Fechar
Publicidade

Domingo, 31 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Endividamento das famílias nos Estados Unidos já ultrapassa pico da crise de 2008

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


05/05/2020 | 16:14


O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) de Nova York afirma em relatório trimestral que o endividamento total das famílias nos Estados Unidos avançou 1,1% (US$ 155 bilhões) no primeiro trimestre de 2020, para US$ 14,30 bilhões, acima do pico anterior de US$ 12,68 bilhões atingido no terceiro trimestre de 2008, quando ocorria uma crise financeira.

O Fed NY aponta em comunicado que o relatório mais recente usa dados de crédito do consumidor até 31 de março, mas ressalta que eles não refletem ainda totalmente os efeitos da pandemia de coronavírus "que se materializaram na segunda metade de março". A instituição diz que continuará a olhar de perto esses números, como parte de sua avaliação sobre o quadro econômico atual.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Endividamento das famílias nos Estados Unidos já ultrapassa pico da crise de 2008


05/05/2020 | 16:14


O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) de Nova York afirma em relatório trimestral que o endividamento total das famílias nos Estados Unidos avançou 1,1% (US$ 155 bilhões) no primeiro trimestre de 2020, para US$ 14,30 bilhões, acima do pico anterior de US$ 12,68 bilhões atingido no terceiro trimestre de 2008, quando ocorria uma crise financeira.

O Fed NY aponta em comunicado que o relatório mais recente usa dados de crédito do consumidor até 31 de março, mas ressalta que eles não refletem ainda totalmente os efeitos da pandemia de coronavírus "que se materializaram na segunda metade de março". A instituição diz que continuará a olhar de perto esses números, como parte de sua avaliação sobre o quadro econômico atual.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;