Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 26 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Brasil registra 610 mortes por coronavírus nas últimas 24h

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

O número de casos confirmados passou de 125.218 para 135.106, sendo 9.888 novos casos registrados entre ontem e hoje



07/05/2020 | 19:49


O Brasil registrou 610 mortes decorrentes do novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo atualização feita pelo Ministério da Saúde nesta quinta-feira, 7. Com isso, o total oficial de vítimas da doença no País subiu de 8.536 para 9.146.

O número oficial de casos confirmados da covid-19 passou de 125.218 para 135.106, sendo 9.888 novos casos registrados entre ontem e hoje. Considerando essa atualização, o País ultrapassou a Turquia em número de casos, que, segundo levantamento da universidade Johns Hopkins, contabilizava até as 19h20 desta quinta 133.721 casos confirmados da doença, na posição de 8º país do mundo com mais casos confirmados.

São Paulo segue como o Estado mais afetado pela doença, com 39.928 casos confirmados e 3.206 óbitos. Em seguida, vêm Rio de Janeiro (14.156 casos, 1.394 óbitos), Ceará (13.888 casos, 903 óbitos), Pernambuco (10.824 casos, 845 mortes) e Amazonas (10.099 casos, 806 óbitos).

Autoridades sanitárias, incluindo a Organização Mundial da Saúde (OMS), alertam que as medidas de isolamento social são a melhor forma de evitar a propagação rápida da covid-19 e o colapso do sistema hospitalar. No Brasil, o Ministério da Saúde prevê que o pico da doença deve ser atingido entre maio e julho e, enquanto o número de mortos pela doença no País vem numa crescente, o presidente Jair Bolsonaro tem adotado um discurso de flexibilização das medidas restritivas.

Nesta quinta-feira, 7, Bolsonaro se reuniu com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli e, acompanhado de ministros e empresários, fez pressão para que as medidas restritivas nos Estados sejam amenizadas. Ele anunciou que assinaria um decreto para ampliar a quantidade de atividades essenciais em meio à pandemia do novo coronavírus.

A ampliação da lista de serviços e atividades considerados essenciais foi publicada no "Diário Oficial da União" (DOU) desta quinta-feira, 7, e já está em vigor. Além da construção civil, que Bolsonaro havia anunciado mais cedo, o texto inclui na lista de atividades essenciais atividades industriais, obedecidas as determinações do Ministério da Saúde?; indústrias químicas e petroquímicas de matérias primas ou produtos de saúde, higiene, alimentos e bebidas; e produção, transporte e distribuição de gás natural?.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Brasil registra 610 mortes por coronavírus nas últimas 24h

O número de casos confirmados passou de 125.218 para 135.106, sendo 9.888 novos casos registrados entre ontem e hoje


07/05/2020 | 19:49


O Brasil registrou 610 mortes decorrentes do novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo atualização feita pelo Ministério da Saúde nesta quinta-feira, 7. Com isso, o total oficial de vítimas da doença no País subiu de 8.536 para 9.146.

O número oficial de casos confirmados da covid-19 passou de 125.218 para 135.106, sendo 9.888 novos casos registrados entre ontem e hoje. Considerando essa atualização, o País ultrapassou a Turquia em número de casos, que, segundo levantamento da universidade Johns Hopkins, contabilizava até as 19h20 desta quinta 133.721 casos confirmados da doença, na posição de 8º país do mundo com mais casos confirmados.

São Paulo segue como o Estado mais afetado pela doença, com 39.928 casos confirmados e 3.206 óbitos. Em seguida, vêm Rio de Janeiro (14.156 casos, 1.394 óbitos), Ceará (13.888 casos, 903 óbitos), Pernambuco (10.824 casos, 845 mortes) e Amazonas (10.099 casos, 806 óbitos).

Autoridades sanitárias, incluindo a Organização Mundial da Saúde (OMS), alertam que as medidas de isolamento social são a melhor forma de evitar a propagação rápida da covid-19 e o colapso do sistema hospitalar. No Brasil, o Ministério da Saúde prevê que o pico da doença deve ser atingido entre maio e julho e, enquanto o número de mortos pela doença no País vem numa crescente, o presidente Jair Bolsonaro tem adotado um discurso de flexibilização das medidas restritivas.

Nesta quinta-feira, 7, Bolsonaro se reuniu com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli e, acompanhado de ministros e empresários, fez pressão para que as medidas restritivas nos Estados sejam amenizadas. Ele anunciou que assinaria um decreto para ampliar a quantidade de atividades essenciais em meio à pandemia do novo coronavírus.

A ampliação da lista de serviços e atividades considerados essenciais foi publicada no "Diário Oficial da União" (DOU) desta quinta-feira, 7, e já está em vigor. Além da construção civil, que Bolsonaro havia anunciado mais cedo, o texto inclui na lista de atividades essenciais atividades industriais, obedecidas as determinações do Ministério da Saúde?; indústrias químicas e petroquímicas de matérias primas ou produtos de saúde, higiene, alimentos e bebidas; e produção, transporte e distribuição de gás natural?.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;