Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 28 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

dmais@dgabc.com.br | 4435-8396

União de caminhos mortais

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Brutalidade da franquia de games ganha espaço em longa animado de ‘Mortal Kombat’


Luís Felipe Soares

02/05/2020 | 23:59


O combo com golpes especiais, porradas e muito sangue é básico em tudo que envolve o universo de Mortal Kombat. Criado na década de 1990, o jogo de luta chamou a atenção do público e da crítica da época justamente por ser mais violento que outras opções do gênero, e claro que os gamers se divertiam ao máximo. Já se passaram 28 anos desde seu surgimento e a popularidade do título vive entre altos e baixos, mas com a marca sempre sendo lembrada em diversas linguagens da cultura pop. 

Há histórias em quadrinhos, filmes e desenhos, mas poucas adaptações mantêm a brutalidade que tanto diferencia a franquia. É justamente tentando ser mais sanguinário – mas em um nível que não deixa nenhum estômago embrulhado – que o longa-metragem animado Mortal Kombat Legends: A Vingança de Scorpion tenta marcar lugar na lista de atrações do mundo expandido do game. 

Produzido pela Warner Bros, a mesma responsável por desenvolver animações do universo de heróis e vilões da DC Comics, a produção tenta se basear em acontecimentos que serviram de fonte para o roteiro do jogo

original, de 1992. A ideia geral é que Raiden reuniu combatentes da Terra (o monge Liu Kang, a oficial das forças especiais norte-americanas Sonya Blade e o ator de ação Johnny Cage) para duelar com gladiadores da realidade de Outworld, liderados pelo feiticeiro Shang Tsung, no torneio Mortal Kombat. Acaba sendo o enredo do filme live action, lançado em 1995 nos cinemas. 

Mas como o novo título diz, há a presença destacada para jornada do ninja Scorpion, facilmente o personagem mais popular – mesmo não sendo um dos heróis. Na trama maior, o guerreiro oriental Hanzo Hasashi vê sua família ser massacrada pelo mercenário Sub-Zero. Ele acredita estar morto, mas exílio no mundo de Netherrealm (espécie de inferno) faz com recebe chance de vingar a mulher e o filho ao ser ressuscitado como o protagonista do longa animado.

A mescla entre as histórias deixa a duração de 79 minutos bem fluída, com a jornada pessoal de Scorpion trazendo elementos que realmente movimentam os combates mortais pela salvação da humanidade. Quem acompanha Mortal Kombat viu o drama do personagem em outras produções não oficiais que são colocadas na internet e, agora, tem chance de ver sua versão em desenho animado, com direito a litros de sangue rolando o bastante para fazer com que o filme tenha classificação indicativa para maiores de 18 anos.

Mortal Kombat Legends: A Vingança de Scorpion está disponível em versão digital nos serviços on-line da Microsoft, Apple TV e Google Play. As sessões ocorrem por meio de aluguel simples (R$ 14,90, em média) ou compra (R$ 59,90, em média) por parte do público.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

União de caminhos mortais

Brutalidade da franquia de games ganha espaço em longa animado de ‘Mortal Kombat’

Luís Felipe Soares

02/05/2020 | 23:59


O combo com golpes especiais, porradas e muito sangue é básico em tudo que envolve o universo de Mortal Kombat. Criado na década de 1990, o jogo de luta chamou a atenção do público e da crítica da época justamente por ser mais violento que outras opções do gênero, e claro que os gamers se divertiam ao máximo. Já se passaram 28 anos desde seu surgimento e a popularidade do título vive entre altos e baixos, mas com a marca sempre sendo lembrada em diversas linguagens da cultura pop. 

Há histórias em quadrinhos, filmes e desenhos, mas poucas adaptações mantêm a brutalidade que tanto diferencia a franquia. É justamente tentando ser mais sanguinário – mas em um nível que não deixa nenhum estômago embrulhado – que o longa-metragem animado Mortal Kombat Legends: A Vingança de Scorpion tenta marcar lugar na lista de atrações do mundo expandido do game. 

Produzido pela Warner Bros, a mesma responsável por desenvolver animações do universo de heróis e vilões da DC Comics, a produção tenta se basear em acontecimentos que serviram de fonte para o roteiro do jogo

original, de 1992. A ideia geral é que Raiden reuniu combatentes da Terra (o monge Liu Kang, a oficial das forças especiais norte-americanas Sonya Blade e o ator de ação Johnny Cage) para duelar com gladiadores da realidade de Outworld, liderados pelo feiticeiro Shang Tsung, no torneio Mortal Kombat. Acaba sendo o enredo do filme live action, lançado em 1995 nos cinemas. 

Mas como o novo título diz, há a presença destacada para jornada do ninja Scorpion, facilmente o personagem mais popular – mesmo não sendo um dos heróis. Na trama maior, o guerreiro oriental Hanzo Hasashi vê sua família ser massacrada pelo mercenário Sub-Zero. Ele acredita estar morto, mas exílio no mundo de Netherrealm (espécie de inferno) faz com recebe chance de vingar a mulher e o filho ao ser ressuscitado como o protagonista do longa animado.

A mescla entre as histórias deixa a duração de 79 minutos bem fluída, com a jornada pessoal de Scorpion trazendo elementos que realmente movimentam os combates mortais pela salvação da humanidade. Quem acompanha Mortal Kombat viu o drama do personagem em outras produções não oficiais que são colocadas na internet e, agora, tem chance de ver sua versão em desenho animado, com direito a litros de sangue rolando o bastante para fazer com que o filme tenha classificação indicativa para maiores de 18 anos.

Mortal Kombat Legends: A Vingança de Scorpion está disponível em versão digital nos serviços on-line da Microsoft, Apple TV e Google Play. As sessões ocorrem por meio de aluguel simples (R$ 14,90, em média) ou compra (R$ 59,90, em média) por parte do público.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;