Fechar
Publicidade

Domingo, 31 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Teich exonera 13 do Ministério da Saúde; áreas estratégicas ficam esvaziadas

Marcelo Cassal/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


07/05/2020 | 18:20


O ministro da Saúde, Nelson Teich, exonerou 13 servidores da pasta nesta quinta-feira, 7. As trocas já estavam previstas desde a saída de Luiz Henrique Mandetta (DEM) do cargo de ministro, em 16 de abril, e algumas mudanças foram feitas a pedido dos servidores.

A nova gestão tem loteado cargos estratégicos com militares e promete também espaços a partidos do Centrão, como PL e PP. Para gestores do SUS, Teich parece "tutelado" pelo Palácio do Planalto e pela ala militar do governo.

O ministro nega a tutela. Em reunião na Câmara dos Deputados nesta quinta-feira, 7, ele afirmou que é "o líder" do ministério.

As mudanças esvaziam áreas estratégicas, como a Secretaria de Atenção Primária à Saúde (Saps), que trata da gestão de postos de saúde, ambulatórios e atendimentos de "saúde da família", e a Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS), responsável pela elaboração de diretrizes do governo federal sobre a resposta à covid-19, incluindo medidas de isolamento social.

Foram exonerados da SVS Sônia Maria Feitosa Brito e Rodrigo Lins Frutuoso. Eles atuavam na pasta há mais de uma década e faziam parte da equipe de Wanderson Oliveira, secretário Nacional de Vigilância em Saúde. As demissões foram pedidas pelos próprios servidores. Oliveira também chegou a pedir para sair do governo nos últimos dias da gestão Mandetta, mas segue no órgão por solicitação de Teich.

Entre os exonerados nesta quinta, seis nomes atuavam na Saps. A pasta está sem secretário titular desde 30 de abril, quando o médico Erno Harzheim foi exonerado. Ele entrou no governo Jair Bolsonaro por indicação do médico João Gabbardo, que também deixou a pasta após a saída de Mandetta.

Equipe

A composição da equipe de Teich reflete acordos do governo Bolsonaro para costurar apoio tanto da ala militar como de partidos do "Centrão" no Congresso.

O general Eduardo Pazuello foi nomeado secretário-executivo, "número 2" do ministério, e indicou mais de uma dezena de militares ao órgão, que estão sendo nomeados aos poucos.

Uma das principais mudanças previstas é a nomeação do coronel Alexandre Martinelli Cerqueira na Diretoria de Logística (DLOG), área responsável por compras do ministério. O militar deve ocupar a vaga de Roberto Ferreira Dias, indicado ao cargo pelo ex-deputado Abelardo Lupion (DEM-PR) no começo do governo Jair Bolsonaro.

Gestores do SUS que participaram recentemente de reuniões com o ministro afirmaram ao Estado que Teich parece "perdido" e sem dar uma diretriz sobre o que pretende fazer no ministério.

Único indicado pelo novo ministro a ser nomeado como secretário até agora, o médico e biofísico Antonio Carlos Campos de Carvalho vai ocupar a secretaria de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde. Ele é professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). No cargo, Carvalho fica responsável pela avaliação da oferta de tecnologias no SUS. A pasta emite notas técnicas recomendando ou não uso da cloroquina, por exemplo. A secretaria ainda é estratégica por tratar de parcerias com o setor produtivo, chamadas de PDP.

Antes de Carvalho, a secretaria era chefiada pelo médico Denizar Vianna. Ele segue no Ministério da Saúde como assessor especial de Teich.

A Secretaria de Vigilância em Saúde foi prometida ao PL, do ex-deputado Valdemar Costa Neto, condenado no mensalão e investigado pela Lava Jato. Ainda não há nome para o cargo. A pasta hoje é ocupada pelo epidemiologista Wanderson Oliveira.

O PP também tem interesse em emplacar nomes na Saúde. Uma ideia é acomodar um apadrinhado na Secretaria de Atenção Especializada à Saúde (SAES), responsável, por exemplo, por aprovar o custeio com verba federal do funcionamento de leitos hospitalares em Estados.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Teich exonera 13 do Ministério da Saúde; áreas estratégicas ficam esvaziadas


07/05/2020 | 18:20


O ministro da Saúde, Nelson Teich, exonerou 13 servidores da pasta nesta quinta-feira, 7. As trocas já estavam previstas desde a saída de Luiz Henrique Mandetta (DEM) do cargo de ministro, em 16 de abril, e algumas mudanças foram feitas a pedido dos servidores.

A nova gestão tem loteado cargos estratégicos com militares e promete também espaços a partidos do Centrão, como PL e PP. Para gestores do SUS, Teich parece "tutelado" pelo Palácio do Planalto e pela ala militar do governo.

O ministro nega a tutela. Em reunião na Câmara dos Deputados nesta quinta-feira, 7, ele afirmou que é "o líder" do ministério.

As mudanças esvaziam áreas estratégicas, como a Secretaria de Atenção Primária à Saúde (Saps), que trata da gestão de postos de saúde, ambulatórios e atendimentos de "saúde da família", e a Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS), responsável pela elaboração de diretrizes do governo federal sobre a resposta à covid-19, incluindo medidas de isolamento social.

Foram exonerados da SVS Sônia Maria Feitosa Brito e Rodrigo Lins Frutuoso. Eles atuavam na pasta há mais de uma década e faziam parte da equipe de Wanderson Oliveira, secretário Nacional de Vigilância em Saúde. As demissões foram pedidas pelos próprios servidores. Oliveira também chegou a pedir para sair do governo nos últimos dias da gestão Mandetta, mas segue no órgão por solicitação de Teich.

Entre os exonerados nesta quinta, seis nomes atuavam na Saps. A pasta está sem secretário titular desde 30 de abril, quando o médico Erno Harzheim foi exonerado. Ele entrou no governo Jair Bolsonaro por indicação do médico João Gabbardo, que também deixou a pasta após a saída de Mandetta.

Equipe

A composição da equipe de Teich reflete acordos do governo Bolsonaro para costurar apoio tanto da ala militar como de partidos do "Centrão" no Congresso.

O general Eduardo Pazuello foi nomeado secretário-executivo, "número 2" do ministério, e indicou mais de uma dezena de militares ao órgão, que estão sendo nomeados aos poucos.

Uma das principais mudanças previstas é a nomeação do coronel Alexandre Martinelli Cerqueira na Diretoria de Logística (DLOG), área responsável por compras do ministério. O militar deve ocupar a vaga de Roberto Ferreira Dias, indicado ao cargo pelo ex-deputado Abelardo Lupion (DEM-PR) no começo do governo Jair Bolsonaro.

Gestores do SUS que participaram recentemente de reuniões com o ministro afirmaram ao Estado que Teich parece "perdido" e sem dar uma diretriz sobre o que pretende fazer no ministério.

Único indicado pelo novo ministro a ser nomeado como secretário até agora, o médico e biofísico Antonio Carlos Campos de Carvalho vai ocupar a secretaria de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde. Ele é professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). No cargo, Carvalho fica responsável pela avaliação da oferta de tecnologias no SUS. A pasta emite notas técnicas recomendando ou não uso da cloroquina, por exemplo. A secretaria ainda é estratégica por tratar de parcerias com o setor produtivo, chamadas de PDP.

Antes de Carvalho, a secretaria era chefiada pelo médico Denizar Vianna. Ele segue no Ministério da Saúde como assessor especial de Teich.

A Secretaria de Vigilância em Saúde foi prometida ao PL, do ex-deputado Valdemar Costa Neto, condenado no mensalão e investigado pela Lava Jato. Ainda não há nome para o cargo. A pasta hoje é ocupada pelo epidemiologista Wanderson Oliveira.

O PP também tem interesse em emplacar nomes na Saúde. Uma ideia é acomodar um apadrinhado na Secretaria de Atenção Especializada à Saúde (SAES), responsável, por exemplo, por aprovar o custeio com verba federal do funcionamento de leitos hospitalares em Estados.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;