmentos, tem o maior índice, de 4,8%, segundo dados de 2019, enquanto a segunda colocada, BP, registra 3,6%. A melhor performance nesse indicador é da Equinor, segundo a Petrobras, com 0,9%.

"Ajustamos nossa produção hibernando algumas plataformas que não apresentam condições econômicas para operar com preços baixos de petróleo e são ativos em processos de venda, postergamos pagamento de dividendos e de remuneração variável referente à 2019, estamos renegociando grandes contratos com fornecedores e ajustando a remuneração por funções gratificadas de nossos gestores", informou a companhia sobre a busca por uma melhor performance.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Petrobras reduzirá em 15% gastos corporativos e em 10% custos gerais em 2020


08/05/2020 | 17:28


A Petrobras informou nesta sexta-feira, 8, que vai reduzir em 15% os gastos corporativos (custos e despesas, excluindo-se matéria-prima) e em 10% os custos de forma geral, como forma de enfrentar as adversidades do setor de petróleo trazida pela pandemia do novo coronavírus (covid-19).

A medida faz parte de cinco pontos estratégicos divulgados pela companhia para enfrentar a crise, que inclui ainda o foco no aumento de retornos da base de ativos, priorizando o pré-sal; redução do endividamento, do custo de capital e aumento da resiliência; gestão do portfólio viabilizando grandes investimentos; e manutenção de estratégia de longo prazo para geração de valor.

"Reduzir nossas despesas corporativas já era uma meta que estávamos perseguindo. O programa de desligamento voluntário, os cortes de despesas, como publicidade e patrocínio, e a otimização do uso de prédios administrativos são algumas iniciativas em andamento que já contribuíram para a redução de custos em 2019", disse a empresa em nota nesta sexta-feira.

Em comparação com outras petroleiras, a Petrobras informou que tem o maior endividamento e também o maior gasto com vendas, despesa gerais e administrativas (SG&A, na sigla em inglês).

Segundo a estatal, na relação SG&A sobre a receita somada dos segmentos, tem o maior índice, de 4,8%, segundo dados de 2019, enquanto a segunda colocada, BP, registra 3,6%. A melhor performance nesse indicador é da Equinor, segundo a Petrobras, com 0,9%.

"Ajustamos nossa produção hibernando algumas plataformas que não apresentam condições econômicas para operar com preços baixos de petróleo e são ativos em processos de venda, postergamos pagamento de dividendos e de remuneração variável referente à 2019, estamos renegociando grandes contratos com fornecedores e ajustando a remuneração por funções gratificadas de nossos gestores", informou a companhia sobre a busca por uma melhor performance.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;